[ editar artigo]

A empatia e a ética médica

A empatia e a ética médica

O elevado padrão de exigência demandado, bem como a responsabilidade de tratar outro ser humano, tornam a ética desempenhada pelos profissionais da Medicina não limitada a apenas livros de ética médica, pelo contrário, expandida pela compaixão.

Tal qual uma moeda que possui duas faces, embora apresente um valor comum, o médico deve prezar pelo equilíbrio entre a face profissional e a face humana sem, contudo, perder o valor moral empático que assegure uma relação de compaixão saudável para com o enfermo em tratamento.

O doutor canadense William Osler afirma que um bom médico trata a enfermidade enquanto que um grande médico trata o paciente que possui a enfermidade. A compaixão e a empatia por parte do profissional devem se fazer presentes durante todo o procedimento, pois assim ciência e moral estarão sempre do mesmo lado: da humanidade, e o paciente se sentirá acolhido física e mentalmente, contribuindo ainda mais para a cura.

Um exemplo são os inúmeros tratamentos de dores físicas empregados em hospitais europeus, cuja cura se dá não por meio de um processo medicamentoso, e sim moral, estimulado pelos próprios médicos. O conhecimento acerca da natureza e do comportamento humanos se faz de grande importância.

Como profissional, o médico deve se limitar ao aprendizado literário teórico e prático básico de como portar-se durante o procedimento, mas como humano, o aprendizado nunca acaba, pois a experiência ética adquirida ao longo dos processos curativos tende a aumentar, fazendo com que o profissional tenha a necessidade de atuar como um espelho, refletindo as mazelas que assolam o paciente, visando uma autoidentificação e contribuindo para a cura.

Muito embora o senso comum do cotidiano influencie de modo negativo a visão acerca do papel e das responsabilidades enfrentadas pelos médicos, são as escolhas feitas e os relacionamentos empáticos mantidos com os enfermos que de fato constroem a “identidade ética” do profissional.

Parafraseando o médico e pensador clássico Paracelso, a natureza é a mestre da prática médica, bem como dos homens que a exercem, portanto, o estabelecimento de uma ética mútua permeada e zelada pela compaixão deve se fazer presente numa relação saudável entre médico e paciente.

É imprescindível, que instituições que visam à formação de futuros profissionais da Medicina, públicas e privadas, devam incentivar processos de desenvolvimento moral e emocional acerca da compaixão e da empatia que se fazem presentes e formam a ética e a conduta que definirão o homem por trás do profissional.

Academia Médica
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto Seguir

Atual graduando em Medicina pela Universidade Salvador.

Ler conteúdo completo
Indicados para você