[ editar artigo]

A vacinação de adultos impede as crianças de espalharem COVID?

A vacinação de adultos impede as crianças de espalharem COVID?

As crianças não vacinadas parecem estar colhendo os benefícios dos programas de vacinação contra a COVID-19 em massa em muitas partes do mundo onde a vacinação está adiantada. As infecções em crianças diminuíram à medida que os adultos tomam as vacinas, mas os pesquisadores se perguntam se isso significa que as crianças não vacinadas provavelmente não se tornarão um 'reservatório' de infecção - e um foco potencial para o surgimento de novas variantes.

A resposta para essa pergunta afeta se as crianças em países ricos devem ser priorizadas para vacinação, ou se suas doses devem ir para as nações mais pobres.

Dados convincentes sobre o impacto da vacinação de adultos nas crianças vêm da cidade de Serrana, no estado de São Paulo, onde 98% dos adultos foram vacinados. A cidade foi o local de um experimento único - apelidado de Projeto S - para medir a eficácia no mundo real da CoronaVac, desenvolvida pela empresa farmacêutica Sinovac, com sede em Pequim.

Em comparação com outras vacinas, a Sinovac teve menos sucesso na prevenção de infecções sintomáticas em alguns ensaios clínicos anteriores, com taxas de eficácia tão baixas quanto 50%. Mas, na semana passada, pesquisadores do Instituto Butantan detalharam em entrevista coletiva uma redução marcante nos casos e óbitos da COVID-19: os casos sintomáticos caíram 80% e as mortes, 95%. Apenas 62% dos 45.000 residentes de Serrana são adultos, mas uma queda semelhante nas infecções sintomáticas ocorreu em crianças não vacinadas, de acordo com Ricardo Palacios, o epidemiologista que liderou o estudo.

“Essa era uma das nossas preocupações - se você vacinar todos os outros, provavelmente a doença vai se concentrar nas crianças e nos adolescentes”, diz ele. "Mas não vimos isso."

Imunidade de rebanho (segura) induzida pela vacinação?

Cenários semelhantes ocorreram em países com altas taxas de vacinação, como Israel e os Estados Unidos. Neste último, os casos de crianças (geralmente menores de 18 anos) caíram 84% entre janeiro e maio. Pouco mais da metade da população dos EUA - predominantemente adultos - recebeu pelo menos uma dose de vacina.

“Simplesmente faz sentido”, diz Monica Gandhi, uma médica infectologista da Universidade da Califórnia, em San Francisco. A vacinação de adultos protege outras pessoas que não foram vacinadas. “Isso é realmente o que significa imunidade de rebanho”, diz ela.

Gandhi também aponta evidências de que as crianças têm menos probabilidade do que os adultos de transmitir o vírus - outra razão pela qual eles podem não agir como reservatórios eficazes para a infecção. A forma como o vírus afeta as crianças é “apenas diferente”, diz ela, provavelmente porque as vias aéreas das crianças têm menos dos receptores que o SARS-CoV-2 usa para entrar nas células.

Em Israel, as taxas de infecção despencaram entre os elegíveis para vacinação, de 559 casos por 100.000 pessoas com 16 anos ou mais em meados de janeiro para apenas 1,5 por 100.000 hoje. A maioria das escolas reabriu em março, mas as taxas nas crianças não vacinadas também caíram, de 546 por 100.000 para 1,5 por 100.000 em crianças com 11 anos ou menos, por exemplo.

Isso sugere que as crianças são mais frequentemente infectadas por adultos, diz Eric Haas, médico pediatra, de doenças infecciosas e epidemiologista do Ministério da Saúde de Israel em Jerusalém.

“Do contrário, seria de se esperar que, se as crianças voltassem para a escola, elas simplesmente infectariam umas às outras em massa”.

Mas há controvérsias nesse debate

Mas nem todo mundo lê os dados dessa maneira. Julian Tang, virologista da Universidade de Leicester, no Reino Unido, diz que a velocidade da implantação da vacinação em Israel pode ter contribuído para a eliminação de infecções em todas as faixas etárias. “Quando acabaram a vacinação do adulto, não havia mais fonte [de infecção] dos adultos para transmitir para as crianças, para depois irem para as escolas”, diz.

