[ editar artigo]

Novo microRNA é descrito para detecção de miocardite

Novo microRNA é descrito para detecção de miocardite

A miocardite aguda é a inflamação do miocárdio. Ela pode estar presente em bebês e adolescentes, mas pode ocorrer em qualquer idade. Usualmente resulta de uma doença viral; no entanto, também pode ser devido a etiologias não infecciosas. Dada a sua apresentação clínica variável, o diagnóstico frequentemente é perdido, dificultando a quantificação da verdadeira incidência de miocardite aguda. Mas a despeito de sua epidemiologia ela é uma fonte significativa de morbidade e mortalidade.¹

Atualmente os métodos diagnósticos mais usados para a detecção de miocardite são: biópsia endomiocárdica e a ressonância magnética. Contudo, a biópsia se torna um procedimento invasivo, e a ressonância magnética não tem uma disponibilidade capaz de suprir as demandas de todos os pacientes que necessitam deste exame. Tendo isso em vista, abordagens adicionais para o diagnóstico são necessárias. E este é o objetivo de um estudo que identificou um novo microRNA para o diagnóstico de miocardite aguda.

Mas como isso foi feito?

Para identificar um microRNA específico para miocardite, foram realizadas análises de microarray e ensaios quantitativos de reação em cadeia da polimerase (qPCR) em células T CD4 + e células T auxiliares tipo 17 (Th17) após induzir miocardite autoimune experimental ou infarto do miocárdio em camundongos, em seguida foi identificado o homólogo humano para esse microRNA e comparado a sua expressão no plasma obtido de pacientes com miocardite aguda com a expressão em grupo controle.²

A partir desta análise foi constatado que as células Th17, caracterizadas pela produção de interleucina-17, são uma característica da lesão miocárdica na fase aguda da miocardite. O microRNA mmu-miR-721 foi sintetizado por células Th17 e estava presente no plasma de camundongos com miocardite aguda autoimune ou viral, mas não naqueles com infarto agudo do miocárdio.

O homólogo humano, designado hsa-miR-Chr8: 96, foi identificado em quatro coortes independentes de pacientes com miocardite. A área sob a curva de característica de operação do receptor para este novo microRNA para distinguir pacientes com miocardite aguda daqueles com infarto do miocárdio foi de 0,927 (intervalo de confiança de 95%, 0,879 a 0,975). O microRNA manteve seu valor diagnóstico em modelos após ajuste para idade, sexo, fração de ejeção e nível de troponina sérica.²

Depois de identificar um novo microRNA em camundongos e humanos com miocardite, descobriu-se que o homólogo humano (hsa-miR-Chr8: 96) poderia ser usado para distinguir pacientes com miocardite daqueles com infarto agudo do miocárdio.²


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. AL-AKCHAR, Mohammad; KIEL, John. Acute Myocarditis. StatPearls [Internet], 2020.

  2. BLANCO-DOMÍNGUEZ, Rafael et al. A Novel Circulating MicroRNA for the Detection of Acute Myocarditis. New England Journal of Medicine, v. 384, n. 21, p. 2014-2027, 2021.

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você