{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Aprendendo com a Medicina de Família e Comunidade
[editar artigo]

Aprendendo com a Medicina de Família e Comunidade

A medicina me encanta por vários motivos. Um deles é a quantidade de possibilidades que um médico tem para se especializar. Até o último levantamento que fiz eram 54. Tem especialização para aqueles que gostam de ação. Para aqueles que são mais tímidos. Para os que gostam de ver o corpo por dentro. Para os que gostam de trazer uma nova vida ao mundo. Para os que gostam de investigar a causa da morte. E, dentro dessas 54, uma chama a minha atenção em especial: a medicina de família e comunidade.

Tida por muitos (e eu pensava assim) como a mais simples das especializações, afinal conta com apenas 2 anos de residência, para mim, é a mais complexa de todas. Um médico de família nunca sabe quem vai atender nem qual patologia vai tratar.

Há quase 1 ano eu tenho convivido com ela. Já passei pela simples retirada de um medicamento utilizado por um paciente diabético até a suspeita de lesões metastáticas de uma possível recidiva oncológica. Já atendi pacientes com depressão e pacientes que estavam passando por crises previsíveis do ciclo de vida, as quais possuíam um prazo para terminar. Já atendi criança, idoso, homem, mulher e até uma família inteira.

De simples, a medicina de família e comunidade tem apenas sua sigla: MFC. Mas ela chama a minha atenção. Através dela posso atender os pacientes no consultório, como também ir até suas casas. Através dela posso passar por várias áreas ao mesmo tempo. Através dela posso enxergar o paciente como um todo. Através dela posso viajar por minhas emoções.

Já conversei com vários pacientes, ri, chorei, fiquei sem nenhuma reação, torci para reencontrá-los algum dia. E a cada atendimento percebo que o ser humano é único no palco da existência. A cada atendimento vejo que há um mundo novo para descobrir em cada pessoa. E a cada atendimento fica claro que o currículo que tanto trabalhamos para construir com trabalhos, eventos, congressos, cursos e tantos outros fica mínimo diante da história de vida que cada paciente nos conta.

Mas, mesmo sendo tão diferentes, eles possuem algo em comum. Ao final de cada atendimento, seja num consultório, seja em suas casas, todos dizem a mesma palavra, que para mim, é a mais linda de todo o dicionário: “Obrigado!”. O sentimento de gratidão é o mais belo de todos. Através da gratidão é possível perceber a dádiva que é estar nesse negócio chamado vida. Através da gratidão é possível ser feliz, mesmo quando as coisas não saem como o planejado. Através da gratidão é possível amar. A si mesmo. As pessoas a sua volta. Aquilo que fazemos. A vida.

A medicina de família e comunidade me encanta pelo seu lado dinâmico, pela aventura que é não saber o que me espera do lado de fora do consultório, pela possibilidade de conhecer novas histórias a cada atendimento, pela chance de acompanhar uma família e ver seu desenvolvimento. Mas, o que mais me encanta nela é a possibilidade de poder exercer meu papel enquanto médico, sem precisar deixar de lado a visão espiritual que possuo sobre a vida.

Leonardo Cardoso

Leonardo Cardoso

Um jovem quase médico que sonha com uma Saúde mais humanizada, equitativa e de qualidade. Amo ler e escrever. Aqui pretendo falar sobre tudo. Vamos conversar, debater, dialogar. Acho que só assim podemos avançar enquanto sociedade. Seja Bem Vindo!

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Artigos relacionados

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar