[ editar artigo]

COVID longo e crianças: cientistas correm para encontrar respostas

COVID longo e crianças: cientistas correm para encontrar respostas

Como a COVID-19 devastou as comunidades, muitas vezes as crianças foram poupadas do pior dos impactos da doença. Mas o espectro do longo COVID se desenvolvendo em crianças está forçando os pesquisadores a reconsiderar o custo da pandemia para os mais jovens. A questão é particularmente relevante à medida que a proporção de infecções que ocorrem em jovens aumenta em países onde muitos adultos são vacinados - e os debates sobre os benefícios da vacinação de crianças se intensificam. Afinal, seria melhor vacinar as crianças de países avançados na vacinação, ou remanejar suas doses para países mais pobres para salvar mais vidas e impulsionar a recuperação da economia global?

A maioria das pessoas que sobrevivem ao COVID-19 se recuperam completamente. Mas para alguns, a condição mal compreendida que se tornou conhecida como COVID longo pode durar meses - talvez até anos. Ninguém sabe ainda. A condição foi descrita pela primeira vez em adultos. Mas vários estudos já relataram um fenômeno semelhante, incluindo sintomas como dor de cabeça, fadiga e palpitações, em crianças, embora raramente experimentem sintomas iniciais graves da COVID-19.

As estimativas da duração comum da COVID em crianças variam muito. Os pesquisadores dizem que definir isso é crucial, porque as decisões sobre o fechamento de escolas e o lançamento de vacinas podem depender do risco que o vírus representa para as crianças. Obter números sólidos é “muito, muito importante”, diz Pia Hardelid, epidemiologista de saúde infantil da University College London.

Sinais de alerta

Um estudo italiano evidenciou que mais de um terço das crianças estudadas tinham um ou dois sintomas persistentes quatro meses ou mais após a infecção, e outro quarto tinha três ou mais sintomas. Insônia, fadiga, dor muscular e queixas persistentes do tipo resfriado eram comuns - um padrão semelhante ao observado em adultos com COVID longo. Mesmo as crianças que tiveram sintomas iniciais leves, ou eram assintomáticas, não foram poupadas desses efeitos duradouros, diz Buonsenso, um dos pesquisadores envolvidos no estudo.

Dados divulgados pelo Escritório de Estatísticas Nacionais do Reino Unido (ONS) em fevereiro e atualizados em abril também geraram preocupação. Eles mostraram que 9,8% das crianças de 2 a 11 anos e 13% de 12 a 16 anos relataram pelo menos um sintoma persistente cinco semanas após um diagnóstico positivo de COVID-19. Outro relatório divulgado em abril constatou que um quarto das crianças entrevistadas após a alta hospitalar na Rússia pós-COVID-19 apresentou sintomas mais de cinco meses depois.

Os números relatados não são tão altos quanto para os adultos.

Os dados do ONS, por exemplo, mostram que cerca de 25% das pessoas de 35 a 69 anos apresentaram sintomas em 5 semanas. Mas os números ainda disparam alarmes, porque a COVID-19 grave em crianças é muito mais raro do que em adultos e, portanto, supõe-se que a maioria das crianças foi poupada dos impactos do COVID longo, diz Jakob Armann, um pediatra da Universidade de Tecnologia de Dresden, na Alemanha. Se 10% ou 15% das crianças, independentemente da gravidade inicial da doença, apresentam sintomas de longa duração, “isso é um problema”, diz ele, “então isso precisa ser estudado”.

Mas a prevalência do COVID longo é realmente tão elevada?

Armann suspeita que os números podem não ser tão altos. Os sintomas de COVID longo incluem fadiga, dor de cabeça, dificuldade de concentração e insônia. Ele diz que outros fenômenos relacionados à pandemia, como fechamento de escolas e o trauma de ver membros da família doentes ou morrendo de COVID-19, podem resultar nesses sintomas também, e aumentar artificialmente as estimativas de COVID longas. “Você precisa de um grupo de controle para descobrir o que está realmente relacionado à infecção”, diz ele.

