[ editar artigo]

Brasileiros MD – Carlos Chagas

Brasileiros MD – Carlos Chagas

A biografia do mais Ilustre dos Médicos do Brasil é extremamente rica e merece o conhecimento não apenas de nós da classe médica, mas sim de todos os brasileiros. Infelizmente, eu sei, isso é querer demais da nação do jeitinho. Por inúmeros motivos ele é mais um Brasileiro M.D.

Carlos chagas é o que deveríamos ter de modelo e ideal de personificação para o nosso povo!

Carlos Chagas fez algo incomparável na história da medicina tropical. Em menos de um ano – entre o segundo semestre de 1908 e o primeiro de 1909 – ele descobriu e descreveu o ciclo completo de uma doença infecciosa: descobriu o Trypanosoma cruzi, identificou seu inseto hospedeiro (o barbeiro), e diagnosticou a doença que era causada por ele, a tripanossomíase americana – que ficou conhecida como mal de Chagas.

Esse feito, até o momento, jamais foi repetido na história da medicina mundial. Nunca, ninguém, além de Carlos Chagas, descreveu uma patologia por completo. Ele foi o primeiro e o único cientista na história da medicina a descrever completamente uma doença infecciosa: o patógeno, o vetor (Triatominae), os hospedeiros, as manifestações clínicas e a epidemiologia.

Carlos Chagas (1879-1934) nasceu em Oliveira, Minas Gerais no dia 9 de Julho de 1879, era filho do cafeicultor José Justino Chagas e Mariana Cândida Ribeiro de Castro. Carlos Ribeiro Justino Chagas, seu nome da batismo, ficou órfão de pai quando tinha quatro anos de idade.

Aos 18 anos, passou a cursar a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde este mesmo tio trabalhava, em abril de 1897. Tal faculdade vivia uma “revolução pasteuriana“, pois havia adquirido as teses de Louis Pasteur e estava passando por um processo de renovação. Chagas, assim, também leva essas idéias adiante em seu trabalho. Ao longo do curso, dois professores exerceram grande influência em sua carreira: Miguel Couto, que apresentou a Chagas as noções e as práticas da clínica moderna e com quem passaria a ter uma estreita amizade; e Francisco Fajardo, que colocou Chagas no estudo de doenças tropicais, especialmente da malária, e que seria de grande importância para sua futura carreira. Assim, esses dois professores apresentaram os dois caminhos que se abriram para Chagas no decorrer de seu curso médico: a clínica e a pesquisa científica.

Concluído o curso, em 1902, para elaborar sua tese (pré-requisito para o exercício da medicina), dirigiu-se ao Instituto Soroterápico Federal, na fazenda de Manguinhos, levando uma carta de apresentação de seu professor, Miguel Couto, a Oswaldo Cruz, diretor do Instituto, onde teve seu primeiro contato com aquele que veio a trabalhar, ser seu grande mestre e tornar-se amigo.

Devido à tese de doutorado sobre a malária, em 1901 foi recrutado por  Oswaldo Cruz para missão de controlar a doença em Itaguatinga, interior de São Paulo, que atacava a maioria dos trabalhadores da Companhia Docas de Santos, que construía uma represa na região, causando a paralisação das obras. Assim, realizou a primeira ação bem-sucedida contra a malária no Brasil, colocando em prática procedimentos que mais tarde se tornariam corriqueiros nas outras campanhas.[1]

Segundo ele, para se impedir a propagação da doença em regiões em que não havia ações sistemáticas de saneamento, fazia-se necessário concentrar as medidas preventivas nos locais onde viviam os homens e os mosquitos infectados com o parasito da malária. Seguindo tal orientação, em cinco meses Chagas consegue debelar o surto da doença – fato que serviu de base para o efetivo combate à moléstia no mundo inteiro.

