[ editar artigo]

Vacina Moderna: funciona contra variantes do coronavírus

Vacina Moderna: funciona contra variantes do coronavírus

Farmacêutica diz que criou imunizante específico contra a nova variante por 'precaução', já que a primeira vacina, já em distribuição, também é eficaz. 

Em meio à pandemia, as variantes do coronavírus são o que mais tem preocupado os especialistas nos últimos tempos. Com a intenção de lidar especificamente com a variante da África do Sul, a empresa americana de biotecnologia Moderna decidiu investir numa vacina, e anunciou que o imunizante já está pronto para os testes em humanos.  

Intitulada 501Y.V2, a variante sul-africana do SARS-CoV-2 é apontada pelos especialistas como a mais perigosa, levando em consideração que é capaz de escapar de alguns dos bloqueios que os anticorpos estabelecem contra as versões "tradicionais" do coronavírus. Acredita-se que pessoas infectadas anteriormente com as outras variantes podem ser mais suscetíveis a voltar a desenvolver COVID-19 com a 501Y.V2. Os especialistas também levantam um alerta de que a proteção da primeira geração de vacinas é menor contra a variante da África do Sul. 

A Moderna investe, desde o ano passado, em uma vacina contra a COVID-19 chamada de mRNA-1273, que já teve inclusive anunciada a taxa de de eficácia na prevenção da doença (94,5%). O imunizante adota técnicas atuais da biotecnologia para promover a imunização contra a COVID-19 e desenvolve uma vacina de RNA mensageiro. Dessa forma, o corpo começa a produzir proteínas virais, mas não o vírus inteiro, o que é suficiente para treinar o sistema imunológico para atacar o vírus da COVID-19. 

Vacina da Moderna contra a variante 501Y.V2 

A farmacêutica anunciou que sua vacina contra a COVID-19, que já se encontra inclusive em fase de distribuição, é capaz de neutralizar a variante sul-africana, mas que mesmo assim decidiu aplicar mais de uma estratégia, no estilo "melhor prevenir do que remediar". A farmacêutica ainda ressalta que uma possível estratégia contra a variante sul-africana pode ser o uso do novo imunizante como uma dose de reforço, combinada com as duas doses da atual vacina contra a COVID-19. 

"Esperamos ansiosos pelo início dos testes clínicos", declarou Stéphane Bancel, diretor-executivo da Moderna.

Vale notar que a empresa ainda anunciou aumento da expectativa de produção de vacinas em 2021 para 700 milhões de doses no mundo todo, e ainda tem em vista outras melhorias em seu processo de manufatura que poderiam elevar a produção para até 1 bilhão de doses. 

Segundo a empresa, há um investimento em sua capacidade adicional de fabricação, o que deve levar sua produção global em 2022 para cerca de 1,4 bilhão de doses. Lembrando que, em janeiro, os Estados Unidos descobriram o primeiro caso da variante sul-africana e, desde então, ela apareceu em diversos estados. Estudos sugerem que ela pode ser mais resistente às vacinas existentes do que outras variantes do coronavírus. Felizmente, por enquanto, o Ministério da Saúde não confirmou um caso da 501Y.V2 no Brasil, mas algumas outras variações já foram encontradas em São Paulo e no Amazonas. 

Conclusão 

Concluímos que A Moderna está agora seguindo uma abordagem semelhante a um ano atrás , quando trabalhou com o NIH para desenvolver rapidamente uma nova vacina contra o coronavírus original e, em seguida, fabricar doses para um estudo em humanos liderado pelo NIH. Em janeiro, a Moderna disse que testes de laboratório mostraram que sua vacina original ainda parecia proteger contra a cepa identificada pela primeira vez na África do Sul, mas a potência da injeção foi reduzida. 

A empresa prevê três abordagens potenciais para um reforço de vacina que protege melhor as pessoas da cepa. Uma delas, que a Moderna já começou a testar, é adicionar uma terceira injeção de sua vacina original de duas doses, embora em uma dosagem menor. A segunda abordagem é dar a nova vacina como reforço para aqueles que receberam duas doses da injeção original. A terceira abordagem é uma injeção de reforço “multivalente” que combina a vacina original da Moderna com aquela que visa a variante em uma única injeção. A Moderna também explorará o fornecimento de ambas as vacinas para pessoas que ainda não receberam nenhuma vacina contra Covid-19. 

 


Você já viu o próximo evento da Academia Médica e do Professor Áureo?

Então conheça a Websérie gratuita: "A História da Saúde: onde a ciência, a cultura e a arte se encontram". Não perca essa oportunidade única de conhecer a História da Saúde sob uma perspectiva diferente e inovadora! Você vai aprender muuuuito com histórias superdivertidas! Se interessou? Clique aqui e se inscreva.


 

Referencias

https://www.modernatx.com/ 

https://www.wsj.com/?mod=nav_top_section 

https://www.thelancet.com/action/doSearch?text1=MODERNA&field1=AllField&journalCode=lancet&SeriesKey=lancet 

https://www.thelancet.com/journals/lancet/home 

Academia Médica
LUCAS SERAFIM DE OLIVEIRA
LUCAS SERAFIM DE OLIVEIRA Seguir

Médico Clínico Geral e Humanista, Especialista em gente, 28 anos, Paraibano.

Ler conteúdo completo
Indicados para você