[ editar artigo]

Abaixe a faca: um neurocirurgião explica a importância de um equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Abaixe a faca: um neurocirurgião explica a importância de um equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Em seu romance Buddhism Without Beliefs, Stephen Batchelor observou que "só a morte é certa e a hora da morte é incerta." Esse conhecimento deve nos guiar em uma de nossas decisões mais importantes: Como devemos passar nosso tempo limitado na Terra?

Por que você trabalha tanto?

Existem muitas razões diferentes pelas quais as pessoas podem trabalhar muito. Frequentemente, eles trabalham por necessidade. Algumas pessoas trabalham até o osso e ainda têm contas que não podem pagar. Outros trabalham muito por recompensas não monetárias. Como neurocirurgião, às vezes caio na última categoria.

Quando falo sobre a adorável anatomia humana (pelo menos em público), geralmente me refiro à junção entre o tronco cerebral e a medula espinhal (junção craniocervical). O contraste entre a folia cerebelar bege e enrugada e o assoalho branco e brilhante do quarto ventrículo é de tirar o fôlego. Pulsações de líquido cefalorraquidiano límpido e incolor percorrem a superfície da medula espinhal superior como ondas na praia.

O problema mais comum na junção craniocervical que trato cirurgicamente é chamado de malformação de Chiari. Essa anormalidade ocorre quando, por razões desconhecidas, um paciente nasce com uma deformidade do crânio, na parte inferior do cérebro e parte superior da coluna. Na maioria dos casos, a malformação de Chiari é uma anomalia leve e não causa sintomas. Mas, às vezes, a malformação é grave o suficiente para causar sintomas e requer cirurgia. A malformação de Chiari geralmente responde bem à cirurgia e os sintomas neurológicos do paciente melhoram.

É difícil exagerar a satisfação que sinto depois de reparar uma malformação de Chiari com sucesso. A cirurgia traz a concomitante adulação do paciente e sua família e a admiração de colegas, funcionários e alunos. Minha profissão é nobre, e cada cirurgia bem-sucedida contribui para o bem maior da comunidade. Fazer uma cirurgia é tão gratificante que é difícil evitar cair na tentação de adicionar caso após caso, dia após dia, semana após semana, ano após ano.

Por que é ruim trabalhar tanto?

Um sábio colega explicou o perigo de fazer cirurgias incessantemente. “Um jantar perdido com a família se transforma em muitos. É fácil me convencer de que tenho coisas mais importantes a fazer do que ajudar as crianças com o dever de casa, mas é mais difícil para elas se convencerem. No final da minha carreira, não me lembrava se tratei cem pacientes com Chiari ou cento e cinquenta. “Mas”, disse ele, “vou me lembrar de treinar o time de softball da terceira série da minha filha. Eu me lembrarei da expressão em seu rosto depois que ela acertou um grounder de forma limpa e jogou o corredor da frente no segundo lugar. Não vou esquecer as dezenas de vezes que meninas diferentes de cada equipe perguntaram: "Estamos vencendo, treinador?" após cada saída e entre cada entrada. ”

Trabalhar muito pode ser ruim para o seu cérebro?

O Rei Salomão disse: “Quem quer que extraia pedras pode ser ferido por elas.” Ele observou que nossas ocupações cobram seu preço. Especialmente um trabalho que exige que troquemos nosso tempo e suor pelo pão de cada dia. Em algum ponto, aqueles que “vivem para trabalhar” vão trabalhar fora da vida. A advertência ao cirurgião para “largar a faca” pode ser generalizada. A sua profissão exige custos físicos e psicológicos? 

Burnout

A pesquisa neurobiológica demonstrou a importância de um equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Experimentos demonstraram que a falha em reduzir o trabalho acarreta altos custos fisiológicos.

Simplificando: trabalhar muito irá danificar seu cérebro.

Pesquisadores na Grã-Bretanha exploraram os efeitos do excesso de trabalho no cérebro. Os investigadores patrocinados pelo governo, conhecidos como Whitehall II, publicaram seu trabalho em 2009. Os pesquisadores administraram uma bateria de testes cognitivos em mais de dois mil funcionários britânicos para obter um nível básico de desempenho e repetiram os testes cinco anos depois. Os testes avaliaram a memória verbal e as habilidades, inteligência fluida (associada à memória de curto prazo, pensamento abstrato, criatividade e resolução de problemas) e inteligência cristalizada (aprendizagem acumulada ao longo da vida em educação, trabalho e experiências culturais). Em comparação com aqueles que não trabalhavam mais do que 40 horas por semana, os britânicos que trabalhavam mais de 55 horas por semana tiveram pontuações de desempenho mais baixas em todos os domínios cognitivos testados. A associação negativa entre longas horas de trabalho e função cognitiva não foi alterada por vários fatores de confusão potenciais, incluindo idade, sexo, estado civil, educação, ocupação, renda, doenças físicas, fatores psicossociais, distúrbios do sono e comportamentos de risco à saúde.

Pessoas com excesso de trabalho crônico, especialmente aquelas em empregos de alto estresse, têm tendência ao burnout. O burnout, descrito pela primeira vez na década de 1970, surge quando as demandas de um trabalho superam a capacidade de uma pessoa de lidar com o estresse. Na pior das hipóteses, o burnout se manifesta como uma sensação avassaladora de exaustão, sentimentos de cinismo e distanciamento e uma sensação de ineficácia profissional e falta de realização. Evidências neurobiológicas crescentes mostram que o esgotamento tem um impacto físico profundo que se estende além de nossas vidas profissionais; estende-se ao nosso cérebro.

Em 2014, cientistas do Instituto Karolinska, na Suécia, relataram os efeitos do burnout no cérebro. Eles estudaram 40 indivíduos que sofrem de sintomas de burnout atribuídos ao estresse ocupacional crônico e 70 voluntários que serviram como controles. Eles realizaram ressonância magnética funcional em ambos os grupos para avaliar os circuitos cerebrais. Eles descobriram que a conectividade funcional entre a amígdala (área do cérebro envolvida em emoções e memórias) e a parte frontal do córtex cingulado (uma área envolvida com emoção, aprendizado e memória) era significativamente mais fraca no grupo burnout. Os pesquisadores também notaram uma deficiência nas conexões entre a amígdala e as partes posterior e lateral do córtex pré-frontal (uma área responsável pelas funções executivas) no grupo com burnout. Por outro lado, os pesquisadores relataram que a conectividade da amígdala ao cerebelo (a área que controla a coordenação) e ao córtex insular (uma parte do cérebro ativa durante conflitos psicológicos) foi mais forte no grupo de burnout do que nos controles.

Em outro estudo do Instituto Karolinska, os pesquisadores recrutaram 40 voluntários saudáveis para o grupo controle e os compararam a 40 pacientes que sofriam de burnout. Estudos de ressonância magnética desses pacientes determinaram que não foi apenas o circuito que foi afetado pelo esgotamento, mas também o tamanho das estruturas cerebrais. Pacientes com burnout apresentaram perda de volume no córtex pré-frontal quando comparados aos controles. Pacientes com burnout também pareciam ter encolhimento no estriado dorsal (núcleos caudado e putâmen (áreas que modificam o movimento) e hipocampo (uma área envolvida na emoção e na memória), mas um volume aumentado de tecido na amígdala.

Então, abaixe a faca. Mantenha um equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Não se canse. Trabalhar muito faz mal ao cérebro.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Esse texto foi publicado originalmente no site KevinMD pelo neurocirurgião Marc Arginteanu. Seu texto original pode ser acessado clicando neste link. Tradução livre realizada por Diego Arthur Castro Cabral.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você