[ editar artigo]

A significância da religiosidade na prática médica

A significância da religiosidade na prática médica

Os primeiros hospitais do Ocidente foram construídos por organizações ou Ordens Religiosas durante a Idade Média e, sobretudo, os médicos, frequentemente, eram membros do clero. No Brasil, na época em que o sistema de saúde público não garantia a universalidade de acesso, as Santas Casas, hospitais criados e mantidos pela Igreja, ofereciam cuidados médicos àqueles que não tinham condições de pagar pelo seu tratamento e eram exclusos do sistema de saúde.

A partir da segunda metade do século XX, houve uma tendência a ver a religião como algo primitivo, e à medida em que o ser humano evoluísse, os homens a abandonariam. Personalidades como Freud, que afirmava que a religião seria uma “neurose obsessiva e universal” contribuíram para que a religiosidade ganhasse contornos negativos durante esse período, principalmente entre os intelectuais.

Nessa época, surgiu a neuroteologia, campo que estuda o processamento das emoções relacionadas à religião e à espiritualidade no cérebro, processo explicado pelo neurocirurgião da Faculdade de Medicina da São Paulo, Raul Marino Júnior, em seu livro “A religião do cérebro”, em que aponta que a religião contribuiria para diminuir a vulnerabilidade a estressores e comportamentos de risco.

Ademais, de acordo com a Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, programas religiosos que desempenham ações de prevenção (como prevenção ao suicídio e gravidez precoce) e reabilitação da saúde (como etilismo e tabagismo) demonstram resultados positivos. Além disso, conclui-se que ao possuir um maior número de experiências espirituais diárias associam-se a menores índices de depressão e desejo de morte.

Diversos estudos já nos mostraram que pacientes religiosos apresentam desfechos diferentes em suas doenças, como internações mais curtas, menor consumo de analgésicos e menos incidência em algumas doenças, como as coronarianas (infarto do miocárdio) e hipertensão. Tantas foram as publicações demonstrativas que, em 2012, pesquisadores da Duke University Medical Center, nos EUA, fizeram um levantamento e observaram que a lista continua, com resultados positivos observados nos casos de doenças endocrinológicas, imunológicas e até no Alzheimer.

Além disso, uma pesquisa conduzida pela Universidade de Londres revelou que a fé religiosa de um médico tem forte influência nas decisões que toma em relação a pacientes terminais, e que os médicos ateus ou agnósticos - afirma estudo publicado no Journal of Medical Ethics - têm mais probabilidade de tomar decisões que acelerem o fim da vida de um paciente em estágio terminal que médicos profundamente religiosos, sendo menos provável a discussão com pacientes muito graves as opções de tratamentos paliativos.

Infere-se, portanto, que a influência da religião na prática médica e na geração de políticas públicas de saúde atravessam o espectro empirista e linear, bem como contribui para um melhor ajustamento à realidade e para a superação de situações difíceis como doenças terminais.

Outrossim, corrobora a possibilidade de controle sobre as próprias vidas e suas contingências, diminuindo as fontes de ansiedade e preocupação. Porém, efeitos negativos da religiosidade - como o fanatismo ou a má orientação - podem causar prejuízos às pessoas, como por exemplo a descontinuidade de tratamento médico prévio, práticas danosas a saúde física e mental (jejum exagerado, auto-mutilações), surtos depressivos ou psicóticos após insucesso no resultado das preces, bem como a prática de algumas seitas religiosas podem estar associadas a maior incidência de doenças mentais. 

Desse modo, depreende-se que a religião, quando acoplada de forma harmônica à ciência, é de suma importância para aumentar a qualidade de vida de fiéis e pacientes, como também é capaz de abordar segmentos espirituais que são inerentes à espécie humana.

 

Referências bibliográficas:

  1. MEDICINE, RELIGION, AND HEALTH: WHERE SCIENCE AND SPIRITUALITY MEET,   Dr. Harold G. Koenig
  2. Versão em português da Escala de Religiosidade da Duke – DUREL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832008000100006
  3. Professed religious affiliation and the practice of euthanasia:  https://jme.bmj.com/content/21/1/49

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 150 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

 

Academia Médica
Bárbara Figueiredo
Bárbara Figueiredo Seguir

19 anos. Acadêmica de Medicina na Fundação Educacional de Patos de Minas. Curto nerdices, Sócrates e tripartição de poderes (rs). Instagram: @figueiredobabi

Ler matéria completa
Indicados para você