[ editar artigo]

Telerreabilitação para doenças respiratórias crônicas

Telerreabilitação para doenças respiratórias crônicas

A reabilitação pulmonar é uma intervenção comprovada e eficaz para pessoas com doenças respiratórias crônicas, incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença pulmonar intersticial (DPI) e bronquiectasia. No entanto, relativamente poucas pessoas participam ou concluem um programa, devido a fatores como a falta de programas, problemas associados a viagens e transporte e outros problemas de saúde. Tradicionalmente, a reabilitação pulmonar é realizada em regime de ambulatório em um hospital ou outra unidade de saúde (referida como reabilitação pulmonar baseada em centro). Modos alternativos mais recentes de reabilitação pulmonar incluem modelos domiciliares e o uso de telessaúde.

A telerreabilitação é a prestação de serviços de reabilitação à distância, utilizando tecnologias de informação e comunicação. Até o momento, não houve uma avaliação abrangente da eficácia clínica ou segurança da telerreabilitação, ou sua capacidade de melhorar a captação e o acesso aos serviços de reabilitação, para pessoas com doença respiratória crônica. Com esse objetivo uma revisão da Chocrane Library foi desenvolvida para determinar a eficácia e segurança da telerreabilitação para pessoas com doenças respiratórias crônicas.

Metodologia utilizada

Os pesquisadores utilizaram o Cochrane Airways Trials Register e o Cochrane Central Register of Controlled Trials; seis bancos de dados, incluindo MEDLINE e Embase; e três registros de ensaios, até 30 de novembro de 2020. Verificaram as listas de referência de todos os estudos incluídos para referências adicionais e pesquisaram manualmente os periódicos respiratórios relevantes e os resumos de reuniões.

Critério de seleção

Foram incluídos todos os ensaios clínicos randomizados e ensaios clínicos controlados de telerreabilitação para a entrega de reabilitação pulmonar foram elegíveis para inclusão. A intervenção de telerreabilitação foi exigida para incluir treinamento físico, com pelo menos 50% da intervenção de reabilitação sendo entregue por telerreabilitação.

Resultados

No total foram incluídos 15 estudos com 1904 participantes, usando cinco modelos diferentes de telerreabilitação. Quase todos (99%) os participantes tinham doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Três estudos foram ensaios clínicos controlados.

Para a reabilitação pulmonar primária, provavelmente houve pouca ou nenhuma diferença entre a telerreabilitação e a reabilitação pulmonar pessoal para a capacidade de exercício medida como distância de caminhada de 6 minutos (DTC6) (diferença média (MD) 0,06 metros (m), intervalo de confiança de 95% ( IC) ‐10,82 ma 10,94 m; 556 participantes; quatro estudos; evidência de certeza moderada). Também pode haver pouca ou nenhuma diferença para a qualidade de vida medida com o escore total do Questionário Respiratório de St George (SGRQ) (MD ‐1,26, IC de 95% ‐3,97 a 1,45; 274 participantes; dois estudos; evidência de baixa certeza), ou para falta de ar no escore de domínio de dispneia do Chronic Respiratory Questionnaire (CRQ) (MD 0,13, IC de 95% ‐0,13 a 0,40; 426 participantes; três estudos; evidência de baixa certeza).

Os participantes eram mais propensos a concluir um programa de telerreabilitação, com uma taxa de conclusão de 93% (IC 95% 90% a 96%), em comparação com uma taxa de conclusão de 70% para a reabilitação pessoal. Quando comparados a nenhum controle de reabilitação, os ensaios de telerreabilitação primária podem aumentar a capacidade de exercício na DTC6 (MD 22,17 m, IC 95% -38,89 m a 83,23 m; 94 participantes; dois estudos; evidência de baixa certeza) e também podem aumentar a DTC6 quando entregue como reabilitação de manutenção (MD 78,1 m, IC 95% 49,6 ma 106,6 m; 209 participantes; dois estudos; evidência de baixa certeza). Nenhum efeito adverso da telerreabilitação foi observado além de qualquer um relatado para a reabilitação pessoal ou nenhuma reabilitação.

Conclusões dos autores

Esta revisão sugere que a reabilitação pulmonar primária, ou reabilitação de manutenção, fornecida por meio de telerreabilitação para pessoas com doença respiratória crônica, atinge resultados semelhantes aos da reabilitação pulmonar baseada em centros tradicionais, sem problemas de segurança identificados. No entanto, as evidências fornecidas por esta revisão é limitada pelo pequeno número de estudos, de modelos variados de telerreabilitação, com relativamente poucos participantes. Pesquisas futuras devem considerar o efeito clínico da telerreabilitação para indivíduos com doenças respiratórias crônicas diferentes da DPOC, a duração do benefício da telerreabilitação além do período da intervenção e o custo econômico da telerreabilitação.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

Cox  NS, Dal Corso  S, Hansen  H, McDonald  CF, Hill  CJ, Zanaboni  P, Alison  JA, O'Halloran  P, Macdonald  H, Holland  AE. Telerehabilitation for chronic respiratory disease. Cochrane Database of Systematic Reviews 2021, Issue 1. Art. No.: CD013040. DOI: 10.1002/14651858.CD013040.pub2. Accessed 06 February 2021.

Texto elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você