[ editar artigo]

TP #23: Vacina da USP, covid longo, telemedicina e medicamentos à base de cannabis

TP #23: Vacina da USP, covid longo, telemedicina e medicamentos à base de cannabis

Nesse episódio falamos sobre a vacina brasileira desenvolvida na USP, ineficácia da cloroquina, Covid-19 e como ele age no cérebro, sintomas persistentes relacionados ao Covid-19. Também foi discutido sobre  antibioticoterapia em pacientes com pneumonia adquirida e medicamentos à base de cannabis e telemedicina e suas preocupações com o padrão.

O Troca de Plantão acontece de Segunda a Sexta às 06h30 da manhã no Clubhouse e é transformado em Podcast para você que não pode participar conosco ao vivo. Dê o play aqui e curta conosco.

Comandado por Fernando Carbonieri, médico e fundador da Academia Médica, o Troca de Plantão nº23 contou com os colegas Filipe ProhaskaMarilea AssisAna Panigassi, Jamil Cade, Thiago Rodrigues, Newton Nunes, entre outros que também compartilharam conhecimento com a comunidade. Com audiência crescente, o Troca de Plantão da Academia Médica traz as principais publicações científicas do cenário mundial, discutidas por profissionais de ponta.

The Good Doctor GIF by ABC Network - Find & Share on GIPHY

Nossos heróis aqui do Troca de Plantão trouxeram as suas fofocas e a gente traz a sedimentação teórica para elas. Confira abaixo as referências que embasaram a discussão de hoje!

Ivete Sangalo rebate críticas de secretário de saúde da Bahia

Leia mais aqui. 

Ivete Sangalo, 48, não gostou nem um pouco de ser cobrada pelo secretário de saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. "Ivete, você deveria ser mais envolvida em questões sociais. O Brasil está a caminho do colapso na saúde, o que você fez para ajudar a evitar?", questionou o médico, no Twitter, na tarde deste domingo (28), em mensagem que foi apagada pouco tempo depois.

A cantora usou a mesma rede social para rebater o ataque. "Boa tarde, senhor secretário de saúde da Bahia, Fábio Vilas Boas. Venho por meio dessa rede social, a qual o senhor utilizou para revelar o quanto pouco me conhece e o quanto pouco conhece a cerca da maneira que trabalho e da forma que realizo as atividades as quais me disponho", escreveu.

Vacina brasileira desenvolvida na USP tem pedido de testes submetidos à Anvisa

Leia mais aqui.

O governo federal anunciou hoje que protocolou na Anvisa o pedido de autorização para testes clínicos em humanos da Versamune-CoV-2FC, potencial candidata à vacina brasileira. O anúncio foi feito pelo ministro Marcos Pontes, que disse que o estudo é financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. O desenvolvimento da vacina é coordenado pelo pesquisador Célio Lopes Silva, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP em parceria com o grupo Farmacore e a PDS Biotechnology Corporation.

Reino Unido anuncia flexibilização de lockdown

Leia mais aqui.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou nesta segunda-feira (22) que o Reino Unido vai começar a flexibilizar seu lockdown nacional a partir do dia 8 de março, com o retorno às aulas presenciais como prioridade. Johnson pediu cautela durante o processo de flexibilização para que um quarto lockdown não seja imposto em todo o país. A primeira etapa de reabertura será dividida em duas partes:

  • 8 de março: reabertura de escolas, creches e universidades. Atividades ao ar livre, como parques, e cafés estão restritas a apenas duas pessoas – se não forem da mesma casa.
  • 29 de março: atividades ao ar livre com até seis pessoas de duas famílias são permitidas – vale também para encontros em casa, nos jardins e quintais.

A cloroquina ou hidroxicloroquina é útil no tratamento de pessoas com COVID ‐ 19 ou na prevenção de infecção em pessoas que foram expostas ao vírus?: COCHRANE

Leia, na íntegra, aqui. 

Tratando COVID-19

Em comparação com o tratamento usual ou placebo, hidroxicloroquina:

  • Claramente não afetou quantas pessoas morreram (de qualquer causa; 9 estudos em 8.208 pessoas);
  • Provavelmente não afetou quantas pessoas precisaram de ventilação mecânica (3 estudos; 4.521 pessoas);
  • Pode não afetou o número de pessoas com teste positivo para o vírus após 14 dias (3 estudos; 213 pessoas).

Não temos certeza se a hidroxicloroquina afetou o número de pessoas cujos sintomas melhoraram após 28 dias.

Em comparação com outro tratamento antiviral (lopinavir mais ritonavir), a cloroquina fez pouca ou nenhuma diferença no tempo necessário para a melhora dos sintomas (1 estudo; 22 pessoas).

