[ editar artigo]

Câncer e suicídio

Câncer e suicídio

Paciente com câncer pensa em Suicídio?

Dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção Ao Suicídio, o que promove inúmeras ações com intuito de identificar precocemente pessoas com risco de atentarem contra a própria vida. O processo de diagnóstico de câncer pode ser repleto de estigmas e fatores causadores de estresse, assim como tratamentos agressivos utilizados podem levar o paciente a danos físicos e emocionais, através de perda de partes do corpo e da auto-imagem, efeitos colaterais impactantes e mudanças irreversíveis nas atividades do dia a dia do paciente. Deste modo, não surpreende que a ocorrência de transtornos psiquiátricos nessa população esteja acima das taxas observadas da população em geral (Manjulika Das, 2019), de tal modo que a Sociedade Americana de Oncologia - ASCO - considera estresse emocional e ansiedade como sinais vitais a serem avaliados nos pacientes com câncer (Andersen et al, 2014).  

Pelo menos 30% desses pacientes possuem algum transtorno psiquiátrico (com essa cifra podendo chegar até 85% em diferentes estudos) entre depressão, transtornos de ansiedade e de adaptação/ajustamento, e este é um dos fatores de risco associados a uma incidência 2 vezes maior de tentativas de suicídio, e de 2 a 13 vezes maior de morte por suicídio do que a população em geral (Wang et al, 2017).

Estudos retrospectivos recentes identificaram que o primeiro ano após o diagnóstico é o período de maior risco de tentativa e óbito por suicídio. A primeira semana pós o diagnóstico é a mais delicada, sendo o risco de morte por suicídio nesse período cerca de 13 vezes maior do que a população em geral. Muitos desses pacientes não chegam a ter real noção das possibilidades de tratamento e prognóstico, pois nem se quer tem a primeira consulta com oncologista. Conforme o tratamento avança, esse risco reduz, e após um ano fica mais próximo da população em geral, mas ainda assim 2x  superior. E esse risco pode manter-se por até 25 anos (Wang et al, 2017; Robson et al, 2010).

Além do diagnóstico, efeitos colaterais do tratamento podem afetar a disposição e o humor do paciente, inclusive com confusão entre o que é sintoma emocional e o que é efeito colateral, como períodos prolongados de astenia intensa, náuseas persistentes, inapetência, insônia, disfunção sexual e anedonia. Períodos de troca de esquema de tratamento também são associados a aumento tanto no risco de suicídio quanto na piora de transtornos psiquiátricos.  

 Outros fatores de risco associados ao suicídio são (Robson et al, 2010):

- Sexo masculino;

- Idade avançada;

- Tumores de pulmão, cabeça e pescoço e testículo/bexiga;

- Prejuízo físico importante (decorrentes do próprio tumor, de procedimentos cirúrgicos ou de tratamentos);

- Sintomas mal controlados;

- Pior prognóstico;

A atenção a saúde mental desses pacientes deve, então, receber atenção especial. A ASCO sugere que periodicamente os pacientes sejam avaliados utilizando protocolos validados, como por exemplo o PHQ-9, que possui inclusive tradução validada para o português (Santos et al, 2013), e pode ser preenchido tanto pelo paciente quanto pelo entrevistador. Não é necessário, porém, que esse protocolo torne-se mais uma check-list a ser realizada em toda consulta, e sim, que as perguntas relacionadas ao estado emocional sejam mencionadas, e caso necessário, o protocolo utilizado como mecanismo de triagem para acompanhamento especializado, psicológico ou psiquiátrico.

O mais importante é unirmos esforços para tentarmos minimizar os impactos físicos e emocionais do câncer na vida do paciente, utilizando todos os nossos arsenais terapêuticos, sejam cirúrgicos, medicamentosos, psicoterápicos, alternativos, enfim, prevendo a ocorrência de transtornos complicados, acolhendo os sofrimentos e evitando ao máximo que esse risco aumentado de mortes por suicídio em pacientes com câncer, torne-se uma triste realidade.  


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 190 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Academia Médica
Naiara Costa Balderramas
Naiara Costa Balderramas Seguir

Médica formada pela UFPA, com Residência em Clínica Médica no HUJBB/PA e Oncologia Clínica no HUB/DF. Pós-graduação em Cuidados Paliativos na Casa do Cuidar/SP. Interessada em qualidade de vida, qualidade de fim de vida e literatura.

Ler conteúdo completo
Indicados para você