[ editar artigo]

28/05/2020 - Dia da Conscientização à Saúde da Mulher na pandemia do COVID-19

28/05/2020 - Dia da Conscientização à Saúde da Mulher na pandemia do COVID-19

O Dia Internacional de Ação Pela Saúde da Mulher foi definido no IV Encontro Internacional Mulher e Saúde que ocorreu em 1984, na Holanda, durante o Tribunal Internacional de Denúncia e Violação dos Direitos Reprodutivos, ocasião em que a morte materna apareceu com toda a sua magnitude.

A partir dessa data, o tema ganhou maior interesse e no V Encontro Internacional Mulher e Saúde, realizado em São José da Costa Rica, a Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe - RSMLAC, propôs que a cada ano, no dia 28 de maio, uma temática nortearia ações políticas que visassem prevenir mortes maternas evitáveis.

Sendo a principal rede regional, a RSMLAC, assumiu a responsabilidade de promover e coordenar as ações regionais, enquanto a Rede Global de Mulheres para os Direitos Reprodutivos (RGMDR), sendo a rede global, foi solicitada a liderar a campanha em 28 de maio globalmente.

Ambas as redes trabalharam em estreita colaboração com o grupo de membros ativos principais na coordenação dos esforços da campanha.

O primeiro Chamado à Ação, uma campanha plurianual de prevenção da mortalidade e morbidade materna, foi um sucesso imediato e alcançou resultados em vários níveis, sendo o primeiro que proporcionou às organizações de base das mulheres um maior acesso a informações que antes estavam disponíveis apenas através de serviços especializados.

Além disso, a campanha trouxe à tona lacunas significativas nos dados de pesquisa na saúde da mulher, o que resultou em mais reuniões presenciais, seminários e estudos de pesquisa. Mais importante ainda, a participação na campanha coordenada internacionalmente aproximou o movimento da saúde da mulher em nível nacional e internacional, fortalecendo o impacto do movimento. Simultaneamente, organismos internacionais como a Organização Mundial da Saúde (ONU).

Desde o seu lançamento inaugural em 1987, o dia 28 de maio foi reconhecido como o Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher por vários governos, várias agências internacionais e várias organizações da sociedade civil em todo o mundo. 

Atualmente o dia 28 de maio é um dia de ação reconhecido internacionalmente, em que qualquer organização ou indivíduo pode mobilizar suas comunidades em torno de seu próprio tópico prioritário que melhor se adapte ao contexto local.

Câncer de mama, endometriose (meu caso), infecção urinária, câncer no colo do útero, fibromialgia, depressão, ansiedade, bournout, diabetes, obesidade estão hoje entre as principais doenças que afetam o sexo feminino.

Muitas vezes, em função de jornada dupla de trabalho e atenção centrada na saúde da família, mulheres negligenciam a própria saúde, deixando de lado, por exemplo, exames periódicos preventivos e um próprio olhar para si.

Aqui no Brasil, há responsabilidade do setor público via SUS, da sociedade civil, no âmbito da saúde suplementar, o comportamento exige esforço das operadoras de planos e de profissionais de saúde no sentido de alertar as mulheres para os riscos da ausência de cuidado, para um olhar para preservação da nossa saúde e não a doença.

Em minha própria atuação na saúde suplementar, pude verificar que ações de algumas  operadoras e seguradoras e de profissionais de saúde no sentido de alertar as mulheres para os riscos da ausência de cuidado, porém, muitos não o fazem, surgem assim, iniciativas de startups para tentar reparar esta "DOR".

Assim, iniciei minha start-up, efetivamente no ano passado com foco na Educação Preventiva e Cuidados na Saúde da Mulher, por questões de minha própria saúde (endometriose profunda), e por encontrar diversas dificuldades no setor da Saúde para com a Mulher, que envolvem questões diversas, não apenas a nossa parte física, onde entram aí o "empoderamento feminino", "desigualdade de gênero", "saúde mental", "autovalorização" "autoconhecimento" "autocuidados", e tenho como objetivo buscar formas de garantir a minha saúde e o meu bem-estar e consequentemente de outras mulheres...

O tema da campanha do Dia Internacional da Mulher 2020 e que perdura o ano todo é #EachforEqual - um mundo igual é um mundo habilitado, e uma das missões da campanha é ajudar as mulheres a estarem em posição de poder na tomada de decisões informadas sobre sua saúde.

Ativistas da saúde da mulher (como eu, via minha start-up *Interação Saúde Mulher), comemoramos o dia 28 de maio, desenvolvendo ações independentemente, por nossos próprios temas, levando o engajamento, informações, conteúdos, campanhas e materiais, apoios diversos, para reflexões das questões importantes para muitas partes interessadas.

Neste 28/05/2020, temos algo inusitado, o nos trás dois cenários, para ampliar a questão da Luta pela Saúde da Mulher, que é o contexto da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19).

Medidas emergências, estão sendo tomadas, como  o uso da Telemedicina e da Telessaúde , por exemplo, tanto pelo reconhecimento da importância pelo Ministério da Saúde, o que permite ações pontuais, e orientações,  a distância, para Atenção Primária, apoio à Mulheres Gestantes e Lactantes, acompanhamentos, por profissionais e serviços de saúde, munidos de protocolos diversos, tanto no setor público, como privado.

No atual cenário, fica "claro, que nosso maior patrimônio é a nossa Saúde Integral", e que nós mulheres, somos as detentoras, provedoras, e protagonistas de nossas e de muitas vidas... para Nossa saúde, Nossos direitos, Nossas vidas!

Val Sátiro – Fundadora – Interação Saúde Mulher - www.interacaosaudemulhser.com.br

Academia Médica
Val Sátiro
Val Sátiro Seguir

Fundadora/empreendedora, - Interação Saúde Mulher palestras e plataforma digital, com foco em Inovação, Tecnologia e Comunicação para Prevenção e Cuidados na Saúde da Mulher e Diretora de Assuntos Estratégicos Brasil, da ONG Endometriose Mulher.

Ler conteúdo completo
Indicados para você