[ editar artigo]

Passei em medicina, e agora?

Passei em medicina, e agora?

Enfim chegou a tão sonhada aprovação em medicina. Depois de tantas horas de estudos e abdicações de lazeres, o que sempre almejou se tornou real. Mas, e agora? Parece tudo confuso, um novo mundo, novas possibilidades, um turbilhão de pensamentos e sentimentos. Que ansiedade, não é mesmo?

Por ter sentido tudo o que você talvez esteja sentindo nesse momento, dedico esse texto a você: calouro de medicina. Aqui quero te escrever “dicas” (ou simplesmente opiniões que eu queria ter recebido antes de iniciar minha jornada) para que você encare essa nova realidade de uma forma mais leve, porque, não querendo ser má, a faculdade também pesa, e, com isso, a nossa saúde mental fica em jogo.

No artigo “Saúde mental dos estudantes de medicina brasileiros: uma revisão sistemática da literatura” vemos que, em relação à população em geral, médicos e acadêmicos de medicina apresentam taxas mais elevadas de tentativas de suicídio e ideações suicidas, bem como de sofrimento e esgotamento psíquico. Isso é alarmante, uma vez que nós nos preparamos para lidar com vidas e não estamos cuidando com mais cautela e carinho da nossa própria.

Além disso, ainda precisamos nos atentar aos fatores estressantes que somos expostos enquanto estudantes, que, segundo o artigo, engloba a carga horária longa e intensa, a vida pessoal versus a acadêmica, o medo de cometer erros com os pacientes, a privação do sono e a competitividade entre alunos.

Por isso, precisamos nos atentar à nova realidade para que a faculdade de medicina não perca o posto de realização de um sonho e se torne o início de um pesadelo.

Então vamos lá para as 3 Dicas da Rebecca (novo quadro no ar, galera):

1) A faculdade não é como a escola/cursinho

Parece algo óbvio, mas é necessário falarmos sobre isso. Bom aluno, dedicado, sempre um dos melhores da sala, notas altas e facilidade em aprender. Acredito que, por muito tempo, na escola, essa tenha sido a realidade de muitos. Já no cursinho, por conta da correria para estudar e dar conta de toda matéria, juntamente com a sensação de despreparo, pensamos em como será bom quando estudarmos aquilo de que realmente gostamos (isso seria um adeus para física e seus lindos bloquinhos, desculpe exatas sempre fui péssima).

De repente, chegamos na faculdade e nos deparamos com o ciclo básico. Percebemos que temos que entender como se forma cada pedaço do nosso corpo (oi, querida embriologia) e, também, o metabolismo de tudo que ingerimos ou que o corpo produz (essa vai para você, bioquímica). “Caramba! Onde eu fui me meter? Não era nada do que eu imaginava”.

Calma, nem sempre estudaremos o que gostamos, e sim, muitas matérias podem ser penosas, mas isso não significa que aquele aluno bom, dedicado e com notas altas fracassou. Entenda a fase, entenda que é algo diferente daquilo que vimos no ensino médio, e o que vimos lá estará mais aprofundado aqui (você vai se lembrar disso quando vir o Ciclo de Krebs). Tudo bem não ir tão bem como você está acostumado, não é apenas o conteúdo que faz um bom médico, e saiba que é apenas o começo da trajetória que trilhará nos próximos 6 anos.

Cobre-se menos, você está em adaptação.

2) Faça amigos

Ok, Rebecca, agora você acha que está falando com crianças?

Eu sei que parece bobeira essa frase, porém, temos que lembrar que na escola/cursinho (principalmente nesse último) somos ensinados que a pessoa que está sentada ao nosso lado é nosso concorrente.

Quando entramos na faculdade com a mentalidade de competitividade não conseguimos usufruir dela corretamente, isso porque estamos ligados à uma ideia de que para ser alguém precisamos ser melhores do que os outros. Você pode até achar que não age assim, no entanto, depois de algum tempo sendo motivado a pensar dessa forma, tenho quase certeza de que você se compara com os outros sem perceber, e, assim, inicia uma autossabotagem, e ela nos leva a pensar que para sermos bons médicos devemos ser melhores do que aqueles que consideramos nossos concorrentes.

Posso te dizer uma coisa ótima? Não precisamos pensar dessa forma, há lugar para todos. Troque concorrentes por colegas de profissão e sua faculdade se tornará bem mais leve de se viver.

Amigos de faculdade (principalmente a nossa em que passamos 6 anos juntos) são levados por muito tempo em nossa vida. Com eles nos juntamos para estudar aquela matéria complicada, choramos, rimos, vivemos o nosso dia a dia em tempo integral. Portanto, fica a dica: faça amigos!

3) Estude com limites

Vou te contar um segredo: a sua vida não se resume à medicina. “Ah, mas eu lutei tanto para estar aqui e agora preciso estudar mais porque é uma faculdade muito difícil”. Sim, é uma faculdade difícil, mas não torne sua vida difícil por conta da faculdade.

Tenha equilíbrio. Faça atividades físicas (já dizia o poeta Juvenal: “corpo são, mente sã), durma bem, saia com os amigos, coma corretamente (essa vai principalmente para quem mora sozinho e precisa cozinhar), leia livros fora dos de faculdade, tenha hobbies ou continue praticando os antigos (gosta de cantar? Cante quando estiver cansado, dance, jogue bola, assista seriado), mas, por favor, não pare sua vida por uma faculdade.

Pratique o autocuidado.

Estude bastante sim (até porque não temos muito como correr disso), contudo, lembre-se de que você não é e não deve tentar ser um robô. Saiba aproveitar corretamente cada momento da sua vida. Nos momentos de estudar, dê seu melhor, e nos momentos de descanso, também.

Por fim, quero dizer: BEM-VINDOS, CALOURINHOS!

Aproveitem essa nova viagem e contem comigo para o que precisarem! Bom voo.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 210 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

Ludmila de Souza et al. Saúde mental dos estudantes de medicina brasileiros: uma revisão sistemática da literatura. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 24, n. 3, p. 785-802, Dec. 2019. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772019000300785&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Jan. 2021. Epub Dec 09, 2019. https://doi.org/10.1590/s1414-40772019000300012.

 

Academia Médica
Rebecca Lumy Nunes Yoshikawa
Rebecca Lumy Nunes Yoshikawa Seguir

Acadêmica de medicina do Centro Universitário de Pato Branco (UNIDEP). Apaixonada pela arte que é a medicina e pela grandiosidade que é a vida!

Ler conteúdo completo
Indicados para você