[ editar artigo]

Atualização sobre tratamento precoce pela Sociedade Brasileira de Infectologia (09/12/2020)

Atualização sobre tratamento precoce pela Sociedade Brasileira de Infectologia (09/12/2020)

Nós da Academia Médica, a fim de municiar o médico e demais profissionais de saúde, trazemos as últimas informações para o melhor desenvolvimento da arte médica e para o melhor desfecho para os pacientes por nós tratados. 

De acordo com o novo documento que veio a público da Sociedade Brasileira de Infectologia (09/12/2020), ainda não há tratamento precoce eficaz ou cientificamente comprovado. Segue na íntegra o enunciado no item número 2 do PDF da sociedade que foi veiculado nesta página ou pode ser baixado AQUI

Em suma:

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento farmacológico precoce para COVID-19 com qualquer medicamento (cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, nitazoxanida, corticoide, zinco, vitaminas, anticoagulante, ozônio por via retal, dióxido de cloro) 

Para se atualizar sobre o tema e levar o melhor tratamento para o seu paciente, acesse Pneumointensiva.com e conecte-se com quem é referência.

Conforme foi relatado, segue as informações, conforme redigido na atualização da SBI publicada em 09/12/2020:

...

2) Sobre o tratamento precoce nos primeiros dias de sintomas

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento farmacológico precoce para COVID-19 com qualquer medicamento (cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, nitazoxanida, corticoide, zinco, vitaminas, anticoagulante, ozônio por via retal, dióxido de cloro), porque os estudos clínicos randomizados com grupo controle existentes até o momento não mostraram benefício e, além disso, alguns destes medicamentos podem causar efeitos colaterais. Ou seja, não existe comprovação científica de que esses medicamentos sejam eficazes contra a COVID-19.

Essa orientação da SBI está alinhada com as recomendações das seguintes sociedades médicas científicas e outros organismos sanitários nacionais e internacionais: Sociedade de Infectologia dos EUA (IDSA) e da Europa (ESCMID), Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH), Centros Norte-Americanos de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Organização Mundial da Saúde (OMS) e Agência Nacional de Vigilância do Ministério da Saúde do Brasil (ANVISA).

Na fase inicial, medicamentos sintomáticos, como analgésicos e antitérmicos, como paracetamol e/ou dipirona, podem ser usados para pacientes que apresentam dor e/ou febre.

Principais referências: N Engl J Med. Oct 29, 2020; www.idsociety.org/COVID-19guidelines (atualizado 02/12/2020);
NIH COVID-19 Treatment Guidelines (atualizado 03/12/2020); https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/therapeutic-options.html (atualizado em 04/12/2020).

...


Comente o que achou a seguir. 

Acesse o documento em PDF na íntegra da SBI clicando AQUI

Compartilhe essa publicação para que o método científico prevaleça à crença e à politicagem!

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você