[ editar artigo]

Atléticas universitárias e sua importância no estado acadêmico: um prisma que se sobrepõe aos eventos festivos

Atléticas universitárias e sua importância no estado acadêmico: um prisma que se sobrepõe aos eventos festivos

Além das recepções aos calouros, realização de festas e eventos etilistas, as atléticas dos cursos de medicina, cada vez mais, estão desempenhando papel fundamental no que tange o coletivismo e organização estudantil, bem como corroborando em um estado de unidade pertencente entre seus membros. Cargos e funções bem definidas, estrutura hierárquica: seu funcionamento é como de uma empresa. Locais de treino, materiais e professores, muitas das vezes, são subsidiadas pelos próprios alunos ou perante arrecadações advindas de eventos festivos. 

Lá, é desenvolvido projetos sociais e filantrópicos, o estímulo à práticas esportivas é reafirmado, e o estado de pertencimento, conforme dito anteriormente, é fomentado. Os participantes, além disso, desenvolvem habilidades como esforço, dedicação e responsabilidade durante suas rotinas, a fim de que se atinja a excelência.

Este hábito de treinar alguma atividade esportiva, regularmente, torna-se cada vez mais importante no ambiente universitário, principalmente no ensino médico, visto que os números alarmantes, publicados, recentemente, acerca da saúde mental dos estudantes ilustram a importância dos esportes, aliado ao sentido identitário dentro dessas instituições. Jogos competitivos, que alentam a paixão pelo curso e pelo ato de doar-se em prol do grupo.

Portanto, nota-se que as Atléticas representam não só uma alternativa para questões de saúde do estudante de medicina e consequentemente para os médicos, mas também uma mudança de visão de como o Desporto Universitário é realizado no país. Nos Estados Unidos, as Ligas Universitárias movimentam bilhões e bilhões de dólares anualmente, sendo uma das campeãs de audiência no país. A diferença se vê no rendimento olímpico e no rendimento acadêmico que este país sempre demonstra.

Nos EUA, cada atleta recebe de estudos uma bolsa de acordo com o seu desempenho e com o interesse da Universidade/College nesse jogador. Essa bolsa varia entre 50 a 90% do valor da faculdade mais acomodação e alimentação. De acordo com a Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil (AMED-BR), parte deste profissionalismo americano, pode ser visto em menor escala nos eventos esportivos promovidos pelas Atléticas de Medicina no Brasil. Ensaiadíssimas baterias ou charangas tocam e dançam sob o ritmo dos instrumentos. As cheerleaders e os mascotes têm coreografias para animar a torcida e incentivar a equipe. Os ginásios e os estádios, mesmo sem padrão profissional estão sempre lotados. Mesmo com todas as dificuldades de ser estudante e de ser atleta neste país.

Assim, infelizmente, em vez de dar total apoio e incentivar a prática desportiva universitária, vemos recentemente, o descaso, a desonestidade e o desrespeito de movimentos que deveriam lutar pelos interesses dos estudantes de Medicina fazendo o contrário com as Atléticas. Fato esse que, lamentavelmente, ainda é recorrente no Brasil.

 

Referências Bibliográficas:

Saiba como a atlética universitária pode ajudar na sua formação - UNICESUMAR: https://blog.unicesumar.edu.br/atletica-universitaria

O que as atléticas têm a nos ensinar - PEBMED: https://pebmed.com.br/o-que-as-atleticas-tem-nos-ensinar/

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 150 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

Academia Médica
Bárbara Figueiredo
Bárbara Figueiredo Seguir

19 anos. Acadêmica de Medicina na Fundação Educacional de Patos de Minas. Curto nerdices, Sócrates e tripartição de poderes (rs). Instagram: @figueiredobabi

Ler matéria completa
Indicados para você