[ editar artigo]

Indicação de Livro "A Medicina Pós-Hipocrática: O problema e a solução", de Hugh J. Flemming

Indicação de Livro

O livro "A Medicina Pós-Hipocrática: O problema e a solução", foi publicado no Brasil em 2017, sendo prefaciado pelo Dr. Hélio Angotti Neto e escrito por Hugh J. Flemming. Em apenas 60 páginas, o autor consegue surpreender os leitores com a sua capacidade de unir história, bioética, moral judaico-cristã e teologia de uma forma fácil de ser compreendida, até para leitores iniciantes nos estudos das humanidades.

Medicina Pós-Hipocrática | Amazon.com.br

O foco principal da obra é desconstruir a narrativa que os valores judaico-cristãos foram e são maléficos para a prática médica. Muito pelo contrário, o livro apresenta ao leitor como a ética cristã influenciou os cuidados médicos e como a civilização ocidental se beneficiou dessa prática.

A obra é distribuída em 04 partes principais: o período bíblico, o período da igreja primitiva, a idade média e a idade moderna.

A primeira parte (O período bíblico) é dividida por Hugh em 02 tópicos: O Antigo Testamento (AT) e O Novo Testamento (NT). O autor narra que 02 verdades principais foram reveladas no AT: a Santidade de Deus e a criação do homem à sua imagem e semelhança (imago Dei). Essas verdades, para ele, são os princípios fundamentais dos valores judaico-cristãos. Além disso, há várias passagens do AT que narram Deus curando o seu povo, bem como dando orientações para que os Judeus valorizem seus médicos, como nos versículos abaixo.

"Honra o médico por causa da necessidade, pois foi o Altíssimo quem o criou. De Deus lhe vem a sabedoria, e ele recebe presentes do rei. A ciência do médico o eleva em honra; ele é admirado na presença dos grandes."

  Eclesiástico, 38                                                                                        

Já sobre o NT, o Autor apresenta o Deus médico dos médicos, que cura os doentes, ressuscita mortos e alerta a todos que querem segui-lo que terão obrigação de cuidar de órfãos e viúvas, bem como deixa bem claro aos seus apóstolos que terão a possibilidade do dom da cura. 

Acerca do segundo período, o da Igreja Primitiva, o autor aborda profundamente os primeiros passos da religião cristã, principalmente no que diz respeito à prática médica, e as resistências que enfrentou nas civilizações de cultura greco-romanas, onde o deus Asclépio (Esculápio para os Romanos) era considerado o grande "curador". 

A principal diferença indicada por Hugh é que o tipo de philantropia (filantropia) praticada pelos médicos greco-romanos, "seguidores de Asclépio", não podia ser definida como amor à humanidade, mas sim ser polido, gentil e simpático. Não que estas características sejam inúteis ou ruins, muito pelo contrário. Contudo, os profissionais greco-romanos demonstravam pouco interesse pelos pobres e necessitados, preferindo tratar os ricos e poderosos que podiam lhe oferecer bens e sacrifícios ao deus Asclépio. Assim, podemos definir esse tipo de prática como utilitarista, estadista e impessoal

Já a prática médica judaico-cristã, segundo o autor, é baseada no agape (amor cristão), que busca o bem e a cura em todos os enfermos, até mesmo seus inimigos, ainda que contaminados com patógenos mortais em epidemias.

Em meados do século III uma praga devastou o Império Romano, e os cristãos responderam, apesar de terem sido perseguidos pouco tempo antes de forma intensa e cruel, com um heroísmo desconhecido no mundo antigo. Durante essa praga, surgiu um grupo de cristãos conhecido como parabolani ("os imprudentes"), os quais não mediam esforços para cuidar de TODOS os infectados. Essa preocupação dos cristãos para com os doentes e até mesmo para com seus perseguidores, deu origem aos primeiros hospitais. O  Hospital de Basileias foi fundado por cristãos na Capadócia no ano 372d.c, se tornando o mais conhecido. 

"O médico humano, portanto, manifesta o espírito do agape, da compaixão semelhante à de Cristo, no cuidado para com os doentes, em especial os pobres desprovidos, sem nenhuma intenção de recompensa ou medo de contágio."                                                                                                     - Hugh J. Flemming

O terceiro período abordado por Hugh, o da Idade Média, trata sobre o desenvolvimento da cosmovisão judaico-cristã na sociedade e refuta a narrativa de denominar esse período como a "idade das trevas". Além disso, fala como a arte médica com valores hipocrático-cristãos foi difundida na Europa Ocidental e Oriental, sendo imprescindíveis para garantir tratamento e cura aos seres humanos, sejam pobres ou ricos, infectados com doenças mortais ou não.

O último período abordado é o da Era Moderna,  nesta parte da obra o autor fala acerca da queda das restrições criadas pelo clero e o avanço dos estudos na área de anatomia, cirurgia, imunologia, etc. Hugh ainda transparece sua preocupação com os caminhos que a medicina está tomando e com as consequências caso ela abandone seu lado artístico e virtuoso para tornar-se utilitarista e tecnicista.     

Por fim, podemos concluir que a mensagem passada pelo livro é de que a medicina não seria o que é sem os valores hipocrático-cristãos e que devemos preservar os princípios e virtudes que norteiam a arte médica.

E você, prezado leitor, tem alguma indicação de livro ou resposta à críticas literárias? Mande o seu artigo para nós, tenha seus pontos de compartilhados com a nossa Comunidade e torne-se um autor da Academia Médica.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 210 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Academia Médica
José Bento
José Bento Seguir

Acadêmico de Medicina do 7º período na Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande - Paraíba.

Ler conteúdo completo
Indicados para você