[ editar artigo]

Eficácia das vacinas contra a variante Delta da COVID-19

Eficácia das vacinas contra a variante Delta da COVID-19

A variante B.1.617.2 (delta) da Covid-19, contribuiu para um aumento de casos na Índia e agora foi detectado em todo o mundo, incluindo um aumento notável de casos no Reino Unido. Mas a eficácia das vacinas BNT162b2 (Pfizer–BioNTech) e ChAdOx1 nCoV-19 (AstraZeneca) contra esta variante ainda não está clara.

A variante delta é caracterizada pelas mutações da proteína spike T19R, Δ157-158, L452R, T478K, D614G, P681R e D950N. Várias dessas mutações podem afetar as respostas imunológicas direcionadas às principais regiões antigênicas da proteína de ligação ao receptor (452 e 478) e exclusão de parte do domínio N-terminal. Até onde sabemos no momento as cepas com mutações nesse local podem ter uma replicação aumentada, o que leva a cargas virais mais altas e transmissão aumentada. Dados sobre a eficácia das vacinas da Covid-19 contra esta variante são limitados. Mas um estudo recente, teve como objetivo estimar a eficácia de duas vacinas (AstraZeneca e Pfizer), contra doença sintomática causada pela variante delta.

Como esse estudo foi realizado?

Os pesquisadores utilizaram um desenho de caso-controle para estimar a eficácia da vacinação contra a doença sintomática causada pela variante delta ou a cepa predominante (B.1.1.7, ou variante alfa) durante o período em que a variante delta começou a circular. As variantes foram identificadas com o uso de sequenciamento e com base no status do gene para a proteína spike (S). Os dados de todos os casos sequenciados sintomáticos de Covid-19 na Inglaterra foram usados para estimar a proporção de casos com qualquer uma das variantes de acordo com o estado de vacinação dos pacientes.

Eles também utilizaram duas abordagens para estimar o efeito da vacinação na variante delta. Primeiro, foi usado um desenho de caso-controle com teste negativo para estimar a eficácia da vacina contra a doença sintomática causada pela variante delta, em comparação com a variante alfa, durante o período em que a variante delta esteve circulando. Em resumo, foram comparados o estado de vacinação de pessoas com Covid-19 sintomáticas com o estado de vacinação em pessoas que relataram sintomas, mas tiveram um teste negativo. Essa abordagem ajuda a controlar vieses relacionados ao comportamento de busca por atendimento em saúde, acesso a testes e averiguação de casos.

E quais foram os resultados da pesquisa?

A eficácia após uma dose da vacina (Pfizer ou Astrazeneca) foi notavelmente menor entre as pessoas com a variante delta do que entre aqueles com a variante alfa; os resultados foram semelhantes para ambas as vacinas. Com a vacina Pfizer, a eficácia de duas doses foi de 93,7% (95% CI, 91,6 a 95,3) entre as pessoas com a variante alfa e 88,0% (95% CI, 85,3 a 90,1) entre aqueles com a variante delta. Com a vacina de Oxford/Astrazeneca, a eficácia de duas doses foi de 74,5% (IC de 95%, 68,4 a 79,4) entre as pessoas com a variante alfa e 67,0% (IC de 95%, 61,3 a 71,8) entre aqueles com a variante delta.

E o que podemos concluir desse estudo?

Um efeito claro foi observado com ambas as vacinas, com altos níveis de eficácia após duas doses. A eficácia da vacina contra qualquer uma das variantes foi menor após o recebimento de duas doses da vacina ChAdOx1 nCoV-19 do que após o recebimento de duas doses da vacina BNT162b2, um achado que é consistente com outros ensaios clínicos prévios. O número de casos e os períodos de acompanhamento são atualmente insuficientes para estimar a eficácia da vacina contra doença grave, hospitalização e óbito.

Apenas diferenças modestas na eficácia da vacina foram observadas com a variante delta em comparação com a variante alfa após o recebimento de duas doses da vacina. As diferenças absolutas na eficácia da vacina foram mais marcadas após o recebimento da primeira dose. Esta descoberta de eficácia reduzida após a primeira dose apoiaria os esforços para maximizar a tomada da vacina com duas doses entre os grupos vulneráveis no contexto da circulação da variante delta.


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. Lopez Bernal J, Andrews N, Gower C, Gallagher E, Simmons R, Thelwall S, et al. Effectiveness of Covid-19 Vaccines against the B.1.617.2 (Delta) Variant. New England Journal of Medicine [Internet]. 2021 Aug 12 [cited 2021 Aug 17];385(7):585–94. Available from: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2108891?query=featured_home ‌

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você