E os primeiros dados do Reino Unido - onde a taxa de vacinação é de 60% - pintam um quadro mais complicado quando se trata de crianças não vacinadas e seu potencial para espalhar a COVID-19. No final de maio, os casos em crianças do ensino médio caíram de um máximo de cerca de 600 casos por 100.000 em janeiro para menos de 100 por 100.000. Em crianças em idade escolar, os números são agora ainda mais baixos.

Mas dados recentes também sugerem que crianças não vacinadas ainda podem ser importantes propagadores do vírus. Durante o mês de maio, quase 100 surtos - definidos como dois ou mais casos - ocorreram em escolas primárias e secundárias na Inglaterra.

Esse número é pequeno, entretanto, representando apenas uma “pequena proporção” das 25.000 escolas da Inglaterra, diz Shamez Ladhani, um médico infectologista pediátrico da Public Health England. Ele também observa que as taxas gerais de infecção em crianças em idade escolar mudaram pouco nas seis semanas após a reabertura das escolas.

Variantes circulantes

No entanto, Tang diz que a transmissão nas escolas não deve ser ignorada. A distribuição da vacina na Grã-Bretanha tem sido mais lenta do que a de Israel, ele argumenta, e a reabertura de escolas coincidiu com o aumento da disseminação da B.1.617.2 - também conhecido como variante Delta - nas comunidades do Reino Unido. Como resultado, o vírus pode continuar a circular em crianças.

Este é um ponto importante, diz ele, porque quanto mais tempo a pandemia continuar, maior será a chance de surgirem novas variantes com alguma resistência às vacinas.

Até que ponto as crianças não vacinadas que podem agir como propagadores tem implicações sobre se elas devem ser vacinadas uma vez que a população adulta tenha sido - uma questão que está sendo calorosamente debatida.

Nos Estados Unidos, a Federal Drug Administration (FDA) aprovou a vacina Pfizer para crianças de 12 a 18 anos em 10 de maio, e mais de 7 milhões dessas crianças já receberam pelo menos uma dose. Desde então, as agências no Japão, no Reino Unido, na União Europeia e em outros lugares têm feito o mesmo.

Mas casos graves da COVID-19 em crianças é raro. Uma análise de maio de 2020 em 26 países estimou que apenas 0,14% das crianças infectadas pelo SARS-CoV-2 desenvolvem inflamações potencialmente perigosas. Por causa do risco menor, a Organização Mundial da Saúde argumenta que vacinar crianças não é uma alta prioridade, visto que os suprimentos globais são insuficientes para imunizar todos os adultos.

'Extremamente preocupante'

“Existem países que basicamente vacinam indivíduos que realmente não precisam dela, quando há muitos outros países que estão desesperados pela vacina”, diz Kim Mulholland, pediatra e pesquisadora de vacinas do Instituto de Pesquisa Infantil Murdoch em Melbourne, Austrália . “Acho isso extremamente preocupante.”

Mas Haas gostaria que a vacinação em Israel fosse estendida a crianças de 12 a 15 anos. Embora o risco de doença grave seja menor para as crianças, “não é 'sem risco'”, diz ele. A vacinação de adolescentes também garantiria contra novas interrupções nas escolas e forneceria imunidade de rebanho para adultos não vacinados, diz ele.

Tang também vê a vacinação de crianças como crucial para controlar a pandemia. Isso os removeria como um reservatório potencial para infecções assintomáticas e protegeria contra o surgimento de novas variantes, diz ele.

Em um mundo ideal, acrescenta Tang, você vacinaria todas as faixas etárias, de modo que novas variantes não surgissem em populações não vacinadas de adultos, nem em crianças. Até que a produção da vacina atenda à demanda, é importante vacinar não apenas adultos em países de baixa renda, mas também crianças em locais que já tenham uma boa cobertura vacinal. “Você pode fazer um pouco dos dois”, diz ele.


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referência

  1. Lewis, D. (2021). Does vaccinating adults stop kids from spreading COVID too?. Nature.

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você