Em comparação com os cuidados habituais em um estudo com 444 pessoas, a hidroxicloroquina administrada com azitromicina (um antibiótico) não fez diferença para:

  • Quantas pessoas morreram;
  • Quantos necessitaram de ventilação mecânica; ou
  • Tempo passado no hospital.

Em comparação com o febuxostate (um medicamento para tratar a gota), a hidroxicloroquina não fez diferença em quantas pessoas foram internadas no hospital ou nas alterações observadas em exames de pulmão; nenhuma morte foi relatada (1 estudo; 60 pessoas).

Prevenindo COVID-19 em pessoas expostas a ele

Não temos certeza se a hidroxicloroquina afetou quantas pessoas desenvolveram COVID ‐ 19, ou quantas pessoas foram internadas no hospital com COVID ‐ 19, em comparação com aqueles que receberam um tratamento com placebo (1 estudo; 821 pessoas).

Em comparação com o tratamento usual, a hidroxicloroquina não fez diferença no risco de desenvolver COVID ‐ 19, ou anticorpos para o vírus, em pessoas expostas a ele (1 estudo; 2525 pessoas).

Efeitos indesejados

Quando usado para o tratamento de COVID ‐ 19, em comparação com o tratamento usual ou placebo, hidroxicloroquina:

  • Provavelmente aumenta o risco de efeitos indesejáveis ​​leves (6 estudos; 1394 pessoas);
  • Pode não aumentar o risco de efeitos prejudiciais graves (6 estudos; 1004 pessoas).

Quando administrada junto com a azitromicina, a hidroxicloroquina aumentou o risco de quaisquer efeitos indesejáveis, mas não fez diferença no risco de efeitos indesejáveis ​​graves (1 estudo; 444 pessoas).

Em comparação com lopinavir mais ritonavir, a cloroquina fez pouca ou nenhuma diferença no risco de efeitos indesejáveis ​​(1 estudo; 22 pessoas).

Quando usada para prevenir COVID-19, a hidroxicloroquina provavelmente causa mais efeitos indesejáveis ​​do que o placebo, mas pode não aumentar o risco de efeitos indesejáveis ​​graves e prejudiciais (1 estudo; 700 pessoas).

Como COVID-19 afeta o cérebro

Leia, na íntegra, aqui.

O SARS-CoV-2 invade as células endoteliais por meio do receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) transmembrana, ativado pela protease transmembrana, serina 2 (TMPRSS2). B, A elevação das citocinas e a ativação da micróglia resultam em aumento de quinurenina, ácido quinolínico e glutamato, e depleção de neurotransmissores. C, cascata de coagulação e elevação do fator de von Willebrand (vWF) levam a eventos trombóticos. D, Neurotransmissão alterada, excitotoxicidade pelo aumento do glutamato e lesão hipóxica contribuem para a disfunção e perda neuronal. E, os sintomas neuropsiquiátricos diferem dependendo da área de Brodmann envolvida. IL indica interleucina; NMDA, N- metil- d- aspartato; TNF, fator de necrose tumoral.

As manifestações neurológicas podem ser inespecíficas e leves no início da infecção como perda do olfato, alterações no paladar, dor de cabeça, tontura e sonolência, porém alguns casos menos comuns podem se apresentar com sintomas de AVC, confusão mental, alteração do nível de consciência, perda de memória, lesões musculares e neuropatia periférica.

Sintomas persistentes relacionados à Covid-19

Febre, tosse, dispneia, sintomas musculoesqueléticos, sintomas gastrointestinais, disgeusia e anosmia. Esses são os sintomas persistentes mais observados por pesquisadores em pacientes com Covid-19. Entretanto, essa lista de sintomas relacionadas ao novo Coronavírus é mais longa e variada do que a maioria dos médicos imaginou.

Na maior parte dos casos, a doença se manifesta de forma leve e os pacientes se recuperam sem maiores transtornos. Já em casos mais extremos, o quadro se agrava muito, sendo necessário o acompanhamento em uma Unidade de Terapia Intensiva. Mas, existe um número cada vez mais de pessoas que não se enquadram em nenhuma dessas categorias.

Uma recente publicação da revista Science revelou uma lista dos principais problemas recorrentes que vem sendo diagnosticados por pesquisadores.

  • Fadiga;
  • Batimento cardíaco acelerada;
  • Dispneia;
  • Dores nas articulações;
  • Pensamento nebuloso;
  • Perda persistente do olfato;
  • Danos ao coração ;
  • Danos nos pulmões;
  • Danos nos rins;
  • Danos cerebrais

Mulheres entre 40 e 50 anos que sobrevivem à Covid-19 têm mais risco de problemas persistentes

Leia, na íntegra, aqui. 

