[ editar artigo]

Transtorno do Espectro Autista e genialidade: regra ou exceção?

Transtorno do Espectro Autista e genialidade: regra ou exceção?

Uma pequena parcela de pessoas com transtorno do espectro autista (TEA) desenvolve uma espécie de “genialismo”. Personagens fictícios como o Dr. Murphy, de "The Good Doctor" e Samuel, retratado na série "Atypical", são ilustrações de indivíduos que possuem certo grau do espectro e são considerados gênios. Ou seja, pessoas muito inteligentes que possuem habilidades extraordinárias. 

Mas, afinal, isso seria uma regra ou uma exceção?

Essa condição especial de autismo com inteligência acima da média não é regra, na verdade, a maioria dos portadores de TEA tem uma inteligência deficitária e um quociente de inteligência (QI) abaixo da média. No entanto, alguns estudos demonstram que em torno de 1 a 10 pessoas com TEA podem ter a Síndrome de Savant, também chamada de "síndrome do sábio", antigamente chamada de "síndrome da sábio-idiota", pois era comum que pessoas autistas, mesmo incapacitadas em várias coisas, conseguissem realizar outras extraordinárias (como lembrar números e cálculos extremamente complexos) (RABELO, 2020).

O que é a Síndrome de Savant?

Embora rara, a condição é descrita na literatura médica há muito tempo. O primeiro registro que se tem ideia data de 1789, feito pelo pai da psiquiatria americana, Benjamin Rush, quando o estudioso descreveu o caso incomum de Thomas Fuller, que demonstrava uma grande habilidade de fazer cálculos, mesmo que não soubesse quase nada de matemática. Ao longo do tempo, pesquisadores chegaram à conclusão que a Síndrome de Savant poderia ser mais complexa que se imaginava. Se de um lado, a pessoa apresenta talentos incríveis; do outro, ela mostra limitações que afetam, na maioria dos casos, seu poder de comunicação. A condição ocasiona em déficits intelectuais na vida dos indivíduos (NEUROSABER, 2017).

Pessoas com síndrome de Savant são caracterizadas por seu talento notável em um ou mais domínios (por exemplo, memória, música, arte, matemática), mas também pela presença de alguma forma de condição de desenvolvimento, como condições de espectro de autismo. Não há consenso sobre exatamente como as habilidades sábias são usadas em pacientes TEA. Alguns estudos mostram que os savants não possuem diferenças na inteligência padrão em comparação com outros indivíduos portadores de TEA. Portanto, pode ser que suas habilidades se desenvolvam simplesmente por meio de muitas horas de prática prolongada. Dessa forma, é importante explorar ainda mais como esses fatores podem influenciar como diferentes habilidades, que podem ser um próximo passo importante na nossa compreensão das habilidades sábias. Então, o que acontece, como algumas vezes, alguns TEA (principalmente graus mais leves) podem ter um QI normal ou elevado, e ainda desenvolver a síndrome de Savant, demonstrando habilidades além do normal (RABELO, 2020).

Três tipos  são considerados:

  • Os prodígios sábios têm grandes habilidades que se destacam em todas as áreas do QI, são raros, na verdade, considera-se que pode haver menos de 25 casos em todo o mundo.
  • Os talentosos sábios têm habilidades incríveis, mas também têm grandes deficiências em outras áreas cognitivas.
  • Os savants menores possuem algumas habilidades concretas e peculiares, mas limitadas, além de disfunções em outras áreas cognitivas.

Quais são as habilidades provenientes da Síndrome de Savant?

Interessante notar que nos casos de TEA, algumas características podem ser percebidas com mais facilidade. O pesquisador norte-americano Bernard Rimland, do Autism Research Institute (Instituto de Pesquisa do Autismo) – em San Diego, Califórnia – afirma que quando ocorre um dano no hemisfério esquerdo do cérebro, o hemisfério direito é compensado pela perda ocorrida. Rimland analisa ainda que, no caso dos diagnosticados com a Síndrome de Savant, as pessoas com TEA demonstram habilidades que estão concentradas no hemisfério direito do cérebro, são elas: arte, cálculos, matemática e música. Por outro lado, a parte esquerda do órgão é afetada com os déficits de linguagem e fala. Paradoxalmente, há casos em que o paciente desenvolve grande facilidade para os idiomas (NEUROSABER, 2017).

Confira alguns aspectos cognitivos destes pacientes:

  • Linguagem: mesmo que a comunicação seja uma barreira para os TEA com a síndrome, eles podem compreender mais de um idioma. Há casos notificados de pessoas diagnosticadas com a Síndrome de Savant que aprendem até 15 idiomas;
  • Memorização: grande facilidade de memorizar é bastante comum entre eles, sobretudo itens como catálogos telefônicos e dicionários.
  • Cálculo: os pacientes que se enquadram na Síndrome de Savant conseguem fazer cálculos bastante complexos e sem o auxílio de qualquer material para servir de suporte;
  • Música: os pacientes com a Síndrome de Savant conseguem reproduzir uma peça musical inteira após ouvi-la apenas uma vez;
  • Artes: as pessoas com esta síndrome demonstram grande facilidade para os trabalhos artísticos, a saber: desenhos, pinturas e esculturas.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 210 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

REFERÊNCIAS

[1] EFSTRATOPOULOU, M. The Enigma of Autism: Genius, Disorder or just different? NOVA Sciences, 2017.

[2] HUGHES, James EA et al. Savant syndrome has a distinct psychological profile in autism. Molecular autism, v. 9, n. 1, p. 53, 2018.

[3] HU, Yi et al. Superior self-paced memorization of digits in spite of a normal digit span: The structure of a memorist’s skill. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, v. 35, n. 6, p. 1426, 2009.

[4] INSTITUTO NEUROSABER. O que é a Síndrome de Savant? Rio de Janeiro, nov. 2017. Disponível em: https://institutoneurosaber.com.br/o-que-e-a-sindrome-de-savant/

[5] Muñoz-Yuntaa, J. A, Ortiz-Alonsob, T., Amob, C., Fernández-Lucasb, A., Maestúb, F., Palau-Baduellc, M. (2003). A síndrome do sábio savant ou idiota. Rev Neurol, 36 (Supl. 1), S157-S161.

[6] RABELO, R. N. Todos os autistas são Gênios? Brain Support, São Paulo, jul. 2020. Disponível em: https://www.brainlatam.com/blog/todos-os-autistas-sao-genios-1850#:~:text=Os%20estudos%20demonstram%20que%20uma,%2C%20com%20mais%20circunfun%C3%A7%C3%B5es%2C%20etc.

 

 

Academia Médica
Bárbara Figueiredo
Bárbara Figueiredo Seguir

19 anos. Acadêmica de Medicina na Fundação Educacional de Patos de Minas. Curto nerdices, Sócrates e tripartição de poderes (rs). Instagram: @figueiredobabi

Ler conteúdo completo
Indicados para você