[ editar artigo]

50 Conselhos para psiquiatras novos, de um psiquiatra muito experiente.

50 Conselhos para psiquiatras novos, de um psiquiatra muito experiente.

    Achamos esse texto no Psychiatric Times e resolvemos traduzir os conselhos dados pelo professor emérito de psiquiatria da Duke University Allen Frances. O professos Frances também é presidente da força tarefa do DSM-IV e é autor do livro  Saving Normal (uma bela crítica às mudanças propostas no DSM-V) e Fundamentos do Diagnóstico Psiquiátrico: Respondendo às Mudanças do DSM-5.

    Ao entrar em contato com um twitte mandado para o @allenFrancesMD que perguntava:

    O que o senhor acha que eu deva aprender e focar para ser um médico melhor para os meus pacientes?

    Ao se deparar com o limite de poucos caracteres do Twitter, Dr Allen Frances resolveu gastar um pouquinho mais de papel e tempo para responder essa reflexiva pergunta.

    Aqui estão as 50 coisas mais importantes que ele aprendeu nos mais de 50 anos estudando psiquiatria:

    1. Seus pacientes serão seus melhores professores.

    2. Nenhuma reunião com qualquer paciente é rotineira para eles; então nunca deve ser rotina para você.

    3. Concentre-se em estabelecer uma forte aliança terapêutica e um relacionamento de cura - o objetivo mais importante de qualquer primeira sessão é o retorno do paciente por um segundo.

    4. Ajudar doenças mentais graves é muito mais difícil, mas também muito mais gratificante, do que tratar doenças leves ou pessoas preocupadas.

    5. Valide que seus pacientes estão tentando fazer o melhor possível, mas também defina um tom de expectativas futuras que encontrarão maneiras de mudar a si mesmos e a seu mundo para melhor.

    6. Sempre inspire esperança realista e sempre inverta a desmoralização irrealista.

    7. Siga seu paciente, não suas noções preconcebidas, um supervisor ou um manual.

    8. Não há pacientes ruins ou chatos; mas existem alguns médicos ruins e chatos.

    9. Seja empático, atencioso, envolvido e alerta para o décimo paciente todos os dias, como você é para o primeiro.

    10.Nunca perca de vista as lutas práticas que o paciente enfrenta no mundo real e tente ajudá-lo a encontrar soluções práticas.

    11. Não tenha vergonha de dar conselhos quando necessário.

    12. Não dê conselhos quando o paciente puder encontrar seu próprio caminho.

    13. Inclua familiares, amigos, outros informantes e possíveis co-terapeutas sempre que possível.

    14. Seja aberto o suficiente em suas perguntas para permitir que os pacientes contem suas histórias de vida; estruture o suficiente suas perguntas para obter as informações específicas necessárias.

    15. Tente criar momentos mágicos raros - coisas que você diz aos pacientes que eles sempre se lembrarão e usarão para mudar suas vidas.

    16. Não se apresse e tome cuidado - pequenos erros podem ter grandes consequências.

    17. Conheça o paciente, não apenas o diagnóstico.

    18. O diagnóstico quase sempre deve ser escrito a lápis - especialmente entre jovens e idosos. Sempre erre no lado do subdiagnóstico - é fácil posteriormente diagnosticar; quase impossível apagar um erro de diagnóstico que pode assombrar o paciente por toda a vida.

    19. Use o DSM, mas não o adore. Desconfio igualmente de clínicos que não conhecem o DSM e daqueles que apenas o conhecem.

    20. Educar os pacientes sobre seus sintomas, diagnóstico, curso, riscos e benefícios de tratamentos plausíveis.

    21. Negocie, não imponha, o plano de tratamento: permita ao paciente escolher o tratamento plausível que melhor lhe convier - com a consciência de que nenhum tamanho serve para todos.

    22. Não faça parte da onda de modismos de diagnóstico. Sempre que todo mundo parece ter um diagnóstico de repente, ele está sendo exagerado (por exemplo, TDAH, autismo, transtorno bipolar).

    23. A espera vigilante é o melhor tratamento sempre que houver dúvidas ou os sintomas forem leves.

    24. O placebo é o melhor remédio já inventado e responsável pela maior parte do que parece ser “efeito de droga” quando os sintomas mais leves melhoram.

