Diferenças entre Clínicos e Cirurgiões
Academia Médica 2012/09/22 20:08:15 +0000 | 5 minutos de leitura
[editar artigo]

Diferenças entre Clínicos e Cirurgiões

Diferenças entre Clínicos e Cirurgiões

Texto por Fernando Carbonieri

Desde o começo da nossa vida acadêmica, vamos sendo pressionados a fazer escolhas sobre nosso futuro profissional. Durante nossa vida inteira, aqueles que nos são queridos sempre perguntaram: " O que você quer ser quando crescer?"

Ao término da faculdade de medicina essa pergunta ainda é válida. Hoje, há em nossa frente uma bifurcação, temos que escolher se queremos exercer nossa arte como um médico clínico e/ou cirurgião (abordaremos sobre as áreas de pesquisa em outra oportunidade).

Os estereótipos desses dois personagens são muito distintos e são repetidos constantemente nos corredores dos hospitais mundo afora.

Fala-se do clínico que ele é alguém muito teórico e pouco objetivo. Ele tende a ser mais sensível, próximo e preocupado com o paciente. Tem uma visão mais global, dando atenção a aspectos mais subjetivos. Ele é visto como alguém que trabalha com incertezas, idéias, hipóteses e probabilidades. Uma pessoas detalhista e meticulosa, porém com menos tendência a ser objetiva. Acaba sendo visto por alguns colegas cirurgiões como aquele que "tudo sabe mas que nada resolve"; e aposto que muitos dos leitores já ouviram essa máxima pelos corredores do hospital.

Do cirurgião é falado que ele possui uma visão parcial do paciente, dando atenção apenas aos aspectos orgânicos. Ele trabalha com o palpável, concreto, material e sensorial. Esse profissional é visto como resolutivo, rápido em suas decisões. Isso é fruto da praticidade e objetividade relacionada às técnicas cirúrgicas. Frequentemente, ele é visto pelos pacientes como uma pessoa distante e fria, agressiva e invasiva. Tende a ter uma personalidade ansiosa - é o médico que constantemente luta contra o tempo - e, por isso, pode se tornar nervoso e temperamental. Visto pelos colegas clínicos como aquele que "nada sabe e tudo resolve".

O livro "O Clínico e o Cirurgião - Estereótipos, Personalidade e Escolha da Especialidade" de Patrícia Lacerda Bellodi* conclui que:

Os clínicos são mais tranquilos, reflexivos e imaginativos, detalhistas e oposicionistas ao ambiente, mais interessados no contato interpessoal e menos agressivos que os cirurgiões.

Os cirurgiões, por sua vez, são mais rápidos e impulsivos, mais racionais, interessados no conatato interpessoal, mas em menor grau quando comparados aos clínicos, e mais agressivos.

Ainda sobre esse tema, a Dra. Bellodi cita um relato de uma residente de cirurgia para o nº22 da revista "Em Foco" do CREMESP, em 2003, que disse:

“O clínico e o cirurgião, os dois polos... O trabalho deles é mental e o nosso, manual. Como Leonardo da Vinci, conhecido pelas pinturas e pelos trabalhos científicos, e Michelangelo, escultor, cresceu meio pedreiro, aprendeu a esculpir, em Florença era ‘um qualquer’ que trabalhava com as mãos... - e conclui - E parece que, segundo a história da época, tal como esses dois grandes artistas renascentistas, os clínicos e cirurgiões respeitam tanto o trabalho um do outro que... se odeiam."

E é importante que entendamos por que essa 'rusga' existe. E é nessa comparação genial da residente de cirurgia que podemos delimitar essa relação entre os dois 'polos' da medicina. Jamais um clínico substituirá um cirurgião e vice-versa. Ambos têm funções distintas dentro do universo da medicina. E é por saber que no território de um e outro há conhecimentos e práticas que não podem desbravar sozinhos, que a ajuda e colaboração de um é fundamental para outro, que o médico percebe que o seu trabalho, apesar de muito amplo e refinado, tem suas limitações.

Para comprar o Livro O Clínico e o Cirurgião de Patrícia Bellodi, clique AQUI

*Patrícia Lacerda Bellodi é doutora em Psicologia Clínica, membro da Retaguarda Emocional para o Aluno de Medicina (Repam) da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e do Centro de Desenvolvimento de Educação Médica (Cedem) da Faculdade de Medicina da USP e autora do livro “O Clínico e o Cirurgião: estereótipos, personalidade e escolha de especialidade médica”, Editora Casa do Psicólogo, fruto de sua tese de doutorado.
COMPARTILHE
Academia Médica

Academia Médica

Págiona do editorial do Academia Médica para anunciar noticias ou atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Artigos relacionados

login modal