[ editar artigo]

Gestantes com hipertensão que não seja persistentemente grave após 34 semanas: Induzir ou não o parto?

Gestantes com hipertensão que não seja persistentemente grave após 34 semanas: Induzir ou não o parto?

Mulheres que têm pressão alta (hipertensão) durante a gravidez ou que desenvolvem pré-eclâmpsia (pressão alta com proteína na urina ou envolvimento de outros sistemas de órgãos, ou ambos) podem desenvolver complicações graves. As complicações potenciais para a mãe são agravamento da pré-eclâmpsia, desenvolvimento de convulsões e eclâmpsia, síndrome HELLP (hemólise, enzimas hepáticas elevadas e contagem de plaquetas baixa), descolamento da placenta, insuficiência hepática, insuficiência renal e dificuldade em respirar devido ao fluido em os pulmões.

O parto geralmente evita que a hipertensão da mãe piore, mas um bebê prematuro pode ter outros problemas de saúde, como dificuldade para respirar, porque os pulmões ainda estão imaturos. A indução do parto pode causar superestimulação das contrações e sofrimento fetal. A alternativa é aguardar o parto enquanto monitora de perto a mãe e o bebê.

Por que isso é importante?

Como há benefícios e riscos no parto antecipado planejado em comparação com a espera quando a mãe tem pressão alta no final da gravidez, uma revisão sistemática buscou saber qual é a opção mais segura (esperar ou induzir o parto). Para isso foram analisados ensaios clínicos que comparassem o parto antecipado planejado, por indução do trabalho de parto ou por cesariana, com uma política de espera no parto do bebê.

Principais Resultados 

Foram incluídos cinco estudos (envolvendo 1819 mulheres) nesta revisão. Houve um risco menor de mortalidade materna composta e morbidade grave para mulheres randomizadas para receber parto antecipado planejado ( evidência com classificação alta). Não houve diferenças claras entre os subgrupos com base nessa análise de subgrupo por idade gestacional, semana gestacional ou condição. O parto antecipado planejado foi associado a menor risco de síndrome HELLP e insuficiência renal grave.

Não havia informações suficientes para tirar quaisquer conclusões sobre os efeitos sobre a mortalidade infantil composta e morbidade grave. No entanto, o parto antecipado planejado foi associado a níveis mais elevados de síndrome do desconforto respiratório e admissão na Unidade de terapia Intensiva Neonatal (UTIN).

Não houve diferença clara entre o parto antecipado planejado e o parto atrasado para o número de cesarianas ou a duração da internação da mãe após o nascimento do bebê.

O nível de evidência foi classificado como alto (mortalidade e morbidade materna composta), moderado (cesariana, duração da internação após o parto para a mãe e duração da internação após o parto para o bebê) ou baixo (mortalidade e morbidade infantil compostas). Onde a evidência foi rebaixada, foi principalmente porque os intervalos de confiança eram amplos, cruzando tanto a linha de nenhum efeito quanto de benefício ou dano apreciável.

O que isto significa?

No geral, se o bebê de uma mulher nasceu imediatamente após 34 semanas, havia menos risco de complicações para a mãe e nenhuma diferença clara na taxa geral de complicações para o bebê, mas as informações eram limitadas.

Esses achados são aplicáveis ​​à prática obstétrica geral quando os distúrbios de hipertensão durante a gravidez são considerados em conjunto. Mais estudos são necessários para examinar os diferentes tipos de distúrbios hipertensivos individualmente.


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referência

  1. Cluver C, Novikova N, Koopmans CM, West HM. Planned early delivery versus expectant management for hypertensive disorders from 34 weeks gestation to term. Cochrane Database of Systematic Reviews 2017, Issue 1. Art. No.: CD009273. DOI: 10.1002/14651858.CD009273.pub2

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você