[ editar artigo]

Tromboembolismo pulmonar (TEP)

Tromboembolismo pulmonar (TEP)

Dra. Roberta Fittipaldi é médica pneumologista, pesquisadora em ventilação mecânica, que trabalha nas principais UTIs da cidade de São Paulo e é professora da curso Ventilação Mecânica Online na Academia Médica.

O tromboembolismo pulmonar é uma das principais causas de insuficiência respiratória. Ele representa a obstrução aguda ou episódica da circulação arterial pulmonar por trombo sanguíneo, com súbita redução da perfusão na aérea acometida.

É a principal complicação pulmonar aguda em pacientes hospitalizados, e cerca de 10% das embolias agudas sintomáticas podem ser fatais nas primeiras horas. A longo prazo, a mortalidade chega a 25-30% em 1 ano.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para a ocorrência do tromboembolismo pulmonar associam-se a estase venosa, lesão endotelial e hipercoagulabilidade sanguínea. A seguir, apresentamos as principais condições predisponentes ao TEP:

  • Cirurgias ortopédicas
  • Neoplasias malignas
  • Obesidade
  • Politrauma
  • AVC isquêmico ou hemorrágico
  • Imobilidade
  • Uso de contraceptivos orais
  • Gravidez e puerpério
  • Idade acima de 55 anos
  • Veias variosas
  • Quimioterapia
  • Trombofilias
  • Doenças clinicas: DPCO, insuficiência cardíaca, doença inflamatória intestinal, doenças reumatológicas
  • Internação em UTI
  • Presença de cateter venoso central

Quadro clínico

O espectro de sintomas do tromboembolismo pulmonar é variável, podendo se apresentar com tosse, dispneia, dor torácica, sibilância, taquicardia, febre, hipoxemia e insuficiência respiratória. Na avaliação clínica de doentes com sinais e sintomas de TEP é necessário o alto grau de suspeição, que pode ser realizado por escores clínicos de estratificação de risco. Os escores de Wells e de Genebra são os mais utilizados na estratificação do risco de TEP. (tabelas 1 e 2)

 

Exames complementares

- D-dimero: custo reduzido, alta sensibilidade e elevado VPN. É o produto da fibrinólise espontânea, sendo que diversas situações clínicas apresentam elevação desse marcador (ex: ICC, pneumonias, insuficiência renal). É o exame de rastreio para casos de suspeita de embolia pulmonar. Um valor negativo em doente com baixa probabilidade de TEP praticamente exclui o diagnostico.

- Radiografia de tórax: é obrigatório no atendimento inicial, não para diagnóstico de TEP, mas para diagnósticos alternativos.

- ECG: taquicardia sinusal é o achado mais comum, o clássico S1Q3T3, BRD e strain em VD podem estar presentes, porém em uma minoria dos pacientes.

- ECO trans-torácico: não descarta o diagnóstico, mas confirma a suspeita clínica quando há sinais de hipertensão arterial pulmonar e dilatação de VD

- Cintolografia ventilação perfusão (VQ): seu uso declinou com o advento da angiotomografia, em casos onde há contra-indicação ao uso de contraste iodado pode ser uma alternativa. Em conjunto com escores de probabilidade, um achado de alta probabilidade na cintilografia autoriza a anticoagulação.

- USG doppler de membros inferiores: pode visualizar trombos em veias profundas dos membros inferiores e confirmar o diagnóstico em pacientes com alto grau de suspeição.

- Angiotomografia de tórax: possui 70 - 90% de sensibilidade para trombos centrais e periféricos em subsegmentos arteriais até 2ª ordem. A desvantagem é o uso do contraste iodado, o qual é contra indicado para alérgicos e pacientes com insuficiência renal.

- Arteriografia pulmonar: é o exame padrão ouro, mas perdeu terreno após o advento da angiotomografia de tórax.

 

Avaliação co paciente com TEP

Tratamento

Pacientes hemodinamicamente instáveis: requerem reperfusão primária urgente, anticoagulação e cuidados de suporte. Para aqueles que apresentam risco intermediário de um desfecho desfavorável, a anticoagulação e o monitoramento contínuo são necessários, e a reperfusão de resgate deve ser considerada. Os pacientes com baixo risco de desfecho desfavorável podem ser considerados para a alta precoce ou tratamento domiciliar com a anticoagulação adequada, analisando cuidadosamente as circunstâncias pessoais do paciente. 

Pacientes com choque ou instabilidade hemodinâmica: necessitam de suporte ventilatório, hemodinâmico com ressuscitação volêmica e ou drogas vaso ativas, além de terapia com fibrinolíticos ( alteplase ou reteplase). Em pacientes com alto risco de sangramento ou contra-indicações a trombólise está indicado a embolectomia pulmonar cirúrgica.

Pacientes hemodinamicamente estáveis: inciar anticoagulação com heparina de baixo peso molecular ou, em caso de contra -indicação, heparina não fracionada.

Conclusão

O tromboembolismo pulmonar é uma condição clinica grave que exige reconhecimento e tratamento adequado para reduzir a mortalidade.

 


Curso de Ventilação Mecânica Online com Dra. Roberta Fittipaldi

Roberta Fittipaldi é colaboradora da Academia Médica e professora do curso Ventilação Mecânica Online, uma um curso para se manter atualizado e ainda aprender de vez Ventilação Mecânica, com o intuito de melhorar a qualidade e segurança do paciente, intensivo ou não, que necessita de suporte ventilatório. 
É também doutora em Ventilação Mecânica pela FMUSP, especialista em Educação Medica pela Harvard TH Chan e atua nas UTIs respiratórias do HIAE e Incor.

Quer participar do Curso que ela lidera? Clique aqui!

Academia Médica
Roberta Fittipaldi
Roberta Fittipaldi Seguir

Medica pneumologista Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Professora da Pós graduação em Terapia Intensiva HIAE. Cursando doutorado em Pneumologia FMUSP. Médica Assistente UTI Respiratória FMUSP.

Ler conteúdo completo
Indicados para você