[ editar artigo]

A epidemia da falta de comunicação.

A epidemia da falta de comunicação.

De acordo com o Institute of Medicine, metade dos adultos nos Estados Unidos – 90 milhões de pessoas- tem problemas pra entender o que os médicos dizem para eles sobre o porquê estão doentes e como seguir o esquema terapêutico.

Isso é muita gente – são tantas que as chances são boas de que muitos pacientes saem confusos de seu consultório.

Não é fácil dizer quais destes pacientes entenderam ou não. Eles são tímidos e não conseguem compreender o que foi dito ou fornecido para ler, então ele se tornam especialistas em fingir isto.

Por mais que você seja articulado, é provável que algumas de suas explicações – sobre a doença, como tomar os medicamentos ou como seguir a dieta que você prescreveu – podem entrar por um ouvido e sair pelo outro, mesmo se você perguntar ”você entendeu” o paciente vai te responder “sim”.

Pacientes que tem problemas com termos médicos incluem idosos, adultos jovens, imigrantes com dificuldades no idioma, pessoas de cultura diferentes, aqueles com pouca escolaridade e pessoas com dificuldades visuais, auditivas ou cógnitivas.

A Dra. Helen Osborne, presidente da Health Literacy Consulting em Natick, Massachussetts “Você não consegue dizer apenas olhando”. As pessoas que você mesmos espera ter problemas em entender o médico- fluentes articulados e bem educados profissionais – podem ter dificuldades com termos médicos comuns, conceitos, e instruções que o médico garante que o paciente entendeu.

Até os médicos podem ter problemas em entender o que seus colegas médicos dizem. A Health Literacy and Patient Safety, um manual para clínicos sobre como se comunicar claramente com os pacientes - publicado pela American Medical Association (AMA) -  reconta uma anedota sobre um ilustre obstetra que não conseguiu entender completamente a explicação que recebeu de seu ortopedista sobre sua cirurgia ortopédica.

Você está falando acima da compreensão de seus pacientes?

Quando você gasta tempo para discutir a condição do paciente ou explicar como tomar certa medicação, é claro que você espera que ele entenda. Você não foi avisado que a maioria dos pacientes NÃO É médico, então simplifique as coisas de um jeito que você acredita que um não médico seria capaz de entender.

Infelizmente, mesmo com estes ajustes, muitos médicos inadvertidamente falam mais do que o pacientes podem compreender.  Isso porque médicos estão profundamente superestimando o que os pacientes são verdadeiramente capazes de entender.

Por exemplo, estudos mostram que a maioria dos pacientes tem habilidades limitadas, 26% não entendem quando a próxima consulta está marcada, 42% não entendem instruções para “tomar medicamentos com o estomago vazio” e 78% não entendem completamente alertas nas bulas.

Em um estudo sobre pacientes com literatura em saúde limitada não entendem realmente o significado de palavras que os médicos regularmente usam na discussão com pacientes – como, por exemplo: intestino, cólon, testes de rastreamento ou rotina, ou sangue na base. Em outro estudo, 1 a cada 4 mulheres que disseram que sabem o que é uma mamografia, na verdade não sabem.

Para complicar as coisas, mesmo quando os pacientes entendem o que é dito em algumas circunstâncias, não fazem o mesmo em outras. Osborne lembra que acordou no meio da noite com muita dor no olho. Desorientada e apenas com visão parcial, ela correu até o hospital de olhos e ouvidos em Boston. ”Fui lá, eu estava com muita dor, e estava assustada. Era três da manhã. A pessoa que me atendeu na recepção me deu um formulário para preencher”. Ele disse “ preencha este formulário que o médico vai vê-la “.

“Eu não tinha ideia do que aquilo era.” Osborne disse. “Eu esperava fazer a consulta. Então eu assinei o documento. Aquilo poderia ter me ajudado muito mais se o recepcionista naquela hora - num hospital de olhos pelo amor de Deus – tivesse me ajudado a preencher.”

Se você quer se comunicar melhor com seus pacientes, veja algumas dicas do American Medical Association, em inglês:

http://www.ama-assn.org/ama1/pub/upload/mm/367/healthlitclinicians.pdf

 

Este artigo foi traduzido do: Why Some Patients Aren't Following Your Instructions Neil Chesanow, em maio de 2013 

http://www.medscape.com/viewarticle/804739?src=wnl_edit_bom_weekly

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você