Mulheres de meia-idade têm um risco maior de apresentar uma série de sintomas debilitantes em curso, como fadiga, falta de ar, dor muscular, ansiedade, depressão e "névoa cerebral" após o tratamento hospitalar para covid-19, sugerem as descobertas de dois estudos não publicados disponíveis como preprints.

Mulheres de meia-idade têm um risco maior de apresentar uma série de sintomas debilitantes em curso, como fadiga, falta de ar, dor muscular, ansiedade, depressão e "névoa cerebral" após o tratamento hospitalar para covid-19, sugerem as descobertas de dois estudos não publicados disponíveis como preprints.

Sete em cada 10 pacientes admitidos no hospital com Covid-19 relataram sintomas de “covid longo” em média cinco meses após a alta no estudo maior do PHOSP-COVID, e os sintomas foram mais prevalentes em mulheres com idades entre 40-60. Etnia branca, duas ou mais comorbidades na admissão e receber ventilação invasiva durante a internação aumentaram o risco, mas a gravidade da doença aguda de covid-19 não pareceu afetar a probabilidade de apresentar sintomas de covid prolongados.

Apenas 29% dos 1.077 pacientes estudados se sentiram totalmente recuperados quando acompanhados, em média cinco meses após a alta. Mais de um quarto tinha sintomas clinicamente significativos de ansiedade e depressão, 12% tinham sintomas de transtorno de estresse pós-traumático, 17% tinham pelo menos comprometimento cognitivo leve, 46% tinham desempenho físico inferior do que os controles pareados por idade e sexo e 20% tinham um nova deficiência. Antes da internação, 68% dos pacientes trabalhavam em tempo integral, mas 18% deles não haviam retornado ao trabalho e 19% tiveram que mudar sua forma de trabalhar por causa dos efeitos de longa duração.

Telemedicina por padrão: BJGP

Leia, na íntegra, aqui. 

Os médicos levantaram preocupações de que um serviço remoto por padrão traz vários riscos, incluindo cuidados baseados no relacionamento, continuidade dos cuidados, exame físico e toque terapêutico, igualdade na saúde (por exemplo, a longa consulta para atender a necessidades complexas), inclusão digital , 'divulgações da maçaneta da porta', planejamento de cuidados avançados, rede de segurança eficaz, detecção precoce de câncer por meio da intuição clínica e investigação oportuna, estresse clínico e bem-estar e treinamento e desenvolvimento profissional. Um estudo qualitativo recente da experiência do paciente e do cuidador em consultas de check-up para demência durante a pandemia sugeriu um caráter um tanto transacional e uma inadequação às necessidades. Por outro lado, a consultoria remota tem benefícios óbvios em ambientes rurais e remotos e para os médicos que estão protegendo, em quarentena ou com responsabilidades de cuidados. E são populares com alguns - embora não todos - grupos de pacientes.

A consulta clínica não é uma mera transação. É uma interação social - na verdade, psicodinâmica - envolvendo uma série de julgamentos em nível micro orientados em torno da pergunta: 'Qual é o melhor curso de ação para este paciente, neste momento, dadas todas as questões em jogo?'. A escolha entre presencial, telefone, vídeo e e-consulta é, portanto, ética que leva em consideração como múltiplos fatores - clínicos, socioculturais, técnicos, organizacionais e assim por diante - atuam para um determinado paciente em um determinado momento de necessidade. A resistência dos médicos à inovação tecnológica é explicada em termos de padrões profissionais de excelência diferenciados e profundamente arraigados, não por teimosia ou medo da tecnologia.

Usando workshops, entrevistas e grupos de foco de médicos, usuários de serviços e outras partes interessadas, começaram a mapear as múltiplas influências de interação na escolha da modalidade de consulta. Essa escolha é governada não por regras rígidas e rápidas, mas por máximas (regras práticas), que se aplicam a alguns, mas não o tempo todo e que podem entrar em conflito com outras máximas.

Figura 1.

Por exemplo, as consultas por telefone ou vídeo são frequentemente, mas nem sempre, apropriadas para condições estáveis ​​e previsíveis de longo prazo, em que o exame físico não é necessário. Medidas pandêmicas levaram muitos pacientes com doença aguda instável e imprevisível a serem encaminhados para avaliações remotas abaixo do ideal.

Uma consulta remota pode ser menos apropriada se houver questões relevantes na saúde geral do paciente, como comorbidades ou deficiência visual, capacidades técnicas, fluência em inglês ou preferências pessoais. Em geral, embora não invariavelmente, as consultas remotas são mais fáceis e menos arriscadas se houver uma relação clínica pré-existente e o paciente for conhecido da prática.

