[ editar artigo]

Vamos falar em Cuidados Paliativos?

Vamos falar em Cuidados Paliativos?

O dia 14 de Outubro foi escolhido para se lembrar e homenagear aqueles que promovem Cuidados Paliativos. Segundo a Dra. Ana Claudia Quintana Arantes, no seu livro “A morte é um dia que vale a pena viver” nove em dez pessoas no Brasil terão uma morte anunciada, ou seja, vivenciarão um processo de terminalidade de vida, passando por sua patologia e as implicações desta. Diante deste contexto, você saberia proporcionar um cuidado efetivo ao seu paciente?

Quando usamos o termo Paliativo, muitas vezes pode parecer ser algo que está sendo “remediado”, inconclusivo, “não tem mais o que fazer”. Mas você sabe o que significa Paliativo? Deriva de pallium, que vem do latim, e significa proteção. Os cavaleiros usavam um manto que os protegiam das intempereis do tempo ao longo de suas jornadas: isso era pallium. Então Cuidado Paliativo é aquele que ameniza o sofrimento e a dor daqueles que precisam, seja de origem psicológica ou física.

E quando podemos aplicar tais Cuidados?

São aplicados para aqueles que tem um diagnóstico de uma doença crônica grave, que ameace a continuidade da vida. Envolve sintomas físicos, sociais, emocionais, psicológicos e espirituais. E seguidamente pode desencadear medos da morte propriamente dita, do bem-estar dos familiares, um emprego deixado para trás, por exemplo.

Os cuidados paliativos não se baseiam em protocolos, mas em princípios, como promover o alívio da dor e de outros sintomas desagradáveis, afirmar a vida e considerar a morte um processo normal da existência e não acelerar nem adiar a morte. Há manuais que auxiliam os profissionais de saúde a lidar com a dor e os demais sintomas que incomodam. E por meio de uma equipe multiprofissional aliviar as dores psíquicas, espirituais e sociais.

E enfim, promover esses cuidados pode parecer frustrante se pensarmos a medicina apenas como uma ciência resolutiva de patologias. Mas se a encararmos como aquela que pode promover o bem-estar do indivíduo até o último momento, vendo -o como um todo, desde o seu nascer até o dia de sua morte, seu objetivo também se cumpre, ao proporcionarmos dias finais melhores a um ser humano e a condição de uma morte com dignidade.

Por Mísia Nogueira Altino

8º Período Medicina Unimar.

Academia Médica
Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina ABLAM
Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina ABLAM Seguir

Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (ABLAM)

Ler matéria completa
Indicados para você