[ editar artigo]

A Medicina e a tecnologia no Brasil

A Medicina e a tecnologia no Brasil

As tecnologias contemporâneas alteraram a ótica moral dos profissionais da Medicina a partir do momento em que oferecem um caminho mais direto para se chegar a um diagnóstico. Partindo dessa premissa, mesmo com as facilidades oferecidas pelos novos avanços tecnológicos, a necessidade de o médico dialogar e ouvir o paciente torna-se imprescindível para o pleno cumprimento de sua missão humana por meio do diagnóstico preciso.

No entanto, a falsa impressão de tais profissionais como "seres transparentes" causada pelas tecnologias diversas dificultam tal processo. A conclusão, portanto, é imediata: a imperícia para com sentimentos intrínsecos aos pacientes que não "aparecem em raios-x".

O físico teórico Alberto Einstein afirma que é espantosamente óbvio que a nossa tecnologia excedeu a nossa humanidade. A modernização suscitada pela recente revolução técnico-científica-informacional originou diversos meios de tecnologia, que para a Medicina, se manifestou como distintas formas de diagnosticar uma enfermidade, mas muitas vezes tal facilidade se sobrepõe à missão única do médico: salvar vidas.

Um exemplo são os inúmeros profissionais da Medicina que utilizam os exames de rotina apenas para identificar as doenças que atingem o físico, esquecendo-se de que as doenças da alma são diagnosticadas com o diálogo e a escuta. Talvez não tenha sido nossa tecnologia quem excedeu nossa humanidade, e sim nossa própria ignorância.

Ademais, é perceptível que apenas o conhecimento técnico se faz insuficiente no processo de cura, dependendo também do conhecimento ético. Muito embora os novos meios tecnológicos incutidos à Medicina tenham se apresentado como novos desafios ao discernimento necessário por parte do profissional médico durante a relação médico-paciente, a moral humana deve-se fazer superior ao domínio tecnológico da sociedade moderna.

O doutor deve manifestar sua própria, porém comum aos médicos, necessidade intrínseca de "escutar" além do que o paciente apresenta. Um exemplo são os novos tratamentos a fim de amenizar as dores durante o parto em mulheres, por meio de diálogos, métodos de tratamento rudimentares e até manifestações de dança.

Em suma, parafraseando o médico canadense Willian Osler, a Medicina é a arte da incerteza e a ciência da probabilidade. A partir do momento em que o bom médico deixa de avaliar somente a enfermidade para avaliar o paciente que possui a enfermidade, ele se torna um excelente médico destoante do contexto tecnológico facilitador.

É imprescindível, assim, que instituições públicas e privadas, devam investir em programas de conscientização e moralização de tais futuros médicos, visando não atuar como "pseudo-auxiliadores", mas sim mantendo relações saudáveis para com os pacientes.

Academia Médica
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto Seguir

Atual graduando em Medicina pela Universidade Salvador.

Ler matéria completa
Indicados para você