[ editar artigo]

Como os empregadores podem reduzir o medo da vacinação?

Como os empregadores podem reduzir o medo da vacinação?

Somente as vacinas podem acabar com esta pandemia e prevenir ainda mais mortes e quedas na economia, mas para que isso aconteça um número suficiente de pessoas devem ser vacinadas para que desta forma um país obtenha imunidade coletiva. Os empregadores tem que desempenhar um papel essencial para alcançar esse objetivo, adotando os princípios da economia comportamental para combater a hesitação da vacina.

Enfatize as estatísticas

Quando o número global de mortes causadas pela pandemia ultrapassou 2 milhões de pessoas em janeiro, os jornalistas fizeram valentes tentativas de nos ajudar a compreender o escopo da crise, dizendo: “É como se 10 dos maiores jatos comerciais do mundo caíssem do céu , todos os dias durante um ano inteiro. ”

Embora esse número seja de cair o queixo, as estatísticas ou gráficos não conseguem capturar a realidade angustiante de perder um pai, irmão, vizinho ou colega de trabalho. Os empregadores devem oferecer uma plataforma para funcionários que possam estar dispostos a compartilhar sua história de perda ou adoecimento grave com o vírus. Isso não apenas ajudará os funcionários a se curar emocionalmente, mas também terá o poder de incentivá-los a agir. É mais provável que as pessoas acreditem que podem ficar doentes ou infectar outras pessoas depois de saberem que isso aconteceu com alguém que conhecem pessoalmente.

Concentre-se em benefícios imediatos em vez de benefícios em longo prazo 

As pessoas valorizam muito mais o que podem obter imediatamente, então a promessa de que uma vacina pode levar ao fim das restrições à pandemia daqui a meses ou anos não é suficiente para motivar uma ação. As comunicações devem enfocar os benefícios imediatos, como:

  • aqueles que foram vacinados podem retornar ao supermercado ou cabeleireiro com menos preocupação de que poderiam trazer a infecção para casa para sua família.
  • o retorno das atividades esportivas e culturais em público.
  • a diminuição do risco de adoecer algum familiar querido, evitando até mesmo a morte de alguém amado, entre outros.

Mas enfatize que mesmo aqueles que são vacinados devem continuar usando máscaras e se distanciar até atingirmos a imunidade coletiva.

Quem se vacinar poderá ter o lazer de volta 

Em suas comunicações com os funcionários, as organizações certamente devem enfatizar o principal benefício de se vacinar: evitar ficar doente e espalhar uma doença mortal para a família, amigos e colegas de trabalho. No entanto, essas comunicações também devem apontar outros benefícios - por exemplo, vacinas provavelmente serão exigidas no futuro para futuras viagens nacionais ou internacionais ou mesmo para participar de shows ou eventos esportivos.

Proteja os funcionários de qualquer entrave à vacinação

Certifique-se de que a vacinação em si não cause perdas aos funcionários. Alguns empregadores estão oferecendo o equivalente a duas a quatro horas de pagamento para que os funcionários horistas não sofram perdas financeiras quando se afastam do trabalho para se vacinar. Não deve haver nenhum custo direto para o destinatário.

Use as redes sociais

Os humanos gostam de fazer o que seus amigos e vizinhos estão fazendo. Isso torna as redes sociais uma ferramenta poderosa para estimular a vacinação. Para muitos, o local de trabalho continua sendo uma de suas redes sociais mais importantes. Assim como muitos influenciadores mostram vídeos deles mesmos recebendo a vacina, os empregadores podem colocar adesivos nos crachás de identificação e os sites da vacina podem distribuir botões facilmente visíveis para os vacinados.

Busque compromisso

Depois de declarar publicamente nossa posição, ficamos mais receptivos ao viés de confirmação, o que significa que buscamos informações que confirmam nosso ponto de vista e ignoramos informações que não confirmam.

Os empregadores devem incentivar seus funcionários a se deslocarem para a vacinação assim que forem elegíveis, mesmo que haja uma espera. Executivos e outros líderes influentes devem expressar seu compromisso de serem vacinados, mesmo que ainda não sejam elegíveis.

