[ editar artigo]

Gestantes vacinadas transferem anticorpos para seus bebês, sugere estudo Israelense

Gestantes vacinadas transferem anticorpos para seus bebês, sugere estudo Israelense

Pacientes grávidas com COVID-19 têm maior probabilidade de necessitar de cuidados intensivos e morrer em comparação com mulheres grávidas não infectadas. Embora as consequências da COVID-19 na gravidez tenham levado muitas organizações de saúde a apoiar a vacinação durante a gravidez, os efeitos da vacina para a mãe e o bebê permaneceram obscuros.

Em um estudo recente, Beharier e Mayo et al. exploraram as respostas maternas e neonatais à vacina de mRNA da Pfizer. Os autores examinaram amostras de sangue de mulheres e sangue do cordão umbilical de recém-nascidos após o parto. As amostras foram estratificadas em três grupos:

  1. quem recebeu a vacina,
  2. participantes não vacinadas com teste de SARS-CoV-2 positivo anterior e
  3. não vacinados sem infecção prévia.

Mães vacinadas e mães com infecção anterior geraram e transferiram anticorpos IgG protetores pela placenta.

Este estudo fornece evidências para apoiar a segurança e eficácia da vacinação COVID-19 na gravidez com proteção para o recém-nascido contra a infecção, delineando benefícios claros da vacina para a saúde materna e infantil.

A gravidez muda a função imunológica e endócrina

A gravidez é um estado de imunidade e função endócrina alteradas para permitir o sucesso da gestação. Essa mudança nos estados imunológico e endócrino durante a gravidez promove uma vulnerabilidade a complicações graves causadas por agentes infecciosos, incluindo a infecção pela síndrome respiratória aguda grave por coronavírus 2 (SARS-CoV-2). Especificamente, pacientes grávidas têm três vezes mais chances de serem admitidas em uma unidade de terapia intensiva, receber suporte ventilatório ou oxigenação por membrana extracorpórea e morrer, em comparação com mulheres grávidas não infectadas. Além disso, complicações obstétricas, em particular parto prematuro, também são mais prováveis de ocorrer se a mãe estiver infectada com SARS-CoV-2; assim, aumentando a possibilidade de problemas de saúde em longo prazo para a mãe e o recém-nascido. Levando isso em consideração diversas sociedades e organizações governamentais começaram a advogar pela administração dos imunizantes nas gestantes.

Transferência bem-sucedida da mãe para o feto

Houve vários achados notáveis que expandiram a compreensão da vacinação contra a COVID-19 na gravidez. Os dados mostraram um aumento robusto na resposta humoral IgG materna em pacientes não infectados após a vacinação. Essas imunoglobulinas foram prontamente transferidas para o feto através da placenta, levando a um título substancial de anticorpos anti-SARS-CoV-2 na corrente sanguínea neonatal em 14 dias após a primeira dose da vacina. Além disso, em mulheres em recuperação de infecção por SARS-CoV-2 contraída no segundo trimestre, os anticorpos maternos e do cordão umbilical anti-COVID-19 permaneceram elevados no momento do parto.

No geral, houve uma alta eficácia da vacinação para gerar anticorpos protetores em mães e subsequente transferência bem-sucedida para os fetos em comparação com a infecção natural. A IgG é a única classe de anticorpos que é transferida ativamente da mãe para o feto através da placenta por um transporte ativo, envolvendo o receptor Fc neonatal (FcRn), fornecendo proteção contra o SARS-CoV-2 ao recém-nascido durante os primeiros meses de vida. Nos 86 partos vacinados, não houve evidência de resposta IgM fetal a qualquer um dos antígenos induzidos pela vacina, indicando nenhuma evidência de exposição direta do feto aos antígenos derivados da vacina. 

Esse estudo vem elucidar diversas dúvidas que tínhamos sobre a vacinação das gestantes. Vemos que vacinar as gestantes além de conferir proteção à mãe, também protege os fetos. Sendo assim, a vacinação segue como o carro chefe no combate à pandemia.


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. Burd, I., Kino, T., & Segars, J. (2021). The Israeli study of Pfizer BNT162b2 vaccine in pregnancy: considering maternal and neonatal benefits. The Journal of Clinical Investigation.
  2. Zambrano LD, Ellington S, Strid P, Galang RR, Oduyebo T, Tong VT, et al. Update: Characteristics of Symptomatic Women of Reproductive Age with Laboratory-ConfirmedSARS-CoV-2 Infection by Pregnancy Status — United States, January 22–October 3, 2020. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2020;69:1641–1647.
  3. Allotey J, Stallings E, Bonet M, Yap M, Chatterjee S, Kew T, et al. Clinical manifestations, risk factors, and maternal and perinatal outcomes of coronavirus disease 2019 in pregnancy: living systematic review and meta-analysis. BMJ, 2020. 370: p. m3320.
  4. Woodworth KR, Olsen EO, Neelam V, Lewis EL, Galang RR, Oduyebo T, et al. Birth and Infant Outcomes Following Laboratory-Confirmed SARS-CoV-2 Infection in Pregnancy — SET-NET, 16 Jurisdictions, March 29–October 14, 2020 MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2020; 69(44):1635–1640.
  5. Hajissa K, Mussa A. Positive aspects of the mRNA platform for SARS-CoV-2 vaccines. Hum Vaccin Immunother 2021, 1-3.
  6. Anderson EJ, Rouphael NG, Widge AT, Jackson LA, Roberts PC, Makhene M, et al. mRNA1273 Study Group. Safety and Immunogenicity of SARS-CoV-2 mRNA-1273 Vaccine in Older Adults. N Engl J Med 2020; 383: 2427-2438
  7. Beharier O, Mayo RP, Raz T, Sacks KN, Schreiber L, Suissa-Cohen Y, et al. Efficient maternal to neonatal transfer of antibodies against SARS-CoV-2 and BNT162b2 mRNA COVID-19 vaccine. J Clin Invest 2021, in press.
  8. Gur RE, White LK, Waller R, Barzilay R, Moore TM, Kornfield S, et al. The Disproportionate Burden of the COVID-19 Pandemic Among Pregnant Black Women Psychiatry Res. 2020 Nov; 293: 113475.
  9. Palmeira P, Quinello C, Silveira-Lessa AL, Zago CA, Carneiro-Sampaio M. IgG Placental transfer in healthy and pathological pregnancies. Clin Dev Immunol. 2012;2012:1–13.
  10. Lozano NA, Lozano A, Marini V, Saranz RJ, Blumberg RS, Baker K. Expression of FcRn receptor in placental tissue and its relationship with IgG levels in term and pre-term newborns. Am J Reprod Immunol. 2018 Sep; 80(3): e12972.
  11. Rath T, Baker K, Pyzik M, Blumberg RS. Regulation of immune responses by the neonatal Fc receptor and its therapeutic implications. Front Immunol. 2015;5(664):1–8.

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você