[ editar artigo]

Mortalidade da suspensão de estatinas em pacientes idosos submetidos à polifarmácia

Mortalidade da suspensão de estatinas em pacientes idosos submetidos à polifarmácia

O envelhecimento da população tem levado a um número crescente de indivíduos afetados por várias comorbidades.[2] A coexistência de múltiplos problemas de saúde, é praticamente uma regra entre os pacientes mais velhos e está associada a menor qualidade de vida[3]. Quase inevitavelmente, as comorbidades implicam na necessidade de polifarmácia. 

O uso de múltiplos medicamentos, comumente chamado de polifarmácia, é comum na população idosa com multimorbidade, pois um ou mais medicamentos podem ser usados para tratar cada condição. A polifarmácia está associada a resultados adversos, incluindo mortalidade, quedas, efeitos adversos a medicamentos, aumento do tempo de permanência no hospital e readmissão hospitalar precoce após alta .[1]

Em 1976, o microbiologista japonês Akira Endo descobriu a primeira estatina como um produto do fungo Penicillium citrinum que inibia a atividade da 3-hidroxi-3-metilglutaril coenzima A redutase (HMGCR); essa primeira molécula foi chamada de compactina.[5] Posteriormente, os pesquisadores do Laboratório de Pesquisa da Merck descobriram outro inibidor de HMGCR derivado do Aspergillus terrus que foi originalmente denominado mevinolina e mais tarde conhecido como lovastatina.[6]

As estatinas inibem a etapa crítica da síntese do colesterol em que a 3-hidroxi-3-metilglutaril coenzima A (HMGC) é transformada em mevalonato pela enzima HMGC redutase. Ao fazer isso, eles têm um potente efeito hipolipemiante que reduz o risco cardiovascular e diminui a mortalidade. Uma vez que a via do mevalonato também influencia a função endotelial, a resposta inflamatória e a coagulação, os efeitos das estatinas vão muito além de suas propriedades de redução do colesterol.[7]

No entanto, será que existe alguma relação entre a descontinuidade do tratamento com estatinas em indivíduos em uso de vários medicamentos?

Foi realizado um estudo de coorte retrospectivo de base populacional que incluiu 29047 residentes na região italiana da Lombardia com 65 anos ou mais que estavam recebendo tratamento ininterrupto com estatinas, antihipertensivos, antidiabéticos e agentes antiplaquetários de 01 de outubro de 2013 até 31 de janeiro de 2015, com acompanhamento até 30 de junho, 2018.[8] Os membros da coorte foram acompanhados para identificar aqueles que descontinuaram as estatinas. Entre este grupo, aqueles que mantiveram outras terapias durante os primeiros 6 meses após a descontinuação das estatinas tiveram um escore de propensão 1: 1 combinado com os pacientes que não descontinuaram nem as estatinas nem outras drogas.[8]

A coorte completa incluiu 29.047 pacientes expostos à polifarmácia. Destes, 5.819 (20,0%) interromperam as estatinas enquanto mantinham outros medicamentos, e 4.010 (68,9%) deles foram comparados a um comparador. No grupo descontinuado, a idade média foi de 76,5 anos, 2.405 (60,0%) eram homens e 506 (12,6%) tinham pontuações de comorbidade de múltiplas origens. No grupo de manutenção, a média de idade era 76,1 anos, 2.474 (61,7%) eram homens e 482 (12,0%) tinham pontuações de comorbidade de múltiplas origens.[8]

Em comparação com o grupo de manutenção, os pacientes no grupo de descontinuação tiveram risco aumentado de admissões hospitalares por insuficiência cardíaca (RR, 1,24; IC de 95%, 1,07-1,43) e qualquer desfecho cardiovascular (RR, 1,14; IC de 95%, 1,03-1,26), mortes por qualquer causa (RR, 1,15; IC 95%, 1,02-1,30) e admissões de emergência por qualquer causa (RR, 1,12; IC 95%, 1,05-1,19). 8

Sendo assim, os pacientes que estavam em regime de polifarmácia e interromperam o uso das estatinas, mas mantiveram as outras terapias medicamentosas foi associada a um aumento no risco de longo prazo de desfechos cardiovasculares fatais e não fatais. [8]

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. MASNOON, Nashwa et al. What is polypharmacy? A systematic review of definitions. BMC geriatrics, v. 17, n. 1, p. 1-10, 2017.

  2. HERNÁNDEZ, Belinda; REILLY, Richard B.; KENNY, Rose Anne. Investigation of multimorbidity and prevalent disease combinations in older Irish adults using network analysis and association rules. Scientific reports, v. 9, n. 1, p. 1-12, 2019.

  3. VALDERAS, J. M. et al. Defining comorbidity: Understanding health implication for and health services. Annals of Family Medicine, v. 7, n. 4, p. 357-363, 2009.

  4. Wastesson JW, Morin L, Tan ECK, Johnell K. An update on the clinical consequences of polypharmacy in older adults: a narrative review. Expert Opin Drug Saf. 2018;17(12):1185-1196. doi:10.1080/14740338.2018.1546841

  5. Endo A. A historical perspective on the discovery of statins. Proc Jpn Acad Ser B Phys Biol Sci. 2010;86:484–93.

  6. Alberts AW, Chen J, Kuron G, Hunt V, Huff J, Hoffman C, et al. Mevinolin: a highly potent competitive inhibitor of hydroxymethylglutaryl-coenzyme A reductase and a cholesterol-lowering agent. Proc Natl Acad Sci U S A I. 1980;77:3957–61.

  7. PINAL-FERNANDEZ, Iago; CASAL-DOMINGUEZ, Maria; MAMMEN, Andrew L. Statins: pros and cons. Medicina Clínica (English Edition), v. 150, n. 10, p. 398-402, 2018.

  8. ea F, Biffi A, Ronco R, et al. Cardiovascular Outcomes and Mortality Associated With Discontinuing Statins in Older Patients Receiving Polypharmacy. JAMA Netw Open. 2021;4(6):e2113186. doi:10.1001/jamanetworkopen.2021.13186

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você