[ editar artigo]

Trabalhando com o Dr. Google

Trabalhando com o Dr. Google

Nos últimos anos, houve uma mudança geral na relação de poder entre médicos e pacientes. Houve o surgimento do paciente expert que, como expõe o estudo intitulado "A internet, o paciente expert e a prática médica: uma análise bibliográfica", da Ensp/Fiocruz, sob a tutela da Dra Helena Beatriz da Rocha Garbin:

"um paciente que busca informações sobre diagnósticos, doenças, sintomas, medicamentos e custos de internação e tratamento. O fato de ter acesso à quantidade de informações disponíveis na internet, independente de sua veracidade, pode fazer com que este paciente esteja potencialmente menos disposto a acatar passivamente as determinações médicas". 

O médico, todavia, muitas vezes ainda se comporta como único detentor do conhecimento, o que põe em xeque a relação médico-paciente estabelecida.

O Código de Ética Médica, em sua nova edição, expressa nos artigos XXI (Princípios Fundamentais) e nos artigos XIII, XXIV e XXXIV (Responsabilidade Profissional)  a necessidade de tomada de decisão em conjunto com o paciente, assim como o esclarecimento sobre a afecção que o acomete.*

Muitas vezes isso acaba não acontecendo devido a inúmeros motivos, sendo a maioria deles eticamente injustificáveis. Para contornar a falta de informação, os pacientes e familiares recorrem à internet para diminuir a angústia gerada pela ignorância sobre o estado atual de sua saúde.

O tão falado Dr. Google supre o doente com uma enxurrada de informações que podem ser corretas (fontes oficiais e sites idôneos),  incompletas, contraditórias, incorretas ou até fraudulentas. O que ele muitas vezes provoca é a desconfiança de que não falamos tudo para o paciente ou que estamos errados sobre aquela patologia ou seu tratamento.

Isso acontece devido à falta de sensibilidade médica que um texto, uma notícia ou um blog possuem. Quando o paciente procura algo sobre sua doença na internet, o que ele encontra é toda a informação disponível sobre o assunto. Ou seja, desespero completo, pois todas as apresentações possíveis da afecção são ingeridas e, infelizmente, não digeridas. Nem o paciente, nem o texto que ele leu frequentaram a escola de Medicina, portanto a informação acaba se tornando prejudicial sem o juízo de valores que o médico, apenas, pode dar.

O que gostaria de propor com essa publicação é que orientemos o paciente a usar fontes confiáveis, que melhorem o entendimento de sua doença sem causar esse desespero para o paciente. O que proponho aqui é uma prescrição de informação,  com indicação de sites com linguagem simples e conteúdo correto sobre as diversas enfermidades que afligem nossos pacientes. Com isso será possível para os colegas criar um portfólio para fornecer a seus respectivos clientes.

Por enquanto, temos um sério problema para população brasileira. Ainda encontramos poucos sites idôneos escritos em português. Uma alternativa é usar vídeos traduzidos do Youtube para esse fim.

Sugestões de fontes de informação

Nucleus Medical Animation 

Nesse canal encontramos vídeos que demonstram a fisiologia da ovulação, a fisiopatologia da aterosclerose, TVP e embolia pulmonar, e também procedimentos cirúrgicos como a revascularização do miocárdio, a artroplastia total de quadril, a colecistectomia, entre outros. O site em inglês www.nucleusinc.com é muito mais completo e possui ferramentas valiosas para indicar para seus pacientes, para utilizar no consultório ou para elaborar uma aula.

THE VISUAL MD

Nesse site encontramos vídeos, animações e aulas bastante completas indicadas para informar leigos e até profissionais da saúde sobre inúmeras patologias. Infelizmente, não há nenhuma tradução dos vídeos ou dos slides para o português sendo, portanto,  indicado apenas para aqueles pacientes que têm boa compreensão da língua inglesa, ou que possuam algum familiar com tal habilidade para traduzir e acompanhar as informações junto com o cliente.

Você tem alguma sugestão de fonte de informação?

 

Veja também:
Links de sites e reportagens de revistas e jornais

 

*ARTIGOS DO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CITADOS NO TEXTO

XXI – No processo de tomada de decisões profissionais, de acordo com seus ditames de consciência e as previsões legais, o médico aceitará as escolhas de seus pacientes, relativas aos procedimentos diagnósticos e terapêuticos por eles expressos, desde que adequadas ao caso e cientificamente reconhecidas.

É vedado ao médico:

Art. 13. Deixar de esclarecer o paciente sobre as determinantes sociais, ambientais ou profissionais de sua doença.

Art. 24. Deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar, bem como exercer sua autoridade para limitá-lo.

Art. 34. Deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a  comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 120 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você