[ editar artigo]

Anticoagular precocemente pode salvar o seu paciente com COVID-19

Anticoagular precocemente pode salvar o seu paciente com COVID-19

A síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2), o vírus que causa a doença coronavírus 2019 (covid-19), continua a se espalhar em todo o mundo. Mortes entre pessoas com covid-19 foram parcialmente atribuídas a tromboembolismo venoso e trombose arterial. Em ambientes de terapia intensiva, a prevalência de tromboembolismo venoso entre pacientes com covid-19 foi relatada em cerca de 30%. Em resposta, várias organizações especializadas, incluindo a American Society of Hematology, International Society on Thrombosis and Haemostasis, CHEST Guideline and Expert Panel, e outras recomendaram anticoagulação profilática para pacientes admitidos com covid-19, que não têm contraindicação para esse tratamento, para reduzir o risco de tromboembolismo.

COVID-19 e coagulação

A COVID-19 está relacionada com a presença de microtrombos nos alvéolos pulmonares. Esses microtrombos pulmonares intravasculares foram associados ao desenvolvimento de hipoxemia nos estágios iniciais da síndrome do desconforto respiratório do adulto (SDRA) na COVID-19, que é provavelmente devido a uma incompatibilidade ventilação / perfusão criada por mudanças no fluxo sanguíneo microcirculatório e aumento subsequente do espaço morto.

Um dos mecanismos propostos de trombose imunomediada na COVID-19 é devido as interações do sistema inflamatório e de coagulação. A interação direta SARS-CoV-2 - plaqueta resulta em altos níveis de ativação plaquetária, promovendo um estado pró-trombótico. O trauma viral direto e a inflamação resultante levam a elevações do fibrinogênio por meio da IL-6, ativação de leucócitos, ativação dos neutrófilos, ativação de células endoteliais e liberação de mediadores inflamatórios. A ativação subsequente de fatores teciduais e das vias de ativação da cascata de coagulação potencializam ainda mais um estado de hipercoagulabilidade, que leva ao desenvolvimento de complicações tromboembólicas em pacientes.

Já a trombose pulmonar primária pode ser sustentada pelos mecanismos propostos de lesão endotelial mediada pela enzima conversora de angiotensina pulmonar 2 (ACE2), pela tempestade de citocinas causada pela doença que gera um estado de hipercoagulabilidade na COVID-19.

Mas e a anticoagulação, é realmente eficaz?

Para responder essa pergunta um grupo internacional de pesquisadores liderados por Christopher T Rentsch elaborou um estudo de Coorte observacional que contou com mais de 4 mil pacientes para responder essa pergunta.

E a resposta foi: Sim! A anticoagulação precoce (primeiras 24 horas de hospitalização) foi associada a uma redução de mortalidade dos pacientes com COVID-19.

Os principais resultados foram:

De 4.297 pacientes internados com covid-19, 84,4% receberam anticoagulação profilática dentro de 24 horas da admissão. Mais de 99% (n = 3600) dos pacientes tratados receberam heparina ou enoxaparina subcutânea. 622 mortes ocorreram dentro de 30 dias da admissão hospitalar, 513 entre aqueles que receberam anticoagulação profilática. A maioria das mortes ocorreu durante a internação hospitalar.

A incidência cumulativa de mortalidade em 30 dias foi de 14,3% entre aqueles que receberam anticoagulação profilática e 18,7% entre aqueles que não a fizeram. Além disso, o grupo anticoagulado obteve uma redução de 27% no risco de mortalidade em 30 dias.

Associações semelhantes foram encontradas para mortalidade de pacientes hospitalizados e início de anticoagulação terapêutica. O recebimento de anticoagulação profilática não foi associado ao aumento do risco de sangramento que necessitou de transfusão.

Quais anticoagulantes foram incluídos nesse estudo?

No estudo foram comparadas a anticoagulação profilática nas primeiras 24 horas de internação hospitalar com nenhum recebimento de anticoagulação no mesmo período. O desfecho primário foi a mortalidade dentro de 30 dias da admissão hospitalar, que incluiu óbitos intra-hospitalares (aqueles durante a admissão hospitalar) e aqueles que ocorreram após a alta. 

Os pesquisadores também consideraram o início dos níveis terapêuticos de anticoagulação após as primeiras 24 horas de admissão como um substituto para a deterioração clínica, incluindo eventos tromboembólicos. Para todos os desfechos, eles acompanharam os pacientes desde a data de admissão hospitalar até a primeira data do desfecho em no máximo 30 dias.

Os níveis o tipo e a dose dos anticoagulantes foram resumidos na tabela 1:

Abreviaturas: SC, subcutâneo; HBPM, heparina de baixo peso molecular; ACOD, anticoagulante oral direto; INR, razão normalizada internacional; TTPA, tempo parcial de tromboplastina; UI, unidade internacional. Adaptado de Early initiation of prophylactic anticoagulation for prevention of coronavirus disease 2019 mortality in patients admitted to hospital in the United States: cohort study. 

E o que isso significa?

Bem, a partir desse estudo sabemos que o início precoce da anticoagulação profilática em comparação com a ausência de anticoagulação entre os pacientes em internação hospitalar devido a covid-19 foi associado a um risco reduzido de mortalidade em 30 dias e nenhum risco aumentado de eventos hemorrágicos graves.

Esses achados fornecem fortes evidências de dados reais para apoiar as diretrizes que recomendam o uso de anticoagulação profilática como tratamento inicial para pacientes com covid-19 na admissão hospitalar.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. Rentsch, C. T., Beckman, J. A., Tomlinson, L., Gellad, W. F., Alcorn, C., Kidwai-Khan, F., ... & Freiberg, M. S. (2021). Early initiation of prophylactic anticoagulation for prevention of coronavirus disease 2019 mortality in patients admitted to hospital in the United States: cohort study. bmj, 372.
  2. Malas, M. B., Naazie, I. N., Elsayed, N., Mathlouthi, A., Marmor, R., & Clary, B. (2020). Thromboembolism risk of COVID-19 is high and associated with a higher risk of mortality: A systematic review and meta-analysis. EClinicalMedicine, 29, 100639.
  3. Page, E. M., & Ariëns, R. A. (2021). Mechanisms of thrombosis and cardiovascular complications in COVID-19. Thrombosis Research.

 

Academia Médica
Diego Arthur Castro Cabral
Diego Arthur Castro Cabral Seguir

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Pará. Jovem pesquisador em neurociências com projetos de iniciação científica. Coordenador discente de projetos de Extensão. Insta: @arthurcastropro

Ler conteúdo completo
Indicados para você