[ editar artigo]

Carl Rogers e a relação de ajuda baseada em evidências.

Carl Rogers e a relação de ajuda baseada em evidências.

Atualmente, em meio a tanto coaching, mentoria e “positividade”, torna-se evidente a necessidade que grande parte das pessoas tem em querer ser ajudada. De fato, muitos prometem reviravoltas milagrosas, respostas a todos os seus problemas, aquele famoso clichê “vou transformar a sua vida”.

Alguns profissionais realmente podem oferecer uma assistência adequada mas quando a demanda é grande inevitavelmente surgem os charlatões. Entretanto, em meio a um mar de promessas rasas devemos retornar aos gigantes sob os quais podemos nos apoiar nos ombros. Dentre eles, Carl Rogers.

 

O que é a relação de ajuda?

Em primeiro lugar é preciso definir com exatidão o que é uma relação de ajuda. Carl Rogers, o psicólogo norte-americano pai da abordagem centrada na pessoa, define a relação de ajuda como uma interação na qual “pelo menos uma das partes procura promover na outra o crescimento, o  desenvolvimento, a maturidade, um melhor funcionamento e uma maior capacidade  de enfrentar a vida” (1), o outro pode ser tanto um indivíduo como um grupo.

Dentre essas relações se encontram os pais e filhos; o paciente e médico; e (teoricamente) alunos e professores, além, inevitavelmente, as amizades verdadeiras. A princípio, qualquer situação na qual um dos participantes procura promover numa ou noutra parte, ou em ambas, uma maior apreciação, uma maior expressão e uma utilização mais funcional dos recursos internos latentes do indivíduo.

Rogers, durante toda sua carreira, buscou sedimentar as principais características envolvidas nesse tipo de interação e sintetizou sua tese em três critérios fundamentais: a aceitação incondicional, a congruência e a compreensão empática (2).

 

A aceitação incondicional

A aceitação incondicional, às vezes referida também como o interesse ou consideração, é definida como o desejo do ouvinte de que a pessoa ajudada expresse fidedignamente o sentimento que está ocorrendo naquele momento, qualquer um que seja (2).

A de se fazer uma ressalva, entretanto, isso não significa que o ajudante deva concordar com a pessoa na sua reação, mas que a reconheça e, a princípio, a aceite, ou seja, ele deve ter uma atitude positiva em relação ao que quer que o paciente seja naquele momento.

Rogers, sendo o estudioso que era, baseou seus princípios em cima de suas observações e estudos científicos realizado por terceiros. Dentre esses trabalhos destaca-se o de Dittes.  Nesse estudo, Dittes mediu a resposta psicogalvância – um aumento da condutância elétrica na pele em resposta a um aumento do estímulo simpático nas glândulas sudoríparas – para avaliar a resposta fisiológico de pacientes em encontros com seus terapeutas.

Ao fim do estudo, notou-se que uma redução na aceitação e permissividade por parte do terapeuta gera um aumento no reflexo psicogalvânico,ou seja, há uma resposta fisiológica de defesa que é contraintuitiva quando se quer alterar um comportamento (3).

Outro estudo, realizado no Fells Institute por Baldwin et al, buscou avaliar as relações entre pais e filhos e o desenvolver dessas crianças com o passar dos anos. Ao final do estudo, notou-se que a aceitação democrática dos filhos, ou seja uma relação com afeto e de igual para igual, favorece o crescimento o que foi refletido por um  desenvolvimento intelectual acelerado, maior originalidade, segurança, controle emocional e menor excitabilidade. Em contrapartida a rejeição ativa dos pais teve o efeito oposto. A aceitação parece, portanto, ser uma característica essencial nas relações de ajuda.

 

A congruência

A segunda característica fundamental em uma relação de ajuda identificada por Rogers na literatura é a congruência. A congruência, a autenticidade ou a sinceridade no contexto das relações de ajuda aparece como a “transparência”: a ouvinte está vivendo abertamente os sentimentos e atitudes que fluem naquele momento.

Ends e Page desenvolveram um trabalho com alcoólatras crônicos hospitalizados enviados para o hospital do Estado por sessenta dias, em que ministraram três técnicas de terapia em grupo diferentes dentre esses pacientes: a psicanálise, a terapia de aprendizagem e a terapia centrada na pessoa (4). O que era previsto pelos autores era que a terapia de aprendizagem seria a mais eficaz, seguida da centrada na pessoa e por último a psicanálise. O que de fato ocorreu surpreendeu a todos.

 A terapia de aprendizagem é um método terapêutico em que o terapeuta deve ser manter completamente impessoal e, portanto, fazer com que sua personalidade se manifeste o mínimo que for humanamente possível. Ela acentua o anonimato da sua personalidade, ou seja, deve evitar cuidadosamente influenciar o paciente com as qualidades individuais da sua própria individualidade.

