{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Presidente da AMB sem censura no Roda Viva
[editar artigo]

Presidente da AMB sem censura no Roda Viva

 

Em uma entrevista descontraída e cheia de verdades, Florentino Cardoso - Presidente da Associação Médica Brasileira - falou no Programa "Roda Viva", da TV Cultura, sobre as mazelas da saúde pública e revelou a opinião da AMB sobre o programa Mais Médicos, além de outros assuntos ligados à medicina no país. A entidade científica dos médicos brasileiros move ações judiciais contra o Governo e o Programa.

Estavam presentes na roda, Cláudia Colucci repórter especial da Folha, Cristiane Cegato repórter especial da revista Época, , Cláudio Lottemberg presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Davi oliveira de souza ex-diretor da organização Médicos Sem Fronteiras, Martin de Almeida Sampaio - Diretor de Direitos Humanos da OAB-SP.

O #MaisMédicos domina a cena, mas o Presidente da Associação Médica Brasileira falou também sobre:

  • Não restrição ao trabalho do médico que formou no exterior desde que possua revalida;
  • maquiagem do caráter de pós-graduação em medicina de família;
  • O porque da ausência de médicos nas periferias e cidades afastadas;
  • Relação entre prefeitos e médicos;
  • Situação da medicina da família no Brasil e a falta de valorização desse profissional pelo Governo;
  • Ausência de vínculo trabalhista para médicos;
  • O caráter escravo do trabalho do médico cubano do programa;
  • Inconstitucionalidade do programa;
  • Carreira estatal para o médico da atenção básica;
  • Despotismo do Governo na criação de programas de acesso à saúde;
  • Propostas da classe médica para a melhora da saúde;
  • Quantidade de faculdades de medicina no Brasil;
  • O ato médico aprovado no ano passado;
  • Má gestão, corrupção e subfinanciamento como os maiores problemas da saúde
  • Caráter eleitoreiro da Saúde no País

Além disso, foi discutido durante o programa as qualidades e incapacidades do SUS. A falta de interação entre o sistema público e privado, a ineficiência do Estado estatizado.

Outra questão abordada foi o incentivo da indústria e o conflito de interesses com os protocolos das diversas especialidades médicas no mundo inteiro.

Mais do que um problema nacional, o programa foi uma aula sobre os interesses das diversas esferas (Governo, público, privado, eleitoreiro, judicial, e industrial) no sistema de saúde. Foi questionado também a ação da Agencia Nacional de Saúde (ANS) sobre as operadoras de saúde e como estas doutrinam a prática médica através dos gastos apenas.

Uma crítica minha (Fernando Carbonieri) à postura adotada pela AMB é o completo descaso sobre a necessidade do recém formado trabalhar. A AMB, assim como sindicatos e conselhos, segrega aqueles que precisam entrar no mercado de trabalho para começar sua autonomia financeira. Muitos dos recém formados (assim como eu), saem das faculdades com uma grande dívida com o FIES ou outros sistemas de financiamento, tendo que pagar quantias que beiram os 2000 reais mensais. Ademais creio que a fala do presidente da AMB foi correta e compatível com o nebuloso cenário que a saúde e a medicina brasileira está inserida.

Gostaríamos da sua opinião! Deixe-a logo abaixo.

 

 

Fernando Carbonieri

Fernando Carbonieri

Fundador da comunidade Academia Médica, que desde 2012 tem o intuito de expandir os horizontes falando o que a faculdade esqueceu de nos contar.

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Artigos relacionados

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar