[ editar artigo]

Clínicas populares: futuro ou decadência da prática médica?

Clínicas populares: futuro ou decadência da prática médica?

Em decorrência da atual conjectura de incertezas e crises tanto políticas quanto econômicas, as clínicas populares, ou de baixo custo, atraem cada vez mais os olhares de investidores e profissionais da área da saúde. Apresentando-se como uma alternativa à saúde complementar falha e aos altos preços das consultas particulares, essa nova modalidade de sistema de saúde vem crescendo e traz consigo debates acerca dos benefícios e malefícios intrínsecos a ela.

Por um lado, tem-se as clínicas populares como alternativa a diversos problemas do sistema de saúde nacional. Voltado principalmente para o público de classe média baixa, o qual tem condições de arcar com o baixo valor cobrado pelas consultas e exames, sem precisar depender da rede pública, mas não tem condições suficientes para arcar com um plano de saúde, que obteve no ano de 2017 um reajuste de cerca de 13,55%. A partir da atenção a esse estrato social, há a possibilidade de facilitar o acesso à saúde compatível com o orçamento dessa classe e ainda descongestionar o SUS, deixando-o prioritariamente para aqueles que realmente não possuam condições.

Outro ponto positivo atribuído às clinicas populares se deve ao valor equivalente, ou superior, que o profissional recebe por atendimento em comparação à tabela de serviços do sistema complementar. As consultas de especialidades pelas seguradoras de saúde pagam cerca de 30 a 50 reais, já as clínicas populares cobram, pelos mesmos atendimentos, cerca de 80 a 120. Valores diferenciados em mais de 100%, que acabam por atrair olhares dos profissionais.

Todavia, a questão do barateamento das consultas e exames médicos toca na questão do demérito das práticas em medicina. Muito se debate acerca dos valores “impraticáveis” que são cobrados e abre-se a discussão sobre a qualidade desse atendimento. Para que esse estilo de negócio seja economicamente rentável, o tempo médio de consulta para uma avaliação geriátrica ampla, por exemplo, que é estimado entre 60 a 90 minutos, deveria ser reduzido a menos de um terço. Sendo assim, o tempo de duração e a qualidade do atendimento se tornam dúvida e baseiam grande parte das críticas às clínicas populares.

De toda forma, com críticas e elogios sobre si, as clínicas populares representam uma das principais áreas de investimento no setor da saúde, o qual, mesmo em tempos de instabilidade político-econômica, continua a crescer. Assim, faz-se necessário que o debate acerca dessa nova “modalidade” de regime seja ampliado, bem como seja feita regulamentação e a fiscalização institucionalizada, com intuito de que o futuro da prática médica não se torne decadente.

 

Academia Médica
Victor Rennó
Victor Rennó Seguir

Acadêmico do 3º ano de medicina. Ex presidente da Liga Acadêmica de Geriatria. Fundador da Liga Acadêmica de Gestão e Inovação em Saúde - LAGINOVE. Ex acadêmico de Engenharia Civil.

Ler matéria completa
Indicados para você