{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
O que o acadêmico de medicina posta nas redes sociais prejudica a privacidade dos pacientes?
[editar artigo]

O que o acadêmico de medicina posta nas redes sociais prejudica a privacidade dos pacientes?

O que o acadêmico de medicina posta nas redes sociais prejudica a privacidade dos pacientes?

Muitos de nós utilizamos as redes sociais, para divulgar nossos pensamentos e ideias. A linha tênue que separa a vida profissional da pessoal, entretanto, é difícil de determinar, principalmente quando se trata da ética e da confidencialidade médico-paciente.

A revista Time Health and Family trouxe um artigo que trata deste delicado tema: As postagens dos estudantes de medicina prejudicam a privacidade dos pacientes?

Perfis pessoais no Facebook e outros sites de redes sociais são um tesouro de fotografias inapropriadas e constrangedoras e violações desconcertantes de confidencialidade. Você pode esperar isso de seus amigos e até mesmo de alguns colegas - mas o que acontece com você, doutor?

Uma nova pesquisa com reitores de escolas médicas encontrou que existem condutas não profissionais em blogs e sites de redes sociais, e isso é comum entre os estudantes de medicina. Embora estes compreendam plenamente de leis de conficialidade médico-paciente e são doutourandos nos elevados padrões éticos pra a realização de sua profissão de jaleco branco, entretanto, muitos deles usam as redes sociais para descrever e discutir comportamento lascivo e má conduta sexual, fazer declarações discriminatórias e discutir casos de pacientes violando as leis de confidencialidade, de acordo com a pesquisa, que foi publicada no Journal of American Association. Oitenta reitores de escolas médica foram questionados, 60% deles relataram incidentes envolvendo postagens profissionais e 13% admitiram que os incidentes  violaram a privacidade do paciente. Algumas transgressões levaram à expulsão de acadêmicos da escola.

"Eu não esperava encontrar tantos incidentes de conduta profissional", diz o Dr. Katherine Chretien, diretora de medicina estágio no Washington, DC, Veterans Administration Hospital e principal autora do estudo. Como uma médica responsável por aconselhar os estudantes de medicina e residentes, Chretien assumiu que os alunos foram "educados sobre a conduta profissional on-line e utilizar melhor julgamento."

Os estudantes de medicina, ao que parece, não são diferentes dos demais, quando se trata de postar fotos bêbados em uma festa ou twittar sobre suas vidas diárias, acontecimentos e reflexões – por mais inadequados que possam ser. Muitos alunos sentem que têm o direito de postar o que quiserem em seus perfis pessoais, afirmando que a informação é de fato pessoal e não estão sujeitas às mesmas políticas e diretrizes que regem o seu comportamento profissional no campus. Embora os estudantes de medicina concordem que os médicos - e outros profissionais, como professores - devem ser mantidos a um padrão mais elevado de integridade por parte da sociedade. Um novo estudo sugere que eles estão confusos com como as regras se aplicam, especialmente no ciberespaço, uma vez que estão sem seu jaleco branco. "Eles vêem suas páginas do Facebook como sua personalidade na Internet", diz o Dr. Neil Parker, reitor associado sênior para assuntos estudantis para a educação médica pós-graduação na David Geffen School of Medicine da UCLA. "Eles acham que é algo apenas para seus amigos, mesmo que o perfil não seja privado."

Essa atitude é, em grande parte determinada pela idade, diz Parker. Nos grupos com alunos, professores, administradores e funcionários, a escola encontrou uma divisão geracional clara entre aqueles que tendem a borrar a linha entre a vida pessoal e profissional, e aquelas que não o fazem. Os alunos mais novos eram mais prováveis ​​do que os funcionários mais antigos a acreditar que seus pensamentos e opiniões eram válidos para publicar on-line, independentemente do seu impacto potencialmente prejudicial ou discriminatório sobre os outros.

A questão é especialmente relevante quando se trata de discutir casos de pacientes. Leis proíbem médicos de falar sobre pacientes em uso de informações individualmente identificáveis​​. No entanto, como observa Chretien, compartilhando experiências de assistência ao paciente pode ser uma ferramenta de aprendizagem útil e poderosa para estudantes de medicina que incentiva "reflexão, empatia e compreensão", ela escreve no artigo. Apesar de discutir as suas experiências on-line pode ser permitido, os alunos devem estar cientes de que as informações de identificação não se limitam aos nomes dos pacientes e que a divulgação de outras características e detalhes, muitas vezes viola as leis de privacidade do paciente.

É esse tipo de educação que as escolas de medicina precisam incluir mais em seus currículos, diz Chretien. Garantir que os alunos estão conscientes de configurações de privacidade em sites de redes sociais é outro tipo. Na UCLA, Parker atribuiu uma força-tarefa, que inclui os alunos, para elaborar diretrizes que os alunos possam seguir na tomada de decisões sobre o que postar e o que manter para si. "Vai ser difícil", diz ele. "A maioria dos alunos querem educação e orientações, mas não políticas. É uma cultura diferente. Sempre dizemos que temos de ser sensíveis à cultura aos nossos pacientes, mas temos de ser sensíveis à cultura aos nossos alunos, também”.

Adaptado de Time Health and Family

Fonte: http://forum.facmedicine.com

http://healthland.time.com/

Fernando Carbonieri

Fernando Carbonieri

Fundador da comunidade Academia Médica, que desde 2012 tem o intuito de expandir os horizontes falando o que a faculdade esqueceu de nos contar.

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Artigos relacionados

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar