[ editar artigo]

A imunidade contra a COVID-19 adquirida naturalmente dura até 11 meses após a infecção

A imunidade contra a COVID-19 adquirida naturalmente dura até 11 meses após a infecção

É de fundamental importância compreender a duração e a potência da resposta imune ao SARS-CoV-2. A produção de anticorpos representa um componente significativo da resposta imune ao vírus, e os ensaios sorológicos para detectar os níveis de anticorpos circulantes são uma ferramenta prontamente disponível em configurações de laboratório clínico para rastrear respostas imunológicas ao longo do tempo. Estudos de indivíduos que se recuperaram de uma infecção podem ajudar a determinar por quanto tempo os anticorpos persistem após uma exposição imunizante e se esses anticorpos podem ou não proteger contra a reinfecção. A persistência da resposta de anticorpos também pode ajudar a prever a eficácia das vacinas para a COVID‐ 19.

O papel do plasma convalescente na terapia e na pesquisa

O plasma convalescente da COVID-19 (PCC) é uma terapia experimental que permanece um tanto controversa, com relatos conflitantes de eficácia. O princípio subjacente desta abordagem de tratamento é a transferência passiva de anticorpos anti-SARS-CoV-2 para pacientes com COVID-19. Os ensaios sorológicos, portanto, desempenham um papel crítico na identificação de doadores de plasma convalescentes adequados e fornecem evidências de imunidade humoral contra o vírus.

É importante ressaltar que como os doadores de PCC podem retornar para doações múltiplas, esses indivíduos fornecem uma oportunidade valiosa para caracterizar as respostas sorológicas anti-SARS-CoV-2 e determinar como os níveis de anticorpos circulantes mudam ao longo do tempo em uma coorte bem definida. As quatro proteínas estruturais principais do SARS-CoV-2são: pico (S), membrana (M), envelope (E) e nucleocapsídeo (N), as proteínas S e N são altamente imunogênicas e expressas abundantemente durante a infecção. Elas têm sido usados como antígenos alvo para a maioria dos ensaios sorológicos. A glicoproteína S, no entanto, é exposta à superfície e faz a mediação da entrada nas células hospedeiras. Como tal, está sujeito a uma pressão de seleção mais rigorosa do sistema imunológico e, por esse motivo, representa o principal alvo dos anticorpos neutralizantes.

Em um estudo recente, foi realizada uma avaliação sorológica prospecetiva e longitudinal de doadores de PCC após a recuperação da infecção. Os doadores foram avaliados quanto aos níveis de anticorpos neutralizantes, bem como anticorpos de proteína S total e específicos de IgG, usando um ensaio de neutralização por redução fluorescente (FRNA) desenvolvido em laboratório e um sistema disponível comercialmente (Ortho VITROS®). Os dados foram analisados para identificar as correlações entre os níveis de anticorpos e as características clínicas, e foram apresentados dados sorológicos de acompanhamento em doadores de repetição de PCC. Coletivamente, foi apresentada uma visão abrangente da dinâmica dos anticorpos contra o SARS-CoV-2 ao longo de um período de 11 meses após a infecção natural, aumentando nossa compreensão das respostas imunes COVID-19 entre pessoas com infecção por SARS-CoV-2 adquirida na comunidade.

Os anticorpos neutralizantes foram detectados em até 11 meses após a infecção

Os anticorpos anti-SARS-CoV-2 foram identificados em 97% dos dadores de plasma convalescente contra a COVID-19 na apresentação inicial. Em análises de acompanhamento, dos 116 doadores que se apresentaram para pontos de tempo de repetição, 91,4% dos doadores tiveram níveis de IgG detectáveis até 11 meses após a recuperação dos sintomas, enquanto 63% tiveram títulos de neutralização detectáveis. No entanto, observamos que 25% dos doadores tinham níveis de neutralização que caíram para um título indetectável ao longo do tempo.

Esses resultados evidenciam que existe uma memória imunológica sustentada durante a maior parte do primeiro ano após a infecção por SARS-CoV-2, mesmo para casos leves de COVID-19. Além disso, esses dados sugerem que o IgG circulante e anticorpos neutralizantes persistem na maioria das pessoas saudáveis durante o primeiro ano após a resolução dos sintomas, e estudos de acompanhamento de longo prazo feitos por outros observaram resultados semelhantes em até 8 meses. No entanto, outros relatos observaram um declínio na resposta imunológica nos primeiros meses após a resolução dos sintomas, particularmente em casos leves e assintomáticos. Essas discordâncias podem ter implicações importantes para a modelagem da transmissão de doenças, imunidade de rebanho e estratégias de vacinas.

Nessa coorte de doadores de PCC, foi evidenciado que existe uma memória imunológica sustentada, com IgG e anticorpos neutralizantes detectados até 11 meses após a recuperação, apoiando a noção de que pacientes naturalmente infectados podem ter a capacidade de combater a reinfecção. O papel dos anticorpos não neutralizantes do SARS-CoV-2 não é claro, no entanto, eles podem conferir proteção in vivo. 

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referência

  1.  

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você