As circunstâncias domiciliares e familiares dos pacientes variam enormemente; uma consultoria bem-sucedida em casa depende do acesso a um espaço privado, configuração digital, suporte do cuidador e proteção. A inclusão digital requer práticas que ofereçam a escolha da modalidade, apoiem os menos habilitados digitalmente conforme necessário e garantam slots face a face suficientes para acomodar os digitalmente hesitantes. No entanto, quando as restrições de distanciamento físico se aplicam, a disponibilidade de consultas presenciais pode ser restringida por propriedades (por exemplo, áreas de espera seguras) e disponibilidade de profissionais de saúde. A equipe que está protegendo ou colocando em quarentena pode receber consultoria remota, mas precisará estender a infraestrutura digital da clínica para suas casas.

Embora o telefone seja uma tecnologia familiar e confiável, embora não tenha funcionalidades avançadas, as consultas por vídeo e e-mail podem exigir que o médico e o paciente adquiram nova tecnologia e desenvolvam as habilidades para usá-la. Consultas remotas, mesmo por telefone, podem ser logisticamente complexas e requerem ampla adaptação de tarefas e processos organizacionais.

A maturidade digital da organização não inclui apenas elementos de infraestrutura digital, como acesso de banda larga, hardware, software e equipe de suporte de TI, mas também elementos não tecnológicos de prontidão, como liderança, aprovação estratégica e linha de orçamento e capacidade, como software instalado, equipe treinada e confiante para usá-lo e processos de trabalho que foram mapeados e redesenhados.

Fatores externos à prática, como normas e padrões profissionais, incluindo conselhos de faculdades reais, organizações de indenização profissional, o Conselho Geral de Medicina, aprendizado e apoio de outras organizações semelhantes (por exemplo, em colaborações de melhoria), restrições regulatórias, diretrizes e a defesa de organizações de pacientes para evitar estereótipos de idade, sexo, doença ou étnica também podem influenciar - embora não determinar totalmente - a escolha da (s) modalidade (s) de consulta a oferecer a um determinado paciente.

A prática geral é confusa, complexa e caracterizada por anomalias e exceções. Mesmo quando as consultas remotas são o padrão da política, a decisão sobre se uma consulta remota é melhor para o paciente, a equipe clínica e a comunidade em geral é um julgamento ético baseado em casos que não pode ser excessivamente protocolizado. A pesquisa para estabelecer máximas que irão facilitar ao invés de frustrar tais julgamentos está em andamento.

Descontinuação do tratamento com β-lactâmicos após 3 dias para pacientes com pneumonia adquirida na comunidade em enfermarias de cuidados não críticos (PTC)

Leia, na íntegra, aqui. 

Entre os pacientes internados com pneumonia adquirida na comunidade que preencheram os critérios de estabilidade clínica, a interrupção do tratamento com β-lactâmicos após 3 dias não foi inferior a 8 dias de tratamento. Esses achados podem permitir uma redução substancial do consumo de antibióticos. Encurtar a duração da antibioticoterapia para pacientes internados em hospitais com pneumonia adquirida na comunidade deve ajudar a reduzir o consumo de antibióticos e, portanto, a resistência bacteriana, eventos adversos e custos relacionados.

Atualização das diretrizes do NICE: medicamentos à base de cannabis

Leia, na íntegra, aqui. 

Ao prescrever e monitorar medicamentos à base de cannabis, levar em consideração:

  • uso atual e passado de cannabis (incluindo quaisquer produtos sem receita e on-line)

  • história de uso indevido de substâncias, incluindo o uso ilícito de cannabis

  • potencial para dependência, desvio e uso indevido (em particular com THC)

  • saúde mental e histórico médico, em particular, insuficiência hepática, insuficiência renal, doença cardiovascular

  • potencial de interação com outros medicamentos, por exemplo, depressores do sistema nervoso central e outras drogas ativas centralmente, antiepilépticos e contraceptivos hormonais

  • gravidez e amamentação (a amamentação é uma contra-indicação para Sativex e nabilona; as evidências sobre a segurança dos medicamentos à base de cannabis durante a gravidez e amamentação são limitadas).

 

 

O que você achou desse episódio? Ajude-nos a fazer melhor. Pule para dentro da conversa e compartilhe conhecimento conosco!

Freddie Highmore The Good Doctor Abc GIF by ABC Network - Find & Share on  GIPHY

Se você esteve conosco ao vivo, por favor, deixe os seus comentários abaixo!

Troca de Plantão

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você