Ele e seus colegas vêm colhendo amostras de sangue de crianças do ensino médio em Dresden desde maio de 2020 para rastrear as taxas de infecção. Em março e abril deste ano, pesquisas foram feitas com mais de 1.500 crianças - quase 200 das quais tinham anticorpos indicando infecção anterior por SARS-CoV-2 - para ver quantas relataram COVID longo.

Em maio, o grupo de Armann relatou em um preprint que não encontrou nenhuma diferença nas taxas de sintomas relatados pelos dois grupos. “Isso foi impressionante”, diz Armann, e sugere que o COVID longo em crianças é provavelmente menor do que alguns estudos indicam. Isso não significa que COVID longo não exista em crianças, diz ele, mas significa que o número está provavelmente abaixo de 10%, um nível que teria sido captado no estudo. O número real é talvez tão baixo quanto 1%, diz ele.

Mas como podemos diagnosticar o COVID longo em crianças?

Buonsenso diz que um dos desafios em descobrir quantas crianças desenvolvem COVID longo é que não existem critérios de diagnóstico definidos em adultos, muito menos em crianças. Pesquisas para detectar sintomas geralmente lançam uma rede ampla e ainda não são específicas o suficiente para separar COVID de outras condições, diz ele. No entanto, ele está convencido de que algumas crianças - talvez 5–10% daquelas com COVID-19 - desenvolvem a doença.

Se o sofrimento psicológico fosse um grande fator nos sintomas que ele está observando, como Armann sugeriu, Buonsenso argumenta que haveria mais crianças com os sintomas da primeira onda de infecções em 2020, quando as restrições eram mais severas em Roma. Em vez disso, a segunda onda resultou em mais casos de crianças com sintomas de COVID longo, diz ele.

Uma definição adequada de COVID longo é urgentemente necessária, diz Hardelid, para que os estudos possam determinar o grau de problema que ele apresenta nas crianças e quais crianças estão em maior risco.

Uma sugestão, após uma revisão da literatura em adultos pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde do Reino Unido, é que COVID longo pode ser uma coleção de três síndromes diferentes, incluindo síndrome de cuidado pós-intensivo, síndrome de fadiga pós-viral e a síndrome do COVID de longo prazo. Esse também pode ser o caso em crianças, diz Hardelid.

Buonsenso também tem analisado as alterações imunológicas que ocorrem em pessoas com COVID longa, para ver se há marcadores biológicos que poderiam levar a tratamentos. Em um pequeno estudo publicado como pre-print em maio, ele e seus colegas descobriram que apenas as crianças com COVID longo apresentavam sinais de inflamação crônica após a infecção.

Essas investigações sobre a base biológica do COVID longo podem ter efeitos de longo alcance. Em geral, sabemos muito pouco sobre as condições pós-virais crônicas, diz Buonsenso, porque a maior parte da atenção clínica e do financiamento se concentrou na fase aguda das infecções.

 

Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

Referências

‌Lewis, D. (2021). Long COVID and kids: scientists race to find answers. Nature.

Buonsenso, D. et al. Acta Paediatr. https://doi.org/10.1111/apa.15870 (2021).

Osmanov, I. M. et al. Preprint at medRxiv https://doi.org/10.1101/2021.04.26.21256110 (2021).

Blankenburg, J. et al. Preprint at medRxiv https://doi.org/10.1101/2021.05.11.21257037 (2021).

Miller, F. et al. Preprint at medRxiv https://doi.org/10.1101/2021.05.28.21257602 (2021).

Molteni, E. et al. Preprint at medRxiv https://doi.org/10.1101/2021.05.05.21256649 (2021).

National Institute for Health Research. Living with Covid19 https://doi.org/10.3310/themedreview_41169 (NIHR, 2020).

Di Sante, G. et al. Preprint at medRxiv https://doi.org/10.1101/2021.05.07.21256539 (2021).

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você