A terapia de aprendizagem consiste em: anotar e compreender os comportamentos que se mostram como não satisfatórios; explorar objetivamente com o cliente as razões desses comportamentos para resolver os problemas e estabelecer por meio da reeducação, hábitos adequados para resolver os problemas.

A congruência, portanto, iria de encontro com essa terapia. Entretanto, os resultados foram expressivamente contrários às expectativas dos autores. O grupo da terapia centrada na pessoa foi a que mais demonstrou melhora, seguida da psicanálise e por último o grupo controle que não recebeu a terapia enquanto que o grupo da terapia de aprendizagem teve uma piora na sua evolução. Dessa forma, parece que se manter imparcial e impessoal em relação ao paciente não só não trás nenhum benefício como pode ser até prejudicial (4).

 

A compreensão empática

Por último, a terceira característica que predomina nas relações de ajuda é o que Carl Rogers chama de compreensão empática. Parafraseando Rogers, a compreensão empática remete à capacidade do terapeuta de captar com precisão os sentimentos e significados pessoais que o cliente está vivendo e comunicar ao paciente seu entendimento . O terapeuta diante disso serviria como uma forma de espelho para o paciente.

Outro trabalho citado por Rogers é o de Heine que buscou testar a maneira como a pessoa recebe a ajuda e apreende a relação. Ele separou grupos de pessoas que viriam a receber a ajuda psicoterapêutica de psicanalistas, de terapeutas rogerianos e de terapeutas adlerianos (5).

Ao final do estudo, os participantes deveriam identificar os principais elementos que consideravam benéficos, que eram responsáveis por suas transformações, foram eles: a confiança, o fato de terem sido compreendidos pelo terapeuta (a compreensão empática) e a independência que tiveram ao criar opções e tomar decisões diante de seu tratamento. Os clientes identificaram também o procedimento de maior ajuda que foi justamente o terapeuta clarificar e exprimir abertamente o que o paciente abordara vagamente e com hesitação – a compreensão empática.

Do outro lado do espectro, Heine relata as características e o procedimento que os pacientes identificaram como sendo ineficientes e prejudiciais. Seriam eles: a falta de interesse; uma atitude de distanciamento e a simpatia excessiva. Enquanto que os procedimentos desfavoráveis eram o aconselhamento direto e preciso e o enfoque no passado ao invés de enfrentar os problemas atuais (5).

 

Como a relação de ajuda gera a transformação?

A relação de ajuda, portanto, não é um processo em que uma das partes impõem sua vontade sobre a outra, mas surge como uma forma de espelhamento para o ajudado. Rogers afirma que pessoas, quando são aceitas e consideradas, tendem a desenvolver uma atitude de maior consideração em relação a si mesmas (2).

Ele diz também que quando são ouvidas de modo empático isto lhes possibilita ouvir mais cuidadosamente o fluxo de suas experiências internas. Dessa forma, a medida que compreende e considera o seu Eu, torna-se mais congruente com suas próprias experiências (2). A pessoa se torna mais genuína e verdadeira.

Essas tendências, portanto, seriam uma reciproca das atitudes do terapeuta que permite que a pessoa seja uma propiciadora mais eficiente de seu próprio crescimento. Os ajudados, logo, sentem-se mais livres para ser uma pessoa verdadeira e integral.  O que acontece, consequentemente, seria que durante a relação de ajuda a pessoa ajudada ganha uma autocompreensão melhor, pois fica diante de seu próprio Eu, refletido no ajudante. Ela se depara com seu próprio reflexo diante do espelho que é o outro e decide, enfim, Ser.

 

Referências:

  1. Rogers C. Tornar-se Pessoa. 6th ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes Ltda.; 2020.
  2. Rogers C. Um Jeito de Ser. 13th ed. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos Editora Ltda.; 1983.
  3. Dittes, J.E – “Galvanic skin response as a measure of a patient’s reaction to therapist’s permissiveness”, J. Abnorm. and Soc. Psychol., 1957, 55, pp. 295-303
  4. Ends, E. J., e C. W. Page – “A study of the three types of group psychoterapy with hospitalized male inebriates”, Quar. J. Stud. Alcohol, 1957, 18, pp. 263-277.
  5. Heine, R. W. – “A comparison of patients’ reports on psychoterapeutic experience with psychoanalytic, nondirective, and Adlerian therapists”, tese de doutorado inédita, Universidade de Chicago, 1950.

 

Academia Médica
Matheus Scalzilli
Matheus Scalzilli Seguir

Estudante de medicina da Zona Oeste do Rio de Janeiro. "A ciência não é apenas compatível com a espiritualidade; é uma fonte profunda de espiritualidade" - Carl Sagan

Ler conteúdo completo
Indicados para você