[ editar artigo]

Aleitamento materno e COVID-19: resumo científico pela OMS

Aleitamento materno e COVID-19: resumo científico pela OMS

Aleitamento materno é a base para a sobrevivência, nutrição e o desenvolvimento de lactentes e crianças pequenas, e para saúde materna.

A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida, seguido por continuação do aleitamento e complementação alimentar adequada por até 2 anos ou mais.

O contato pele a pele inicial e contínuo, alojamento materno e o método canguru também melhoram de forma significativa a sobrevida neonatal e reduzem a morbidade nessa fase, e são recomendados pela OMS.

Entretanto, há uma preocupação: se as mães com a doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) podem transmitir o vírus SARS-CoV-2 para os bebês ou crianças pequenas através do aleitamento.

As recomendações sobre o contato mãe-bebê e aleitamento devem se basear na consideração ampla, não apenas dos riscos potenciais da COVID-19 para o bebê, mas também dos riscos de morbidade e mortalidade associados ao não aleitamento, uso inapropriado de fórmulas infantis, além dos efeitos protetores do contato pele a pele.

Essa informação científica avalia as evidências atuais sobre os riscos de transmissão da COVID-19 de uma mãe infectada para seu bebê através do aleitamento materno, assim como as evidências sobre os riscos à saúde da criança por não ser amamentada.

Recomendações da OMS

A OMS recomenda que as mães com suspeita ou confirmação de COVID-19 sejam encorajadas a iniciar ou continuar para amamentar. As mães devem ser informadas de que os benefícios da amamentação superam substancialmente os riscos potenciais para transmissão.

A mãe e o bebê devem poder permanecer juntos durante o alojamento conjunto durante o dia e a noite e praticar o contato pele a pele, incluindo cuidados com a "mãe canguru" , especialmente imediatamente após o nascimento e durante o estabelecimento de amamentação, quer eles ou seus filhos tenham suspeitado ou confirmado COVID-19.

Métodos

Uma revisão sistemática viva de evidências que seguiram os procedimentos do manual Cochrane para revisões sistemáticas das intervenções foi realizada com a última pesquisa realizada em 15 de maio de 2020 para identificar estudos, incluindo mães com suspeita ou confirmada de COVID-19 e seus bebês ou crianças pequenas.

A pesquisa foi realizada na Biblioteca Cochrane, EMBASE (OVID), PubMed (MEDLINE), Web of Science Core Collection (Clarivate Analytics) e o WHO Global

Base de dado:  Um total de 12.198 registros foram recuperados, 6.945 foram examinados após a remoção de duplicatas e 153 registros com
díades mãe-bebê em que a mãe tinha COVID-19 foram incluídas na revisão de texto completo.

Resultados

Um total de 46 díades mãe-bebê tiveram amostras de leite materno testadas para COVID-19. Todas as mães tinham COVID-19, enquanto 13
bebês com teste COVID-19 positivo.

Amostras de leite materno de 43 mães foram negativas para o vírus COVID-19, enquanto amostras de 3 mães foram positivas para partículas virais por RT-PCR.

Entre as 3 crianças cujas mães têm leite materno teste positivo para partículas de RNA viral, não vírus vivo, um bebê testou positivo para COVID-19, mas alimentação infantil práticas não foram relatadas.

Os outros dois bebês tiveram resultados negativos para COVID-19; um foi amamentado e o outro recém-nascido foi alimentado com leite materno ordenhado depois que as partículas de RNA viral não foram mais detectadas.

Na criança solteira com COVID-19, não estava claro por qual via ou origem a criança foi infectada, ou seja, através do leite materno ou gotículas do contato próximo com a mãe infectada.

Um artigo pré-impresso relatou a resposta imune secretora de imunoglobulina A (sIgA) contra o vírus COVID-19 encontrado em 12 de 15 amostras de leite materno de mães com COVID-19.6

As implicações desta descoberta no efeito, duração e  proteção contra COVID-19 para a criança não foi abordada.


REFERÊNCIAS 


Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você