[ editar artigo]

A vida é mesmo efêmera

A vida é mesmo efêmera

Tem sempre algum caso que marca a gente…alguma situação, paciente, familiar…

No meu caso, foi essa semana…

[Esse texto foi escrito em 2017, quando eu ainda era interna do 6º ano]:

Chegando ao plantão, já recebemos de cara uma paciente com “aneurisma roto de aorta”. Pra quem não sabe é uma condição gravíssima, com prognóstico péssimo, devido a alta mortalidade (90%). Quando o paciente ainda consegue chegar ao hospital com vida, ou acaba morrendo na cirurgia, ou no pós-operatório…
Era uma senhora de 65 anos, aparentemente bem, acompanhada da filha. Já estava estabilizada e consciente, aguardando ser chamada para a cirurgia de urgência...
Sabíamos da gravidade do caso, o segundo filho estava a caminho.
Quando ele chegou, a equipe chamou os dois filhos para conversar e explicar a gravidade, sobre o prognóstico que era muito ruim e que ela poderia morrer…
O centro cirúrgico chamou. Demos um tempo para que os filhos se “despedissem”.

Talvez aquela seria a última vez em que eles se veriam, poderiam falar o que gostariam, um “eu te amo”, pedir perdão, ser perdoado. Aquele poderia ser o último momento…

Um instante.

Chegou a hora de levá-la para o centro cirúrgico, os filhos acompanharam. Mais alguns segundos poderiam passar com a mãe…

A linha entre a vida e a morte é muito tênue…

Um segundo estamos aqui, outro podemos não estar mais…
Eu estava observando tudo do lado de fora do quarto.
Uma imagem que ficará marcada pra sempre…

Academia Médica
Ler conteúdo completo
Indicados para você