Você conhece a Síndrome do Impostor?
[editar artigo]

Você conhece a Síndrome do Impostor?

Sim, o nome pode parece estranho, mas esse é fenômeno apesar de não ser reconhecido pelo DSM, é bem documentado pela Psicologia. Foi descrito primeiramente na década de 70 por Pauline Clance e Suzanne Imes, cientistas da universidade americana Estadual da Geórgia, baseado em um grupo de mulheres bem-sucedidas.

Tal síndrome afeta sobretudo pessoas em que estão passando por processos avaliativos de algum modo, sobretudo por avaliações regulares . As pessoas portadores dessa síndrome geralmente trabalham extenuantemente, de forma zelosa e bem-feita e no geral excedem em muito os seus colegas em tempo de esforço e qualidade de serviços prestados.

Contudo, quando os méritos decorrentes de tanto esforço chegam, são atribuídos por eles ao “acaso” ou a “sorte”. Seguidamente, ocorre um sentimento de “ser uma fraude” e a possibilidade eminente de “medo de ser descoberto” a qualquer momento. Esse quadro gera ansiedade e medo. A partir daí gera-se duas possibilidades de defesa, ou uma postura arrogante, ou um quadro de simpatia excessiva. O primeiro afim de que os outros se mantenham afastados e não vejam “ a fraude”, o segundo porque pelo excesso de simpatia não haveria um “apiedamento” diante da o desmascaramento do indivíduo.

O que isso tem a ver com os estudantes de Medicina?

Passamos por seis anos de graduação, com uma carga horária extensa durante o internato e maior ainda na vida profissional. Diante de nós se descortina a responsabilidade enorme de um erro e as implicações dele na vida dos nossos pacientes e além disso, há a pressão que a sociedade imputa ao médico e as condições de trabalho adversas que podemos encontrar. Diante disso, é possível que possamos nos esforçar ao máximo e ainda sim sentirmos “uma fraude a beira de ser descoberta”.

Se você se encaixa nesse perfil, é sempre recomendável a consulta a um psicólogo e o zelo por nossa saúde mental, afinal, pode parecer clichê mas cuidar de nossa psique é o primeiro grande passo para uma medicina bem- feita.

Por Mísia Nogueira Altivo - 8°período medicina  UNIMAR

Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina ABLAM
Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina ABLAM Seguir

Associação Brasileira de Ligas Acadêmicas de Medicina (ABLAM)

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar
Indicados para você