[ editar artigo]

A Estratégia de Saúde Digital para o Brasil

A Estratégia de Saúde Digital para o Brasil

Uma sociedade evolui a medida que a transparência sobre os dados é aumentada, a ponto que todos os seus cidadãos possam entender com clareza a aplicação de recursos e resultados.

A esse povo cabe o processo de auditoria dos dados abertos e transparentes, e com isso fiscalizar as atividades governamentais e também ter a capacidade de melhorar a própria sociedade.

Com a melhoria da qualidade dos dados, podemos sim ser mais influentes e definitivos para a melhoria do país. 

Há muito se espera do Governo brasileiro uma melhor qualidade dos dados e disponibilidade deles (respeitando a segurança dos indivíduos) para que tenhamos maior qualidade de estudos populacionais e, assim, maior assertividade na implementação de novos projetos.

Nesse sentido o Governo brasileiro vem apontando para iniciativas que ajudem no desenvolvimento da saúde no país. Uma delas é o programa Conecte SUS, o qual é explicado pelo atual diretor do DATASUS, Jacson Barros em sua publicação no LinkedIn.


Um resumo executivo sobre a Estratégia de Saúde Digital para o Brasil

Texto publicado por Jacson Barros em seu LinkedIn

O Sistema de Saúde Brasileiro (SUS) é amplamente reconhecido como um modelo de cobertura universal de saúde, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS3) para 2030. Tendo em vista a necessidade de troca de informações de saúde face à globalização e o uso cada vez maior dos recursos de Tecnologia da Informação, o Uso de Inteligência Artificial e outros componentes, é imprescindível que os países tenham em sua agenda o fortalecimento da Estratégia de Saúde Digital para a sistematização do seu Sistema de Saúde. Diante deste cenário, o Brasil, definiu sua estratégia, baseada no uso de recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação para produzir e disponibilizar informações confiáveis, sobre o estado de saúde para quem precisa no momento que precisa.

O Conecte SUS é um programa do Governo Federal com a missão de materializar a Estratégia de Saúde Digital do Brasil, fomentando o apoio à informatização e a troca de informação entre os estabelecimentos de saúde nos diversos pontos da Rede de Atenção à Saúde, por meio da disseminação de um conjunto mínimo de dados. Isto será possível com a implementação de uma complexa plataforma, em nuvem, denominada Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS) que com o uso de tecnologias emergentes, proporcionará o acesso aos profissionais de saúde da história clínica do paciente, acarretando na continuidade e transição do cuidado. Entre as informações de saúde a serem trocadas, podemos citar os atendimentos clínicos, as internações, os exames realizados, os medicamentos dispensados e as vacinas aplicadas.Ainda neste contexto, a proposta é que todas os novos desenvolvimentos sejam apoiados por esta estratégia, fortalecendo a interoperabilidade entre os diversos sistemas existentes no âmbito da saúde. Como exemplos, podemos citar: i) sistemas de notificação de agravos; ii) prescrição eletrônica nacional; iii) sistemas de regulacão, etc. Não obstante, espera-se que esta plataforma possibilite o uso de Inteligência Artificial (IA), Analytics, Big Data, Internet das Coisas (IoT) e outras tecnologias para extração de conhecimento e oferta de serviços inovadores condizentes com as atuais e futuras demandas nacionais e mundiais no ecossistema global.

O Programa Conecte SUS, importante não apenas pela tecnologia que o sustenta, mas também por sua governança, organização e padronização e, certamente, será um campo fértil para a Inovação em Saúde Digital, beneficiando pacientes, comunidades, profissionais de saúde, gestores e organizações, gerando novos valores de atendimento ao cidadão não apenas no setor público, como também na saúde suplementar, preservando todos os aspectos éticos, de segurança, confiabilidade e confidencialidade.

Cabe salientar que o programa se apoia em padrões internacionais de dados em saúde, possibilitando o compartilhamento com outros países e contribuindo para a geração de novos insumos que permitam redesenhar modelos de atenção que antecipem alertas em áreas como a vigilância epidemiológica e o controle de doenças recorrentes e emergentes. O Brasil está preparado e se propõe a compartilhar dados que favoreçam a ampliação da cobertura vacinal e a segurança populacional em todo o mundo.

Em consonância com a ação proposta pela Estratégia Global da Organização Mundial da Saúde, para a Saúde Digital, o Brasil está disposto a compartilhar sua experiência e trabalhar em conjunto com países e organizações para acelerar a digitalização da saúde no mundo, como forma de alcançar melhores níveis de atendimento à saúde da população e ao bem-estar de nossos cidadãos, a qualquer hora, em qualquer lugar.

Este projeto é fruto de um trabalho iniciado pelo Comitê Gestor de Saúde Digital formado pelas Secretarias do Ministério da Saúde, CONASS, CONASEMS, ANS e ANVISA.


Não deixe de comentar ou puxar a discussão acerca do assunto. Saúde digital é algo novo, que precisa da interação de todos os interessados. 

Para não perder nada dessa discussão, siga o Health Innovation League da Academia Médica, clicando AQUI

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler matéria completa
Indicados para você