    25. Geralmente, é fácil diagnosticar doenças graves e sempre requer intervenção urgente.

    26. Sempre descarte a possibilidade real de que os sintomas sejam causados ​​por medicamentos, álcool, drogas de rua ou doenças médicas.

    27. Não seja um “empurrador de comprimidos” descuidado, mas entenda o grande valor dos medicamentos usados ​​sabiamente para indicações adequadas.

    28. Conheça os riscos, e não apenas os benefícios, dos medicamentos

    29. Eduque seus pacientes sobre efeitos adversos, complicações e sintomas de abstinência.

    30. Esteja alerta e tente evitar interações medicamentosas e inclua em sua consideração todos os medicamentos não psiquiátricos que o paciente provavelmente está tomando.

    31. Comece baixo e vá devagar, especialmente com pacientes jovens e idosos.

    32. A descalonamento requer muito mais habilidade do que a prescrição - aprenda bem e aplique-a frequentemente para reduzir os danos causados ​​pelo excesso de medicação.

    33. Evite a tendência atual em direção à polipolifarmácia irracional

    34. Aprenda e use três tratamentos que são muito eficazes, mas relativamente mais difíceis de usar e, portanto, muito subutilizados: lítio, clozapina e ECT.

    35. Nunca se encontre com vendedores de drogas; ignorar todo o marketing da empresa farmacêutica; não acredite em nenhum estudo financiado por uma empresa farmacêutica; e educar os pacientes a serem céticos em relação aos anúncios de medicamentos diretos ao consumidor que promovem enganosamente a promoção de doenças.

    36. Leia a literatura científica com grande ceticismo e consciência de que a maioria dos estudos não se replica, os resultados positivos são sempre exagerados e os resultados negativos são geralmente ocultos. Não se surpreenda com os achados genéticos - até agora, eles fracassaram em encontrar causas e não têm lugar no planejamento de tratamentos.

    37. A incerteza com certeza supera a falsa certeza. Aceite sua inevitabilidade; não tire conclusões precipitadas; e ajude seus pacientes a lidar com a ansiedade que isso provoca.

    38. Aprenda estatísticas, especialmente no que se refere à tomada de decisões médicas, e pense probabilisticamente, não em categorias rígidas de sim / não.

    39. Tenha uma vida pessoal rica, variada e satisfatória.

    40. Embarque em uma psicoterapia pessoal para ajudar a se entender melhor, resolver quaisquer problemas que possa ter, corrigir vieses com base em sua personalidade e experiências e descobrir como é ser um paciente.

    41. Aprenda com seus supervisores, mas não os siga servilmente.

    42. Leia amplamente, especialmente os grandes romances clássicos, e assista a filmes e peças psicologicamente astutos.

    43. Leia a história e tente deduzir seus padrões recorrentes.

    44. Viaje pelo mundo para entender a grande diversidade da experiência humana.

    45. Não imponha seus preconceitos culturais, suas crenças religiosas (ou não crenças. Ou seus valores pessoais a seus pacientes).

    46. ​​Para toda pergunta complexa, há uma resposta reducionista simples - e está errada. Não espere ou acredite em respostas simples para perguntas complexas, como "O que causa a doença mental e a melhor forma de tratá-la?"

    47. Em vez disso, tenha uma abordagem bio / psicológica / social / espiritual quadridimensional e bem-arredondada para entender os transtornos mentais e selecionar tratamentos para eles.

    48. Seja um defensor vocal de nossos pacientes. Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para reverter a negligência vergonhosa dos gravemente enfermos que relegaram 600.000 deles à prisão ou aos sem-teto.

    49. Seja você mesmo - e torne-se uma versão ainda melhor de si mesmo, enquanto desfruta do privilégio especial de ajudar os outros também a melhorarem a si mesmos.

    50. PRIMEIRO, NÃO FAÇA O MAL! (FIRST DO NO HARM!)

     

    Academia Médica
    O que a faculdade esquece de falar!
    O que a faculdade esquece de falar! Seguir

    Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

    Ler matéria completa
    Indicados para você