[ editar artigo]

Sensibilidade: dos receptores celulares até a psique

Sensibilidade: dos receptores celulares até a psique

Sensibilidade é a capacidade de perceber. Sentir estímulos, intensidade, forma, duração e quem sabe ao fim, reagirmos de acordo com nossa percepção.

Desde nossas ações até a maquinaria bioquímica celular, a sensibilidade é quem comanda a batuta. Um fluxo de estímulos, esse poderia ser um verbete no dicionário que definiria o viver. Durante o cotidiano, ao longo das refeições, das relações e das decisões, os estímulos se apresentam e cabe à nossa sensibilidade reger os momentos.

Por vezes, situações dificílimas se impõem e ficamos acuados, rápidos e violentos como uma avalanche, essas problemáticas se chocam com nossa sensibilidade e mudam toda nossa dinâmica interna. Questões dolorosas ao longo de uma vida inteira, de tanto estarem presentes, podem também atenuar, como se aprendêssemos a lidar com aquela situação de estresse e com o passar do tempo, nos afetássemos cada vez menos e seriam necessários estresses maiores para nos azucrinar.

Também pode acontecer dos problemas sumirem. Aquilo que já nos estressava e mudava nosso funcionamento diário, desapareceu. Logo após vem a sensação de retomar a normalidade, entretanto, uma vez sensibilizado um próximo reencontro não será igual. Caso aquela situação de incômodo reapareça, nossa reação é intensa e colérica, como se aquele problema tivesse deixado resquícios latentes de aborrecimento.

A sensibilidade tem como o maior princípio o tempo a que ficamos expostos a algo. O tempo pode ser curativo em vários aspectos, outrora poderíamos estar insensíveis a certas demonstrações de afeto, a ausência aos poucos desmonta a insensibilidade e a volta desse estímulo demonstra seu real potencial.

O maestro dessa orquestra tem a estranha redundância de funcionar da mesma forma desde a interação bioquímica receptor-ligante, até as relações humanas.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Academia Médica
Medicina em Crônicas - Elomar R. Moura
Medicina em Crônicas - Elomar R. Moura Seguir

Olá! Sou Elomar R. Moura (@medicinaemcronicas), 22 anos, de Aracaju - SE. Estudante de medicina da Universidade Tiradentes (UNIT) - SE. Um apaixonado pela literatura que escreve reflexões sobre a medicina tanto na sua prática, como na sua simbologia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você