[ editar artigo]

Hipócrates, um mito

Hipócrates, um mito

O pai da medicina, o início de uma profissão, o marco inicial. Será?
Hipócrates (460 – 370 a.C), nascido na ilha de Cós, atual Grécia. Sua vida é restrita a  pouquíssimos registros documentais, porém, era um asclepíade, ou seja, oriundo de uma família que tinha por tradição praticar os cuidados à saúde.

Seus escritos, o corpus hipocrático, foi composto por cerca de 60 “livros”, que através de estudos de filologia, percebeu-se que foram confeccionados do século V ao II. Esses estudos ainda indicam que 14 dos “livros” de fato pode ter sido escritos por uma mesma pessoa, todavia, por diferenças sintáticas, de léxico, entre outros fatores, estima-se a contribuição de outros 19 autores ao corpus hipocrático.

Aos mais atentos surge a observação da incongruência entre o tempo estimado de vida de Hipócrates e de suas anotações. Desse modo, a velha anedota sobre os gregos se evidencia: os gregos têm o velho hábito de não existir. 

Sócrates, Homero, Hipócrates e tantos outros personagens da historiografia grega permeiam infindáveis debates acerca da existência real ou apenas da existência literária. Por exemplo, existem teorias que apontam Sócrates como personagem ficcional dos textos de Platão.

Além disso, a nossa busca incessante por pais e mães em todos os cantos também vai florescer nesse momento. Será factível que após anos de ensinamentos voltados a saúde feita por mesopotâmicos, chineses, indianos, japoneses, egípcios (que Hipócrates teve contato) e árabes, que o nosso personagem grego foi o inventor, o pai da medicina? 

Acredito na concepção da frase atribuída a Isaac Newton:

Se eu vi mais longe, foi por estar sobre ombros de gigantes.

Uma constante construção e desconstrução dos conhecimentos, uma infindável busca pela verdade, pela resposta correta, que nunca existirá. Entretanto, as melhoras acontecerão e o conhecimento irá se aperfeiçoando nesse motor imparável de sempre procurar melhores repostas.

Hipócrates é um mito? Na etimologia da palavra, Mythós, pode significar uma forma de mensagem, ideia, relato imaginário. Creio que esse personagem possa carregar um pouco de cada um desses significados. 

A mensagem está posta, algumas fontes apontam que ele recebia valores proporcionais ao que os pacientes podiam pagar por seu trabalho, que atendia a todos, foi responsável pelas primeiras descrições clínicas de certas doenças, fundamentou a teoria dos humores.

Existindo ou não, o mito está posto.

Academia Médica
Medicina em Crônicas - Elomar R. Moura
Medicina em Crônicas - Elomar R. Moura Seguir

Olá! Sou Elomar R. Moura (@medicinaemcronicas), 22 anos, de Aracaju - SE. Estudante de medicina da Universidade Tiradentes (UNIT) - SE. Um apaixonado pela literatura que escreve reflexões sobre a medicina tanto na sua prática, como na sua simbologia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você