[ editar artigo]

Ignaz Semmelweis: o médico internado em um hospício por insistir que deveríamos lavar as mãos

Ignaz Semmelweis: o médico internado em um hospício por insistir que deveríamos lavar as mãos

Há algumas semanas me deparei com um comentário, feito em uma página relacionada à medicina, em que uma senhora dizia que médicos deveriam ser presos caso dessem qualquer orientação ou compartilhassem alguma notícia sem que houvesse algum "estudo científico" que comprovasse o que havia sido dito. 

O que me causou espanto foi a quantidade de curtidas que o comentário obteve, e o que me deixou ainda mais perplexo foi que, ao observar os perfis de quem havia curtido, pasmem, a maioria era de médicos ou estudantes de medicina. Após refletir alguns dias sobre o comentário, lembrei-me da história do Dr Ignaz Semmelweis, o médico que foi internado em um hospício por insistir na ideia de que deveríamos lavar as mãos. 

Ignaz Philipp Semmelweis nasceu em 1818 em Budapeste, capital da Hungria. Concluiu o curso de medicina em 1844 em Viena, capital da Áustria, tendo após isso decidido se especializar em Obstetrícia no Hospital Geral de Viena. Passado o tempo, começou a chamar atenção do Dr Semmelweis o fato de que na primeira clínica de obstetrícia a taxa de mortalidade materna pós-parto era de 10%, já na segunda clínica girava em torno de 4%. 

Dr Ignaz Semmelweis. Fonte: Jenő Doby - Benedek, István (1983) Ignaz Phillip Semmelweis 1818-1865, Gyomaendrőd, Hungary: Corvina Kiadó ISBN: 9631314596. plate 15 Ignaz Semmelweis 1860 (Copper plate engraving by Jenő Doby)

A atitude do Dr Ignaz foi, primeiramente, unificar os procedimentos, a distribuição dos equipamentos, etc. Contudo, a diferença entre as taxas de mortalidade continuou significativa. O médico, após um período, constatou que as equipes eram diferentes. Na clínica de mortalidade mais alta, os profissionais eram médicos e estudantes de medicina. Já na de mortalidade mais baixa o serviço era realizado por parteiras. 

A explicação encontrada pelo Dr Ignaz foi que os médicos e estudantes de medicina realizavam necrópsias e manuseavam os cadáveres no mesmo hospital antes de realizar o parto, o que poderia causar uma contaminação devido as "partículas cadavéricas". A partir daí o médico instituiu, no Hospital Geral de Viena, a prática de lavagem de mãos com hipoclorito de cálcio para médicos e estudantes de medicina antes de realizarem os partos, o que fez as taxas caírem significativamente já no mês consecutivo, fazendo as clínicas terem taxas semelhantes.

Não obstante, apesar dos bons resultados, a prática não foi bem aceita pelos superiores do Dr. Semmelweis, fato que resultou em sua demissão. O médico retornou para seu país de origem onde passou mais alguns anos colocando em prática sua descoberta, porém sendo novamente desconsiderado e tratado como louco até mesmo por familiares, devido sua insistência na prática de higienização das mãos antes dos procedimentos.

O Dr. Semmelweis foi internado à força, obrigado a usar camisa de forças e colocado em uma cela escura, tendo morrido duas semanas depois por infecção no dedo médio da mão direita, que causou uma infecção generalizada. Sua descoberta só passou a ser tratada com seriedade após o desenvolvimento da teoria de Louis Pasteur acerca dos germes das doenças, que ratificou a importância de técnicas de assepsia em cirurgias. 

Por falta de "evidências", o Dr Ignaz Semmelweis foi levado a um hospício, onde morreu. Qual o preço de exigir que recomendações médicas baseadas em conceitos básicos da infectologia, fisiologia, farmacologia, etc. tenham ensaios clínicos randomizados para embasá-las? Quantas vidas foram ou poderiam ter sido salvas no Hospital Geral de Viena pela orientação de higienizar as mãos antes dos procedimentos? 

Por fim, resta a dúvida sobre as curtidas do comentário citado no início do texto: será que esses médicos e estudantes desconhecem a história de sua profissão ou realmente concordam em serem presos ou internados por raciocinarem, assim como Ignaz Semmelweis?

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 210 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Academia Médica
José Bento
José Bento Seguir

Acadêmico de Medicina do 8º período na Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande - Paraíba.

Ler conteúdo completo
Indicados para você