[ editar artigo]

Antibióticos vs apendicectomia para apendicite, qual o melhor?

Antibióticos vs apendicectomia para apendicite, qual o melhor?

 

A apendicectomia tem sido o tratamento padrão para apendicite, embora o uso bem-sucedido da terapia antibiótica como alternativa tenha sido relatado há mais de 60 anos.[1]Embora tenha havido vários estudos randomizados de antibióticos para apendicite em adultos, [2-7]exclusão de subgrupos importantes (em particular, pacientes com apendicólito, que podem ter um risco aumentado de complicações), amostras pequenas e questões sobre aplicabilidade à população em geral limitaram o uso deste tratamento. [8] Recentemente, em 2014, mais de 95% dos pacientes norte-americanos com apendicite foram submetidos à apendicectomia. [9] No entanto, com a pandemia da doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19), os sistemas de saúde e sociedades profissionais como o American College of Surgeons sugeriram a reconsideração de muitos aspectos da prestação de cuidados, incluindo o papel dos antibióticos no tratamento da apendicite. [10] Levando esses aspectos em consideração, um grupo de vários pesquisadores lançou a iniciativa CODA (Comparison of the Outcomes of antibiotic Drugs and Appendectomy). O ensaio CODA visa responder à pergunta: “Com base em minhas características únicas, preferências e resultados de interesse, os antibióticos são tão bons quanto a apendicectomia?” [11,12]

No total, 1552 adultos (414 com um apendicólito) foram submetidos à randomização; 776 foram designados para receber antibióticos (47% dos quais não foram hospitalizados para o tratamento índice) e 776 para se submeter a apendicectomia (96% dos quais foram submetidos a um procedimento laparoscópico).

Os antibióticos não foram inferiores à apendicectomia com base nas pontuações EQ-5D de 30 dias (diferença média, 0,01 pontos; intervalo de confiança de 95% [IC], -0,001 a 0,03). No grupo de antibióticos, 29% foram submetidos à apendicectomia por 90 dias, incluindo 41% daqueles com apendicólito e 25% daqueles sem apendicólito.

As complicações foram mais comuns no grupo de antibióticos do que no grupo de apendicectomia (8,1 vs. 3,5 por 100 participantes; razão de taxas, 2,28; IC de 95%, 1,30 a 3,98); a maior taxa no grupo de antibióticos pode ser atribuída àqueles com apendicólito (20,2 vs. 3,6 por 100 participantes; razão de taxas, 5,69; IC de 95%, 2,11 a 15,38) e não àqueles sem apendicólito (3,7 vs. 3,5 por 100 participantes; razão de taxas, 1,05; IC de 95%, 0,45 a 2,43).

A taxa de eventos adversos graves foi de 4,0 por 100 participantes no grupo de antibióticos e 3,0 por 100 participantes no grupo de apendicectomia (razão de taxas, 1,29; IC de 95%, 0,67 a 2,50).

Algumas conclusões importantes:

Este ensaio comparativo de eficácia mostrou que, para o tratamento da apendicite, os antibióticos não eram inferiores à apendicectomia com base nos resultados de uma medida padronizada do estado geral de saúde, pelo menos a curto prazo. No grupo de antibióticos, quase 3 em cada 10 participantes foram submetidos a apendicectomia por 90 dias, e houve mais visitas ao departamento de emergência e hospitalizações após o tratamento índice do que no grupo de apendicectomia. Uma perspectiva alternativa é que, no grupo de antibióticos, mais de 7 em 10 participantes evitaram a cirurgia, muitos foram tratados em regime ambulatorial e os participantes e cuidadores perderam menos tempo no trabalho do que com a apendicectomia.

No grupo de antibióticos, os participantes com um apendicólito estavam em maior risco de apendicectomia e complicações do que os participantes sem apendicólito. Esses dados podem ser particularmente relevantes durante a pandemia da Covid-19, pois os pacientes e médicos avaliam os benefícios e riscos de cada abordagem, considerando as características, preferências e circunstâncias individuais.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


REFERÊNCIAS

1. Coldrey E. Treatment of acute appendicitis. Br Med J 1956;2:1458-61.

2. Eriksson S, Granström L. Randomized controlled trial of appendicectomy versus antibiotic therapy for acute appendicitis. Br J Surg 1995;82:166-9.

3. Styrud J, Eriksson S, Nilsson I, et al. Appendectomy versus antibiotic treatment in acute appendicitis: a prospective multicenter randomized controlled trial. World J Surg 2006;30:1033-7.

4. Turhan AN, Kapan S, Kütükçü E, Yiğitbaş H, Hatipoğlu S, Aygün E. Comparison of operative and non operative management of acute appendicitis. Ulus Travma Acil Cerrahi Derg 2009;15:459- 62.

5. Hansson J, Körner U, KhorramManesh A, Solberg A, Lundholm K. Randomized clinical trial of antibiotic therapy versus appendicectomy as primary treatment of acute appendicitis in unselected patients. Br J Surg 2009;96:473- 81.

6. Vons C, Barry C, Maitre S, et al. Amoxicillin plus clavulanic acid versus appendicectomy for treatment of acute uncomplicated appendicitis: an open-label, non-inferiority, randomised controlled trial. Lancet 2011;377:1573-9.

7. Salminen P, Paajanen H, Rautio T, et al. Antibiotic therapy vs appendectomy for treatment of uncomplicated acute appendicitis: the APPAC randomized clinical trial. JAMA 2015;313:2340-8.

8. Ehlers AP, Talan DA, Moran GJ, Flum DR, Davidson GH. Evidence for an antibiotics-first strategy for uncomplicated appendicitis in adults: a systematic review and gap analysis. J Am Coll Surg 2016; 222:309-14.

9. Sceats LA, Trickey AW, Morris AM, Kin C, Staudenmayer KL. Nonoperative management of uncomplicated appendicitis among privately insured patients. JAMA Surg 2019;154:141-9.

10. American College of Surgeons. COVID-19 guidelines for triage of emergency general surgery patients. March 25, 2020 (https://www.facs.org/covid-19/clinical -guidance/elective-case/emergency-surgery).

11. https://becertain.org/appendicitis-study-coda. Acessado em 06/02/2021

12. CODA Collaborative. A randomized trial comparing antibiotics with appendectomy for appendicitis. New England Journal of Medicine. 2020 Nov 12;383(20):1907-19. 

Academia Médica
Diego Arthur Castro Cabral
Diego Arthur Castro Cabral Seguir

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Pará. Jovem pesquisador em neurociências com projetos de iniciação científica. Coordenador discente de projetos de Extensão. Insta: @arthurcastropro

Ler conteúdo completo
Indicados para você