{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Medicina Resumida - Qual a importância das medidas antropométricas no exame físico?
[editar artigo]

Medicina Resumida - Qual a importância das medidas antropométricas no exame físico?

Qual a importância das medidas antropométricas no exame físico?

A frenologia tentou definir a inteligência humana através das dimensões da cabeça, mas falhou. A neurociência ainda busca inúmeras respostas e dentre elas está a relação das dimensões de regiões encefálicas com nossas capacidades. Einstein, por exemplo, possuía um córtex pré-frontal bastante desenvolvido. Isso se deve a neuroplasticidade resultante de suas infinitas horas de leitura ou possui uma predisposição genética que lhe permitiu uma maior capacidade associativa e de concentração? Talvez a resposta esteja em ambos os caminhos ou quem sabe nos foge ainda o conhecimento necessário para elucidar o processo. Nós nem sabemos ainda como o pensamento se inicia e a neurociência ainda tem muito o que caminhar.

Para nossa “sorte”, como meros estudantes de medicina, não nos cabe essas respostas.... Ainda. Contudo, precisamos de um conhecimento superficial de medidas corporais para avaliar nossos pacientes e não me refiro a relação da beleza com a simetria... outra teoria falha. E sim de dados antropométricos de coleta simples e usual, mas que proporciona informações importantes sobre o indivíduo se você possuir o conhecimento médico necessário para agregar.

Se você ainda acha que estou me referindo a algo complexo, surpreenderá ao saber que apenas me refiro ao peso, altura e a circunferência abdominal. Saber limites de normalidade é básico para um médico, mas esse conhecimento precisa ser adquirido em algum momento. A máxima de “ninguém nasce sabendo”. Além disso, esse conhecimento ainda se estende, pois precisa saber a semiotécnica correta para cada medida, as relações entre elas como o Índice de Massa Corpórea (IMC) e a relação cintura-quadril, e consequentemente suas relações com a obesidade. E falando em obesidade, ainda temos suas graduações: Tipo I, tipo II, tipo III... E suas classificações: Ginecóide e andróide. Estas que irão lhe auxiliar na avaliação do risco cardiovascular. Ou seja, por mais básico que seja o conteúdo, ainda há mais o que se aprofundar. Então te faço um duplo convite: assista ao vídeo em que trago além do que foi exposto aqui e, ao acabar, se puder, contribua nos comentários com outras informações que não foram levantadas no vídeo e me ajude a ampliar nossas regiões cognitivas. Combinado?

#MR SEMIOLOGIA - MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS


Agradeço a todas as contribuições, críticas e sugestões e espero também contribuir um pouco com o seu conhecimento. Então até o próximo fim de semana com um novo vídeo no Medicina Resumida  e uma ótima semana.

Academia Médica

Academia Médica

Página da redação do Academia Médica para noticiar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar