[ editar artigo]

Presidente da AMB sem censura no Roda Viva

Presidente da AMB sem censura no Roda Viva

 

Em uma entrevista descontraída e cheia de verdades, Florentino Cardoso - Presidente da Associação Médica Brasileira - falou no Programa "Roda Viva", da TV Cultura, sobre as mazelas da saúde pública e revelou a opinião da AMB sobre o programa Mais Médicos, além de outros assuntos ligados à medicina no país. A entidade científica dos médicos brasileiros move ações judiciais contra o Governo e o Programa.

Estavam presentes na roda, Cláudia Colucci repórter especial da Folha, Cristiane Cegato repórter especial da revista Época, , Cláudio Lottemberg presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Davi oliveira de souza ex-diretor da organização Médicos Sem Fronteiras, Martin de Almeida Sampaio - Diretor de Direitos Humanos da OAB-SP.

O #MaisMédicos domina a cena, mas o Presidente da Associação Médica Brasileira falou também sobre:

  • Não restrição ao trabalho do médico que formou no exterior desde que possua revalida;
  • maquiagem do caráter de pós-graduação em medicina de família;
  • O porque da ausência de médicos nas periferias e cidades afastadas;
  • Relação entre prefeitos e médicos;
  • Situação da medicina da família no Brasil e a falta de valorização desse profissional pelo Governo;
  • Ausência de vínculo trabalhista para médicos;
  • O caráter escravo do trabalho do médico cubano do programa;
  • Inconstitucionalidade do programa;
  • Carreira estatal para o médico da atenção básica;
  • Despotismo do Governo na criação de programas de acesso à saúde;
  • Propostas da classe médica para a melhora da saúde;
  • Quantidade de faculdades de medicina no Brasil;
  • O ato médico aprovado no ano passado;
  • Má gestão, corrupção e subfinanciamento como os maiores problemas da saúde
  • Caráter eleitoreiro da Saúde no País

Além disso, foi discutido durante o programa as qualidades e incapacidades do SUS. A falta de interação entre o sistema público e privado, a ineficiência do Estado estatizado.

Outra questão abordada foi o incentivo da indústria e o conflito de interesses com os protocolos das diversas especialidades médicas no mundo inteiro.

Mais do que um problema nacional, o programa foi uma aula sobre os interesses das diversas esferas (Governo, público, privado, eleitoreiro, judicial, e industrial) no sistema de saúde. Foi questionado também a ação da Agencia Nacional de Saúde (ANS) sobre as operadoras de saúde e como estas doutrinam a prática médica através dos gastos apenas.

Uma crítica minha (Fernando Carbonieri) à postura adotada pela AMB é o completo descaso sobre a necessidade do recém formado trabalhar. A AMB, assim como sindicatos e conselhos, segrega aqueles que precisam entrar no mercado de trabalho para começar sua autonomia financeira. Muitos dos recém formados (assim como eu), saem das faculdades com uma grande dívida com o FIES ou outros sistemas de financiamento, tendo que pagar quantias que beiram os 2000 reais mensais. Ademais creio que a fala do presidente da AMB foi correta e compatível com o nebuloso cenário que a saúde e a medicina brasileira está inserida.

Gostaríamos da sua opinião! Deixe-a logo abaixo.

 

 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você