De volta ao Rio de Janeiro, Chagas continuou servindo a Diretoria Geral de Saúde Pública e, em 19 de março de 1906, transferiu-se para o Instituto Oswaldo Cruz. Foi solicitado, no ano seguinte, pela Diretoria Geral, a organizar o saneamento na Baixada Fluminense, onde estava acontecendo obras para a captação e bombeamento de água ao Rio de Janeiro. Junto com Arthur Neiva, seguiu para Xerém, e os resultados positivos que conseguiu nessa obra confirmaram a sua teoria da infecção domiciliar da malária.

Educador médico

Chagas acreditava que a ciência médica era sustentada por dois pilares: o primeiro defende uma estreita articulação entre o ensino e a pesquisa. O segundo dá importância de introduzir nos cursos de Medicina o estudo específico de doenças tropicais e o combate dos problemas de saúde pública brasileira, como malária, ancilostomose e tripanossomíase. Com isso, o país teria profissionais qualificados para tratar dos problemas sanitários.

Em 1925, o Ministério da Justiça e Negócios Exteriores promoveu a reforma na Educação brasileira, permitindo a Chagas pôr em prática o seu objetivo, criando a especialização em Higiene e Saúde Pública e a cadeira de Doenças Tropicais na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro no ensino médico oftalmologista.

Prêmios e títulos

  • 1912 –  Prêmio Schaudinn, cedido pelo Instituto de Moléstias Tropicais de Hamburgo, Alemanha.
  • 1921 – nomeado Artium Magistrum, Honoris Causa, da Universidade de Harvard, EUA;
  • 1923 – Prêmio Hors-concours, na Conferência Comemorativa sobre o Centenário de Louis Pasteur, em Estrasburgo, França,
  • 1925 o Prêmio Kummel, da Universidade de Hamburgo, Alemanha.
  • 1926, 1929 e 1934 outros títulos Honoris causa, vindos das universidades de Paris, de Lima e Livre de Bruxelas, respectivamente.
  • 1917 – diplomado na Universidade Nacional de Buenos Aires;
  • 1925- diplomado na Faculdade de Medicina da Universidade de Hamburgo;
  • 1932 – diplomado pela Cruz Vermelha Alemã,
  • pertenceu à Société de Patologie Exótique da França (em 1919), à Physicans Club of Chicago dos EUA (em1921), à Associação Médica Panamericana (em 1922), da Sociedade de Artes Médicas das Índias Orientais Neerlandesas(1924), à Academia de Medicina de New York e à Kaiserlich Deutsch Akademie de Naturforscher zur Halle (1926), à Real Sociedade de Medicina Tropical e Higiene de Londres (1928) e da Sociedade de Biologia de Buenos Aires e Academia de Medicina de Paris (1930).
  • Recebeu o título, em 1920, de Cavaleiro da Ordem da Coroa da Itália; em 1923 de Comendador da Coroa da Bélgica e deCavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra da França; em 1924 o Grau de Oficial da Ordem de São Thiago, dePortugal; em 1925 o de Comendador da Ordem de Afonso XII, Espanha, em 1926 Comendador da Ordem de Isabel, a Católica da Espanha e em 1929 Cavaleiro da Ordem da Coroa da Romênia.
  • Carlos Chagas recebeu duas indicações para o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, embora não tenha sido laureado.

Por que ele não foi laureado com o Nobel?

É um pouco nebuloso o motivo pelo qual Carlos Chagas não foi agraciado com o maior Prêmio da Ciência Mundial. Algumas fontes afirmam que o médico brasileiro foi boicotado por inimigos políticos ou por ciúmes de outros médicos brasileiros. Outras afirmam que o fato de o Brasil fazer ciência à margem dos grandes centros foi definitivo para a não obtenção do Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia.

FONTES - HTTP://PT.WIKIPEDIA.ORG/WIKI/CARLOS_CHAGAS ; HTTP://WWW.E-BIOGRAFIAS.NET/CARLOS_CHAGAS/ ; HTTP://WWW.FIOCRUZ.BR/CHAGAS/MEDIA/CARLOS%20CHAGAS%20NAO%20RECEBEU%20O%20PREMIO%20NOBEL.PDF ; HTTP://WWW.JORNALDACIENCIA.ORG.BR/DETALHE.JSP?ID=62964
Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você