[ editar artigo]

As epidemias que não aconteceram

As epidemias que não aconteceram

Essa semana estaremos postando uma série de textos acerca das epidemias que não aconteceram. Essa é uma Data Story da prevent epidemics e visa contar através de alguns dados como se deu a história dessas doenças e como foram prevenidas as epidemias que poderiam ser causadas por essas doenças.

À medida que o mundo continua seus esforços para interromper a COVID-19 e se preparar melhor para a próxima ameaça de doença, essas histórias servem como um lembrete de que podemos fazer melhor para lutar contra outras doenças n futuro.

Em 10.000 AC, um novo vírus mortal surgiu no nordeste da África, matando indiscriminadamente e causando uma doença que hoje conhecemos como varíola. Devido à migração global, a varíola chegou à China no século 4 AC e na Europa no século 7AC, e continuou a matar milhões de pessoas até que um esforço global coordenado erradicou a doença em 1977. A velocidade com que os vírus podem viajar pelo globo e a devastação humana e econômica tem aumentado continuamente desde que tivemos a varíola pela primeira vez, como a COVID-19 e outras doenças demonstraram tragicamente.

Fonte: Ordem de quarentena de varíola, Califórnia, c. 1910. San Francisco, California; : Buckley & Curtin, [191-] - Courtesy of the National Library of Medicine. Images from the History of Medicine (IHM), http://ihm.nlm.nih.gov/images/A21137. Also showcased in the book: Hidden Treasure (New York, NY: Blast Books, 2012), p. 178. HMD Prints & Photos call number: WA 234 C25 no. 14 sol.

No entanto, os humanos podem, e melhoraram, sua capacidade de lutar.

Em meados de 2014, a África Ocidental estava nas garras da maior epidemia de Ebola que o mundo já viu. Embora a epidemia tenha se estabelecido principalmente na Libéria, Guiné e Serra Leoa, os países da África Ocidental estavam em alerta máximo. Em 20 de julho de 2014, um homem infectado com Ebola pousou em Lagos, Nigéria, uma cidade de 21 milhões de habitantes. As infecções começaram a se espalhar imediatamente. No final do mês, o primeiro paciente morreu, um indivíduo infectado voou para outra cidade e quase mil contatos foram expostos ao vírus.

Mesmo assim, na Nigéria, o surto acabou em menos de três meses. Graças a uma resposta hercúlea de saúde pública, a Nigéria estava livre do Ebola em 2 de outubro, após 20 casos e oito mortes no país.

A Nigéria impediu que o Ebola se propagasse nacionalmente e potencialmente regionalmente, com comunicação eficaz, atividades de resposta coordenadas e liderança dedicada.

Ebola, Isolamento, Infecção, Vírus, Agentes PatogénicosEpidemia de Ebola. Fonte: Pixabay.

É possível parar as epidemias antes que elas aconteçam

Nesta série de postagens, compartilharemos histórias inspiradoras de Epidemias que Não Aconteceram, ou cujo impacto foi reduzido, devido a um planejamento cuidadoso e ação estratégica rápida. Essas epidemias que não aconteceram nos mostram como a trajetória de uma epidemia pode ser alterada fundamentalmente quando um país investe e prioriza a preparação para surtos de doenças infecciosas e a prontidão para agir quando ela chegar.

Enquanto o mundo continua a trabalhar para impedir a COVID-19 e se preparar melhor para a próxima ameaça, essas histórias servem como um lembrete de que podemos fazer melhor. Ao investir e priorizar sistemas de preparação e resposta, podemos salvar milhões de vidas e trilhões de dólares e evitar uma tragédia global nos próximos anos.

A pandemia da COVID-19 revelou lacunas nos sistemas de resposta em países de alta, média e baixa renda - é vital que os líderes mundiais avaliem e, mais importante, melhorem a governança para emergências de saúde pública. Esses exemplos demonstram que a preparação funciona.

Como isso se relaciona à COVID-19?

Em contraste às respostas organizadas e coordenadas, a pandemia da COVID-19 foi em grande parte uma história de fracasso. A pandemia revelou enormes lacunas nos sistemas de preparação e resposta de muitos países, incluindo os dos Estados Unidos.

Mas isso não significa que a preparação e a resposta eficazes estejam fora de alcance.

A COVID-19 oferece motivos de esperança para os países que obtiveram respostas bem-sucedidas, que também devem ser reconhecidas. O Senegal, que ainda tem lacunas de preparação significativas, usou seus anos de resposta a surtos - especialmente sua experiência com o Ebola - junto com políticas baseadas em dados e forte liderança para gerenciar uma resposta altamente eficaz. E o Senegal não está sozinho; países como Vietnã e Mongólia, apesar dos recursos limitados, montaram respostas eficazes e mantiveram o COVID-19 sob maior controle do que grande parte do resto do mundo. Ambos registraram algumas das taxas de infecção e mortalidade mais baixas do mundo.

O resultado final é que muitos países demonstraram o que funciona: fortes sistemas de preparação associados a respostas decisivas. Quando os países podem se preparar e responder de maneira adequada, mesmo que não perfeita, suas comunidades, vizinhos e o mundo ficam mais seguros para isso.

Quer saber mais sobre as epidemias que não aconteceram? Então acompanhe a série de postagens que teremos ao longo da semana!

Um pequeno spoiler sobre as doenças que serão abordadas: Febre Amarela, Ebola, Antrax e Varíola do macaco.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

  1. https://preventepidemics.org/epidemics-that-didnt-happen/
  2. Centers for Disease Control and Prevention. (2021). History of Smallpox | Smallpox | CDC. https://www.cdc.gov/smallpox/history/history.html
  3. World Health Organization. (2011). Smallpox: Eradicating An Ancient Source. Bugs, Drugs and Smoke: Stories from Public Health, 1–21. https://www.who.int/about/bugs_drugs_smoke_chapter_1_smallpox.pdf
  4. Centers for Disease Control and Prevention. (2019). 2014-2016 Ebola Outbreak in West Africa | History | Ebola (Ebola Virus Disease) | CDC. https://www.cdc.gov/vhf/ebola/history/2014-2016-outbreak/index.html

 

Texto elaborado por Diego Arthur Castro Cabral.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você