Não exija vacinas antes de serem amplamente aceitas

A Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA permite que os empregadores exijam vacinas se necessário para a segurança no local de trabalho, mas exige a consideração de objeções religiosas ou médicas. No entanto, isso não significa que este seja um bom momento para um mandato de vacina. Não vamos forçar as pessoas a declarar sua oposição à vacina quando quase um terço da população norteamericana diz que quer esperar para ver como a vacina está funcionando. Aqueles que ainda não estão dispostos a tomar a vacina provavelmente serão muito mais receptivos mais tarde, quando virem seus amigos, colegas de trabalho e famílias ganhando benefícios com as vacinas seguras e quando precisarem mostrar prova de vacinação para fins recreativos ou outras atividades não laborais.

Opções de quadro para destacar o valor da vacina

Forneça contexto para ajudar os funcionários a compreender o valor das vacinas. Alguns funcionários podem temer que as vacinas tenham apenas autorização de uso antecipado, em vez de aprovação total das agências reguladoras, portanto, são arriscadas. Explique a eles que as vacinas já foram dadas a dezenas de milhões de pessoas com resultados negativos mínimos. As taxas de complicações permanecem muito baixas e nenhuma morte foi definitivamente causada pelas vacinas. Enquanto isso, houve mais de 470.000 mortes causadas no Brasil e mais de 2,5 milhões em todo o mundo.

Há agora relatos infelizes de que alguns estão recusando certas vacinas por causa de relatos iniciais de que elas são menos eficazes do que outras. Lembre aos funcionários que as vacinas Coronavac, Pfizer e Astra Zeneca diminuíram as hospitalizações em mais de 99%. Começamos a falar sobre um aumento na “confiança na vacina” em vez de uma diminuição na “hesitação na vacina”.

Supere a tendência de subestimar os riscos comuns

Os indivíduos estão sujeitos a um viés de otimismo, o que significa que acreditam que têm menos probabilidade de sofrer um resultado ruim do que as estatísticas sugerem. Por exemplo, os fumantes continuam a fumar, embora saibam que os cigarros levam à morte prematura, e os corredores de stock car continuam a correr, embora saibam que acidentes com risco de vida são comuns.

Com a Covid-19, muitos subestimam o risco de exposição ou de ter um caso grave ou efeitos duradouros se infectados. Em suas comunicações para encorajar a vacinação, os empregadores podem superar esse preconceito concentrando-se na redução do risco de transmissão da doença a entes queridos e apontando a imunidade coletiva como um passo necessário para retornar às muitas atividades que perdemos.

Evite sobrecarregar os funcionários. 

Quando somos apresentados a muitas opções e informações, muitas vezes congelamos e voltamos ao padrão de não fazer nenhuma escolha. Os clientes que receberam muitas amostras em uma loja, na verdade, compram menos itens de amostra. A torrente de informações sobre a Covid-19 também pode paralisar os funcionários e diminuir as taxas de vacinação. Os empregadores devem fornecer informações de fácil compreensão sobre por que, como e onde podem ser vacinados. A vacinação será uma escolha, mas vamos torná-la uma escolha fácil.

Seja justo!

As pessoas odeiam a injustiça, mesmo que elas próprias não sejam prejudicadas pela injustiça. Os líderes devem demonstrar seu entusiasmo sobre a obtenção da vacina, mas certificar-se de que as vacinas sejam oferecidas rapidamente aos funcionários da linha de frente e àqueles em maior risco. Um varejista não iria querer vacinar o presidente do conselho executivo deixando os caixas desprotegidos! Se as empresas estiverem administrando a vacina, elas devem oferecê-la a todos os funcionários em situação semelhante, conforme os suprimentos permitirem.

A pandemia da Covid-19 representa o maior desafio de saúde pública em um século. Para combatê-lo, precisamos aumentar a aceitação pública de vacinas seguras e altamente eficazes. Ao usar as ferramentas de economia comportamental para promover a vacinação de funcionários e suas famílias, os empregadores podem nos ajudar a alcançar a imunidade coletiva e, assim, prevenir mais doenças, mortes e maiores transtornos econômicos.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referência

  1. “How Employers Can Reduce Vaccine Hesitancy”. Harvard Business Review, março de 2021. hbr.org, https://hbr.org/2021/03/how-employers-can-reduce-vaccine-hesitancy.

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você