[ editar artigo]

Ressonância magnética em ambulâncias: é possível?

Ressonância magnética em ambulâncias: é possível?

Pacientes com acidente vascular cerebral agudo podem ter resultados de incapacidade ponderados melhores quando são atendidos em ambulâncias com funcionários e tomógrafo computadorizado, unidades móveis de acidente vascular cerebral (MSUs) do que através de gerenciamento padrão por serviços médicos de emergência (EMS).

Esse resultado favorável está associado à elegibilidade do paciente para o tratamento mais rápido com ativador de plasminogênio tecidual (t-PA), e é a conclusão do estudo Teste Prospectivo, Multicêntrico e Controlado de Unidades Móveis de AVC, de autoria de James C. Grotta e equipe.

Publicado no periódico The New England Journal of Medicine, o artigo ressalta que não foi extensivamente estudado se e quanto as unidades móveis de acidente vascular cerebral alteram os resultados.

O estudo foi observacional, prospectivo e multicêntrico. Foram inscritos 1.515 pacientes, dos quais 1.047 eram elegíveis para receber t-PA. Destes, 617 foram atendidos pela MSU e 430 pela EMS. A mortalidade em 90 dias foi de 8,9% no grupo MSU e 11,9% no grupo EMS.

O tempo médio desde o início do acidente vascular cerebral até a administração de t-PA foi de 72 minutos no grupo MSU e 108 minutos no grupo EMS. Dos pacientes elegíveis para t-PA, 97,1% no grupo MSU receberam t-PA, em comparação com 79,5% no grupo EMS.

A pontuação média na escala de Rankin modificada ponderada pela utilidade em 90 dias em pacientes elegíveis para t-PA foi de 0,72 no grupo MSU e 0,66 no grupo EMS (razão de chances ajustada para uma pontuação ≥0,91, 2,43; intervalo de confiança de 95% [CI], 1,75 a 3,36; P <0,001).

Entre os pacientes elegíveis para t-PA, 55,0% no grupo MSU e 44,4% no grupo EMS tiveram pontuação de 0 ou 1 na escala de Rankin modificada em 90 dias. Entre todos os pacientes inscritos, a pontuação média na escala de Rankin modificada ponderada pela utilidade na alta foi de 0,57 no grupo MSU e 0,51 no grupo EMS (razão de chances ajustada para uma pontuação ≥0,91, 1,82; IC 95%, 1,39 a 2,37 ; P<0,001). 

Fonte

https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMoa2103879#article_citing_articles

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você