[ editar artigo]

Dexametasona reduz a mortalidade de pacientes graves com COVID-19

Dexametasona reduz a mortalidade de pacientes graves com COVID-19

Um esteróide barato e comumente usado pode salvar a vida de pessoas gravemente doentes com a COVID-19, foi a conclusão de um estudo clínico randomizado e controlado da Universidade de Oxford no Reino Unido. [1]

O medicamento, chamado dexametasona, é o primeiro a reduzir as mortes pelo coronavírus que matou mais de 430.000 pessoas em todo o mundo. No estudo houve redução de um terço  das mortes dos pacientes que estavam em ventilação mecânica devido à infecção pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). [2]

A dexametasona é um esteróide usado desde a década de 1960 para reduzir a inflamação em várias condições, incluindo distúrbios inflamatórios e certos tipos de câncer. Ele está listado na Lista Modelo de Medicamentos Essenciais da OMS desde 1977 em várias formulações e atualmente está disponível na maioria dos países. [4]

No estudo, um total de 2104 pacientes foram randomizados para receber dexametasona 6 mg uma vez por dia (por via oral ou por injeção intravenosa) por dez dias e foram comparados com 4321 pacientes randomizados apenas para os cuidados habituais.

Entre os pacientes que receberam os cuidados usuais isoladamente, a mortalidade em 28 dias foi mais alta naqueles que necessitaram de ventilação mecânica (41%), intermediária nos pacientes que precisaram apenas de oxigênio (25%) e menor entre aqueles que não necessitaram de intervenção respiratória (13%).

No grupo que recebeu a corticoterapia, a dexametasona reduziu as mortes em um terço nos pacientes em Ventilação Mecânica (razão de taxa 0,65 [intervalo de confiança de 95% 0,48 a 0,88]; p = 0,0003) e em um quinto nos pacientes recebendo apenas oxigênio (0,80 [0,67 a 0,96]; p = 0,0021). Não houve benefício entre os pacientes que não necessitaram de suporte respiratório (1,22 [0,86 a 1,75; p = 0,14). [3]

Com base nesses resultados, uma morte seria evitada pelo tratamento de cerca de 8 pacientes ventilados ou cerca de 25 pacientes que necessitavam apenas de oxigênio.

O Diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que “Este é o primeiro tratamento a ser mostrado para reduzir a mortalidade em pacientes com COVID-19 que necessitam de oxigênio ou suporte ventilatório. São ótimas notícias e parabenizo o Governo do Reino Unido, a Universidade de Oxford e os muitos hospitais e pacientes no Reino Unido que contribuíram para esse avanço científico que salvou vidas”. [4]

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Infectologia comemorou os resultados do estudo e classificou o avanço como:

“Dia histórico no tratamento da COVID-19!”. [5]

O presente estudo traz uma luz no fim do túnel no tratamento de pacientes graves da COVID-19. A descoberta de tratamentos como este pode salvar inúmeras vidas globalmente e com isso reduzir os impactos sócio-econômicos oriundos dessa pandemia que já vitimou muitas pessoas globalmente.

 

Nota do editor:

 

Sobre o estudo RECOVERY

 

O estudo RECOVERY é um grande estudo controlado e randomizado de possíveis tratamentos para pacientes hospitalizados com COVID-19. Mais de 11.500 pacientes foram randomizados para os seguintes tipos de tratamento, ou nenhum tratamento adicional:

 

  • Lopinavir-Ritonavir (comumente usado para tratar o HIV)

  • Dexametasona em baixa dose (um tipo de esteróide, normalmente usado para reduzir a inflamação)

  • Hidroxicloroquina (que agora foi interrompida devido à falta de eficácia)

  • Azitromicina (um antibiótico comumente usado)

  • Tocilizumab (tratamento anti-inflamatório administrado por injeção)

  • Plasma convalescente (coletado de doadores que se recuperaram do COVID-19 e contém anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2).

 

A dexametasona em geral reduziu a taxa de mortalidade em 28 dias em 17% (0,83 [0,74 a 0,92]; P = 0,0007), com uma tendência altamente significativa mostrando maior benefício entre os pacientes que necessitam de ventilação (teste para tendência p <0,001). Mas é importante reconhecer que os pesquisadores não encontraram evidências de benefício para pacientes que não precisavam de oxigênio e que não estudamos pacientes fora do ambiente hospitalar. O acompanhamento está completo para mais de 94% dos participantes.

 

O estudo RECOVERY é conduzido pelas unidades de ensaios clínicos registrados no Departamento de Saúde da População de Nuffield, em parceria com o Departamento de Medicina de Nuffield. O estudo é apoiado por uma bolsa da Universidade de Oxford do Reino Unido para Pesquisa e Inovação / Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde (NIHR) e pelo financiamento principal fornecido pelo Centro de Pesquisa Biomédica NIHR Oxford, Wellcome, Fundação Bill e Melinda Gates, Departamento de Desenvolvimento Internacional, Health Data Research UK, Unidade de Pesquisa em Saúde da População do Conselho de Pesquisa Médica e Financiamento de Suporte da Unidade de Ensaios Clínicos da NIHR.

 

O estudo RECOVERY envolve muitos milhares de médicos, enfermeiros, farmacêuticos e administradores de pesquisa em mais de 175 hospitais em todo o Reino Unido, apoiados por funcionários da NIHR Clinical Research Network, NHS DigiTrials, Saúde Pública da Inglaterra, Saúde Pública da Escócia, Departamento de Saúde e Assistência Social e o NHS na Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

 

Texto elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

 

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 175 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

 


Referências

  1. Welcome — RECOVERY Trial n.d. https://www.recoverytrial.net/ (accessed June 17, 2020).

  2. Ledford H. Coronavirus breakthrough: dexamethasone is first drug shown to save lives. Nature 2020. https://doi.org/10.1038/d41586-020-01824-5.

  3. Low-cost dexamethasone reduces death by up to one third in hospitalised patients with severe respiratory complications of COVID-19 | University of Oxford n.d. http://www.ox.ac.uk/news/2020-06-16-low-cost-dexamethasone-reduces-death-one-third-hospitalised-patients-severe# (accessed June 17, 2020).

  4. WHO welcomes preliminary results about dexamethasone use in treating critically ill COVID-19 patients n.d. https://www.who.int/news-room/detail/16-06-2020-who-welcomes-preliminary-results-about-dexamethasone-use-in-treating-critically-ill-covid-19-patients (accessed June 17, 2020).

  5. INFORME DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS N° 14: DEXAMETASONA NO TRATAMENTO DA COVID-19 Elaborado em 16/06/2020. Disponível em: https://ammg.org.br/wp-content/uploads/f590ba9af0faf1a1490ef0b5f945b9c136dceba586b6fa18b86852927fe72b54.pdf

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você