[ editar artigo]

Insuficiência respiratória

Insuficiência respiratória

Dra. Roberta Fittipaldi é médica pneumologista e intensivista e líder da Comunidade de prática online de Pneumo Intensiva na Academia Médica

A insuficiência respiratória é a incapacidade do sistema respiratório em realizar adequadamente as trocas gasosas. O resultado é a hipoxemia, ou seja, SapO2<90% ou paO2 < 60mmHg e ou hipercapnia paCO2 > 50mmHg.

Para haver uma adequada troca gasosa, deve existir uma perfeita interação entre o sistema nervoso central, sistema nervoso periférico, musculatura respiratória, sistema respiratório - composto por vias aéreas e pulmões - e sistema cardiovascular. Portanto, qualquer disfunção em um desses sistemas pode gerar insuficiência respiratória.


A Insuficiência respiratória é classificada em:

 

Tipo I ou hipoxêmica (paO2 < 60mmHg)

É o tipo mais comum de insuficiência respiratória, e pode ocorrer por dois mecanismos: distúrbio ventilação – perfusão (VQ) ou efeito shunt. Basicamente no distúrbio VQ ocorre um desbalanço entre a perfusão e a ventilação pulmonar, ou seja, existem aéreas perfundidas mas não ventiladas como na pneumonia, ou então existem áreas ventiladas mas não perfundidas como na embolia pulmonar. Particularmente, quando existem áreas ventiladas e não perfundidas, há o acúmulo de ar em unidades alveolares. Este ar não vai ser adequadamente oxigenado e, dessa forma, temos também o efeito chamado de espaço morto. Mais raramente, outra causa de insuficiência respiratória hipoxêmica é o efeito shunt. Neste caso o mais comum é existir uma deformidade anatômica intra-cardíaca, como uma comunicação intra-ventricular (CIV), a qual permita a mistura dos sangues arterial e venoso.

 

Tipo II ou hipercápnica (paCO2 > 50mmHg)

Existem algumas condições que geram hipoventilação alveolar, ocasionando o acúmulo de CO2 e consequente acidose respiratória. As principais causas são drogas depressoras do sistema nervoso central, DPOC agudizado, rebaixamento do nível de consciência e doenças neuromusculares.


Manifestações clínicas

O paciente em insuficiência respiratória comumente apresenta-se taquipneico, em uso de musculatura acessória, com dificuldade da fala e diaforese (transpiração excessiva).

Todos que se apresentam em insuficiência respiratória necessitam de monitorização contínua da oximetria de pulso, pressão arterial e eletrocardiograma.

Todos os pacientes em insuficiência respiratória com SpO2 < 90% necessitam de gasometria arterial preferencialmente em ar ambiente, para avaliação de outros distúrbios metabólicos associados, como acidose ou alcalose respiratória, além de realizar o cálculo da relação PaO2-FiO2.

Radiografia de tórax é outro exame complementar para todos os pacientes com insuficiência respiratória, pois comprova ou sugere o diagnóstico etiológico.


Tratamento

O principal objetivo do tratamento da insuficiência respiratória (IRpA) é manter a oxigenação e ventilação adequadas enquanto se diagnostica e trata a causa base.

A base do tratamento da IRpA é a oxigenoterapia, que pode ser ofertada via cateter nasal ou máscara simples (FiO2 até 40%), máscara com reservatório (FiO1 até 100%), ventilação não invasiva (FiO2 até 100%), ou ventilação invasiva (FiO2 até 100%). A porcentagem de oxigênio e a forma com que é ofertado vai depender do quadro clínico do paciente e da sua doença de base conforme iremos discutir nos próximos textos.

 

 


Você é um profissional de UTI, Anestesiologia, Fisioterapia, Emergência e Home care?

Então você precisa continuar lendo esse texto!

Nós, da Academia Médica, buscamos incentivar o aprimoramento das competências do profissional e o amplo espaço de discussões e compartilhamento de experiências. Pensando nisso, a Academia Médica traz para você a primeira Comunidade de Prática Online de Pneumo Intensiva da América Latina

Coordenada pela Dra. Roberta Fittipaldi, a Comunidade de Prática de Pneumo Intensiva é um espaço de discussões de casos clínicos com aulas gravadas e ao vivo, de conteúdos exclusivos sobre suporte ventilatório, pneumologia e terapia intensiva, e de troca de experiências com os melhores profissionais da área de toda a América Latina. Tudo planejados para engajar médicos e profissionais que atuam na área de Pneumo Intensiva! 

Além disso, os participantes da Comunidade de Prática ainda têm acesso ao Curso completo de Ventilação Mecânica, com metodologia única desenvolvida pela Dra. Roberta Fittipaldi, que já ajudou diversos alunos de residência, colegas médicos e profissionais de diversas áreas da saúde a entender melhor as estratégias do tratamento do seu paciente em cuidados de terapia.

 

Academia Médica
Roberta Fittipaldi Palazzo
Roberta Fittipaldi Palazzo Seguir

Medica pneumologista e intensivista. Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Professora da Pós graduação em Terapia Intensiva HIAE. Cursando doutorado em Pneumologia FMUSP. Médica Assistente UTI Respiratória FMUSP.

Ler matéria completa
Indicados para você