Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Alergias à Penicilina na Infância: Avaliação, Desafios e Cuidado

Alergias à Penicilina na Infância: Avaliação, Desafios e Cuidado
Academia Médica
fev. 1 - 3 min de leitura
000

A alergia à penicilina é uma preocupação comum entre os pais. Nos Estados Unidos, afeta mais de 30 milhões de pessoas com cerca de 75% desses casos sendo identificados antes dos 3 anos. No entanto, um artigo da  JAMA Pediatrics de 29 de janeiro de 2024, destaca que muitas dessas supostas alergias podem não ser verdadeiras.


Fonte:  Fender AW, Thompson JL, Thompson LA., 2024

🧒🏻A Questão da Alergia à Penicilina em Crianças

A amoxicilina, um tipo de antibiótico penicilínico, é frequentemente marcada como a causa de alergia em crianças. Isso representa um desafio, pois os antibióticos penicilínicos são, na maioria das vezes, a melhor opção para tratar infecções comuns na infância, como otites, pneumonia e faringite estreptocócica. Quando uma alergia à penicilina é relatada, os pediatras podem ser obrigados a optar por um antibiótico menos eficaz.

🚨Impactos de um diagnóstico de Alergia à Penicilina

Ser classificado como alérgico à penicilina pode levar a desfechos de saúde menos favoráveis a longo prazo, incluindo aumentos no tempo de hospitalização, risco de morte, infecções após cirurgias e custos de cuidados de saúde. Muitas vezes, as crianças diagnosticadas como alérgicas não são verdadeiramente alérgicas; reações como erupções cutâneas e urticária, comuns durante infecções, podem ser interpretadas erroneamente como alergias.

👩🏻‍⚕️Avaliação da Alergia à Penicilina

Pediatras e alergologistas podem distinguir reações alérgicas verdadeiras de efeitos adversos de antibióticos ou infecções virais através de uma cuidadosa anamnese. Atualmente, sabe-se que as alergias à penicilina não têm uma base genética, e a avaliação não necessariamente requer testes cutâneos. As diretrizes atualizadas recomendam desafios orais com penicilina apenas para crianças com certos tipos de erupções cutâneas, como urticária.

Durante um desafio oral, a criança recebe uma dose do medicamento e é monitorada por cerca de uma hora em uma clínica. Em casos selecionados, pode-se recomendar um desafio oral "graduado", começando com uma dose pequena e aumentando-a gradativamente. Para sintomas que não sejam erupções cutâneas específicas, ou que incluam vômito ou chiado junto com a erupção, ainda se recomenda a realização de testes cutâneos antes do desafio oral.

➡️Orientações aos Pais

É vital que os pais consultem um pediatra diante de qualquer preocupação sobre uma reação a um antibiótico. Uma descrição precisa dos sintomas e do momento de sua ocorrência em relação à administração do medicamento é crucial. Com base nessas informações, pode ser necessário encaminhar a criança para um alergologista. Não se deve presumir que toda reação é uma alergia.


Uma avaliação cuidadosa das supostas alergias à penicilina, é de extrema importância, pois garante que as crianças não sejam privadas desnecessariamente de tratamentos eficazes. A colaboração entre pais, pediatras e alergologistas é fundamental para identificar com precisão as verdadeiras alergias e garantir o melhor cuidado possível para as crianças.


Referência: 

Fender AW, Thompson JL, Thompson LA. What Parents Need to Know About Penicillin Allergy Labels. JAMA Pediatr. Published online January 29, 2024. doi:10.1001/jamapediatrics.2023.6100


Denunciar publicação
    000

    Indicados para você